Venezuelanos protestam contra intervenção dos EUA e pedem punição a “traidores da pátria”

Marcha anti-imperialista realizada em Caracas, nesta segunda (11)

Marcha anti-imperialista realizada em Caracas, nesta segunda (11)

Foto: AVN

Milhares de venezuelanos saíram às ruas de Caracas nesta segunda-feira (11) para protestar contra os sucessivos atos de ingerência do governo dos EUA nos assuntos da Venezuela.

A manifestação saiu da Praça Venezuela e terminou em frente à sede do Ministério Público, onde entregaram um documento para que se investigue e se puna as pessoas que têm incitado a intervenção militar estrangeira contra o país. O crime de “traição à pátria” também abarcaria as pessoas que participaram ativamente de conspirações a nível nacional e internacional para desestabilizar a economia, o sistema político e a sociedade venezuelana, segundo a agência AVN.

Diversos políticos da oposição têm realizado desde o início do ano pedidos a governos estrangeiros, principalmente o dos EUA, para que apliquem sanções à Venezuela, o que agrava a situação econômica do país, deixando a população mais vulnerável à escassez de produtos básicos.

“A comunidade internacional e os povos do mundo são testemunhas de um fato político, notório e comunicacional dos reiterados chamados, viagens ao exterior e declarações à imprensa estrangeira por parte dos dirigentes políticos da direita nacional, solicitando aos governos de países estrangeiros que intervenham nos nossos assuntos internos, vulnerando assim nossa soberania”, diz o manifesto entregue à Procuradoria Geral da República.

Os manifestantes saíram às ruas portando cartazes com os rostos de políticos da oposição, como Julio Borges e Henry Ramos Allup, da ex-procuradora Luisa Ortega e de Lilian Tintori, esposa do líder extremista Leopoldo López. Suas fotos eram acompanhadas com inscrições como “Vende pátria” e “Traidor(a) da pátria”.

Todos esses têm participado da campanha de difamação internacional contra o governo do presidente Nicolás Maduro. Borges, por exemplo, está na Europa, onde se reuniu, junto com outro opositor, Freddy Guevara, com o presidente francês Emmanuel Macron e com altos representantes do governo alemão. Ortega e Tintori estiveram recentemente no Brasil para pedir ajuda ao governo golpista de Michel Temer na luta contra a Revolução Bolivariana, e tiveram grande destaque nos principais meios de comunicação brasileiros.

gz.diarioliberdade.org


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=256301

Publicado por em set 14 2017. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS