Trump: países do Golfo Pérsico devem pagar pela paz na Síria

Donald Trump participa do evento de campanha eleitoral em Hershey, Pensilvânia, EUA (foto de arquivo)

Na sexta-feira (16), o presidente eleito dos EUA Donald Trump prometeu criar zonas humanitárias seguras na Síria, obrigando os países do Golfo Pérsico a pagar pelas mesmas. O colunista da Sputnik, Alexandr Jrolenko, explica as implicações dessas declarações Trump.

Na sua opinião, as palavras de Trump fazem sentido apesar de seis dos países do Golfo Pérsico – Bahrein, Qatar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Omã e Arábia Saudita – não dividirem fronteiras com a Síria. “Para os países do Golfo Pérsico, a Síria vive uma guerra centenária, uma luta pelo controle do caminho mais curto para transportar petróleo até a Europa. Em primeiro lugar, esses países patrocinam grupos da ‘oposição síria’ e tentam transformar Síria num segundo Afeganistão – dividir a o país em zonas de influência. Nada pessoal, apenas negócios”, defende o especialista.

Perguntado sobre se os países do Golfo e seus vizinhos estariam dispostos a acatar às ordens dos EUA para pagar pela paz e a ordem na Síria, Jrolenko respondeu: “Se Washington disse que ‘é necessário’, então Abu Dabi encontrará os meios e recursos para atender a essa ordem”.

Segundo algumas estimativas, a paz na Síria pode chegar a custar até 180 bilhões de dólares. Leia também: Assad: Trump pode ser um aliado ‘natural’ da Síria O especialista indica que, paradoxalmente, os vizinhos mais próximos de Damasco — Líbano, Israel, Jordânia e Turquia – estão, por sua vez, decididos a piorar a situação na Síria, especialmente se Assad continuar a liderar aquele país. Trump, no entanto, ainda não se pronunciou a respeito desse fato.
sputniknews


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=251990

Publicado por em dez 18 2016. Arquivado em 4. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS