Um OTAN árabe – mas servindo a quem?