Acidente de avião na Ucrânia: névoa de guerra ou ataque cibernético?