Trump-Putin: desvanece a confiança nas zonas de fronteiras da Síria com Israel, Jordânia

A decisão de Washington de manter as bases dos EUA no norte da Síria, garantida por uma nova força local de 30 mil habitantes, atraiu uma forte ameaça de Moscou. O coronel general Vladimir Shamanov, presidente do Comitê de Defesa da Duma do Estado russo, disse: “As práticas dos Estados Unidos, que lideram uma coalizão internacional supostamente contra Daesh, contradizem os interesses russos na Síria. A Rússia trabalhará em cooperação com seus parceiros para tomar os procedimentos necessários para estabelecer estabilidade na Síria “, disse ele na agência de notícias Novosti na terça-feira, 16 de janeiro.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse: “Há um receio de que estejam buscando uma política para cortar a Síria em várias peças”. No mesmo dia, uma delegação de chefes rebeldes sírios chegou a Washington para tentar persuadir os americanos a restaurar a ajuda. A administração dos EUA suspendeu esse programa de ajuda há sete meses, imediatamente após os presidentes Donald Trump e Vladimir Putin conversarem na cúpula do G20 de julho de 2017 em Munique. Foi então que eles concordaram em estabelecer uma série de zonas de escalação na Síria para acabar com a guerra, com foco especial em suas regiões fronteiriças com Israel e Jordânia.
No entanto, quando nas últimas semanas, Trump encontrou os russos abrindo a porta para o Irã aprofundar sua presença militar na Síria, ele perdeu a fé em seu acordo com Putin. Os rebeldes sírios sentiram uma oportunidade na mão para pedir a retomada das armas e da ajuda dos EUA. Uma delegação do exército sírio livre (FSA), por conseguinte, desembarcou em Washington nesta semana e solicitou abertamente à CIA que voltasse aos seus programas anteriores de treinamento e ajuda.

Pode-se presumir que os chefes da FSA receberam algum sinal da administração Trump de que sua jornada valia a pena. Eles também podem ter entendido que, se Washington estivesse disposto a criar um novo exército no norte da Síria, dominado pela milícia curpânica YPG, seria igualmente conveniente reconstituir a FSA para operar em outras frentes, especialmente contra o exército do governo sírio em avanço e seus aliados iranianos e do Hezbollah.
Em uma palavra, a situação está muito longe da afirmação de Putin na base aérea russa Khmeimim, perto de Latakia, em 11 de dezembro, de que a guerra estava terminando com uma vitória russa. Em vez de terminar, a guerra mudou para uma nova etapa.
Em referência adicional aos novos planos dos EUA para o norte da Síria, Lavrov disse na segunda-feira: “O que isso significaria é que vastas áreas de território ao longo das fronteiras da Turquia e do Iraque a leste do rio Eufrates seriam isoladas”. Ele reclamou: “Não há nada nas resoluções do Conselho de Segurança da ONU que tenham apontado para isso e também não está em nossos acordos anteriores, então esperamos alguns esclarecimentos dos EUA”.

Mas a administração do Trump está agora ocupada, traduzindo suas decisões em ações no terreno na Síria e não tem tempo para discussões diplomáticas. As zonas de escalação acordadas pelos dois líderes há sete meses estão se dissipando, sob as pressões dos movimentos russo-iranianos, dos contadores dos EUA e das ameaças de Moscou. Agora, cabe a Israel se adaptar à nova realidade de que as zonas fronteiriças da Síria não são mais seguras.

Debkafile (site sionista)


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257313

Publicado por em jan 16 2018. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS