Temer diz que não se importa com impopularidade cada vez maior

 

www.pragmatismopolitico.com.br

Para o presidente ilegítimo, os manifestos contrários às reformas do ensino médio não passam de “uma ou outra voz dissonante”. Para o presidente ilegítimo, os manifestos contrários às reformas do ensino médio não passam de “uma ou outra voz dissonante”.

“A aprovação é fundamental para evitarmos a espiral inflacionária e a recessão. A dívida poderá chegar a 100% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2024 ou antes. Será a falência do Estado brasileiro”, dramatizou, para justificar o golpe de Estado em curso no país, que serve de pano de fundo para a maior crise político-econômica das últimas décadas.

Temer acredita que sua proposta será aprovada, com o apoio das bancadas de direita que hoje compõe a maioria do Congresso, e do Fundo Monetário Internacional (FMI), com o qual o país mantém estreitas relações e recebe aconselhamentos econômicos.

Segundo Temer, a PEC não beneficia apenas a elite econômica do país. Alguns recursos serão destinados “aos grupos mais vulneráveis”. Para os brasileiros que integram essa camada ‘mais vulnerável’, Temer promete adiar a reforma trabalhista. O texto idealizado e que retira direitos dos trabalhadores, segundo o presidente ilegítimo, poderá nem chegar ao Congresso.

Para ele, o Supremo Tribunal Federal (STF) está fazendo o papel de reformador dos direitos trabalhistas. Suas “readequações trabalhistas” têm permitido reduções salariais de até 30%.

Essas decisões no STF podem evitar, segundo Temer, que o governo elabore propostas ainda mais duras. E citou o projeto Ponte para o Futuro que prevê reformas que poderiam retirar direitos trabalhistas e precarizar conquistas sociais, como o 13º salário, férias e licenças.

Ensino médio

Em sua palestra, Temer também abordou as últimas medidas adotadas no campo da educação com a apresentação da Medida Provisória que altera as regras do ensino médio. Confusas e fortemente criticadas pela sociedade civil, especialistas e parlamentares da oposição, a proposta de reforma do ensino médio foi questionada em ação judicial junto ao STF.

Para Temer, o fator que sua equipe levou em consideração foi o baixo desempenho escolar. Baseou-se no índice de desenvolvimento da educação, que passou a apresentar uma curva descendente nos últimos anos.

O substituto da presidenta eleita Dilma Rousseff disse que a matéria foi discutida, com pressuposto de manter disciplinas obrigatórias por um certo período. Isso permitirá que o aluno monte sua grade curricular, com a graduação pretendida.

Os manifestos contrários de diretores das escolas professores, e alunos, para Temer, não passam de “uma ou outra voz dissonante”. Ele citou que, na época em que era estudante, havia o colegial clássico e científico, em que os alunos cursavam uma especialização. O modelo seria empregado na Europa e Estados Unidos.

“Não me preocupa, porque essa matéria será debatida e aprovada fazendo uma grande revolução”, concluiu.

Correio do Brasil


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=250093

Publicado por em out 2 2016. Arquivado em 4. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS