Trump tomou a decisão sobre Golã após lição ‘rápida de história’ de seu assessor e genro