Sauditas pediram pediram a Assad que cortasse relações com o Irã, o Hezbollah

Uma foto de divulgação divulgada pelo Palácio Real Saudita em 15 de abril de 2018 mostra o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman Al Saud participando da 29ª Cúpula da Liga Árabe em Dhahran, na Arábia Saudita.

Um parlamentar libanês afiliado ao Hezbollah diz que o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman recentemente ofereceu ao presidente da Síria, Bashar al-Assad, enormes somas de dinheiro para a reconstrução de seu país, caso este último rompa relações com o Irã eo movimento de resistência libanês.

Falando em uma entrevista exclusiva à rede de televisão árabe al-Mayadeen baseada no Líbano, Nawwaf Musawi disse que um delegado saudita transmitiu a mensagem ao presidente sírio, notificando-o de que o regime de Riad não teria nenhum problema com Assad permanecendo no poder apenas se o governo de Damasco optar por cortar os laços com Teerã e o Hezbollah.

Musawi observou que Assad não hesitou em rejeitar a oferta, enfatizando que o presidente sírio está no centro da frente de resistência anti-Israel.

A Síria tem sido dominada pela militância apoiada pelos estrangeiros desde março de 2011. O governo sírio diz que o regime israelense e seus aliados ocidentais e regionais estão ajudando os grupos terroristas Takfiri a causar estragos no país.

PressTV-Síria adverte sobre conspirações sauditas enquanto Daesh “ressurgiu”

A Síria criticou a Arábia Saudita por dar dinheiro à coalizão liderada pelos EUA para avançar com o que Damasco descreveu como “conspirações de desestabilização” no país devastado pela guerra.

Tropas do exército sírio, apoiadas por combatentes aliados dos grupos populares de defesa, fizeram recentemente importantes ganhos territoriais em batalhas contra o Daesh e outros grupos terroristas Takfiri, quase capturando toda a parte sul do país depois de garantir a capital Damasco e outros importantes áreas.

A principal fortaleza militante permanece na província de Idlib, no noroeste do país, onde as forças do governo estão se preparando para lançar uma operação militar em grande escala.

Um soldado sírio acena a bandeira nacional na cidade de Quneitra nas colinas sírias de Golan em 27 de julho de 2018. (Foto de AFP)

Os militantes takfiri também controlam algumas áreas da província de Hama, no centro-oeste, e mantêm algumas regiões desérticas perto da fronteira com a Turquia.

Além disso, as negociações têm ocorrido entre a ala política das Forças Democráticas da Síria (SDF), apoiada pelos EUA, e o governo sírio sobre formas de acabar com a violência na Síria.

Presstv


 

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=258857

Publicado por em ago 23 2018. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS