WSJ: EUA acusam a China de realizar testes nucleares secretos

O Departamento de Estado dos EUA divulgou um relatório alegando que Pequim está quebrando sua promessa e secretamente conduzindo testes nucleares de baixa potência, escreve o Wall Street Journal. Segundo a publicação, essas acusações apenas exacerbam a tensão existente entre os dois países.
WSJ: EUA acusam a China de realizar testes nucleares secretos

Reuters

É provável que, contrariamente à sua promessa, a China realize secretamente testes nucleares de baixa potência *. Esta declaração está contida em um novo relatório sobre o controle de armas do Departamento de Estado dos EUA, escreve o Wall Street Journal.  

Os autores do documento não fornecem evidências concretas de violações do Império Celestial. Mas indica uma certa atividade que ” causa preocupação ” que Pequim pode não estar observando uma proibição completa dos testes nucleares, observa o jornal.
O motivo dessa preocupação foram as extensas escavações na área do campo de testes chinês Lobnor, bem como as informações de que Pequim supostamente usa câmeras especiais para suprimir explosões. Outro fator que alimenta a suspeita norte-americana é a interrupção da transmissão de dados das estações da rede internacional de monitoramento do país que monitoram as emissões de radiação e os choques sísmicos, explica o WSJ.  
As alegações da administração Trump são encontradas em um resumo desclassificado da revisão anual do cumprimento dos acordos de controle de armas. A revisão está preparada há algum tempo e provavelmente exacerbará as tensões existentes entre Pequim e Washington relacionadas ao coronavírus, à militarização do Mar da China Meridional e disputas comerciais, informou a publicação.
Além disso, tudo isso está acontecendo no contexto das tentativas do presidente Trump de iniciar negociações com Pequim sobre controle de armas nucleares. Ele espera incluir a China em um novo acordo que também incluirá a Rússia.
Alguns especialistas acreditam que Trump está tentando ganhar pontos políticos às custas da China, em vez de resolver possíveis contradições por meio da diplomacia. Entre os que defendem essa visão está Steven Andreasen, ex-especialista sênior do governo Clinton em controle de armas. Segundo ele, se Washington tinha alguma preocupação com os testes, então deveria tê-los compartilhado com Pequim.
O acordo subjacente à disputa é o Tratado de Proibição Completa de Testes Nucleares (CTBT), que foi concluído em 1996. Embora alguns países, incluindo os Estados Unidos e a China, ainda não tenham ratificado o documento, eles insistem em respeitar seus termos.
* O Ministério das Relações Exteriores da China chamou todas as acusações das autoridades americanas sobre os testes nucleares secretos de “ficção e mentira” (nota InoTV).

Оригинал новости ИноТВ:
https://russian.rt.com/inotv/2020-04-16/WSJ-SSHA-obvinili-Kitaj-v


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=261859

Publicado por em abr 17 2020. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS