Escritor americano diz que chanceler de Bolsonaro expõe o Brasil ao ridículo