Rússia teme que vôos de vigilância dos EUA ajudem novos ataques aéreos israelenses contra a Síria

Moscou indicou na quinta-feira, 25 de outubro, que os aviões de vigilância dos EUA haviam pilotado um ataque maciço de UAV contra a base aérea russa na Síria. DEBKAfile: Esta acusação visava impedir os vôos de reconhecimento US-UK que estão avaliando as novas instalações de defesa aérea e de guerra eletrônica na Síria.
Ele foi derrubado pelo vice-ministro da Defesa da Rússia, Alexander Fomin, que afirmou que a Base Aérea de Khmeimim, na Rússia, sofreu um enorme ataque de aeronaves não-tripuladas pilotadas por uma aeronave de vigilância Poseidon 8 dos EUA. “É um dado muito alarmante, é claro”, disse Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, a jornalistas. “Ninguém tem dúvidas sobre as conclusões, uma análise adequada será realizada por nossos militares.”

Questionado se o assunto seria levantado na Cúpula Trump, que deve ocorrer em 11 de novembro em Paris, Peskov não descartou isso. .

Também surgiu, segundo fontes do DEBKAfile, as conversas que o Conselheiro Nacional de Segurança dos EUA, John Bolton, realizou em Moscou na segunda e na terça-feira.
A acusação russa é realmente grave.

O rebelde radical islâmico Hay’at Tahrir al-Sham montou repetidos ataques aéreos na base aérea de Khmeimim desde Idlib e Latakia, no norte, mas Moscou nunca acusou os EUA de envolvimento militar direto nos ataques dos terroristas islâmicos.

A acusação também afeta diretamente Israel, ou melhor, sua força aérea. De acordo com as nossas fontes, a acusação russa visa suspender os voos de reconhecimento dos EUA e da Grã-Bretanha que se realizam durante alguns dias ao longo da costa síria do Mediterrâneo e das fronteiras israelita e jordana com a Síria.

Nossas fontes militares relatam que essas missões visam principalmente avaliar a eficácia dos mísseis de defesa aérea S-300 da Rússia e dos sistemas de guerra eletrônica recém-implantados em várias partes da Síria, e até onde colocam em risco aviões de guerra americanos e israelenses que operam no espaço aéreo sírio.

São cinco semanas desde que Israel interrompeu seus ataques aéreos contra alvos iranianos na Síria por relutância em arriscar que seus aviões fossem abatidos pelos russos por causa da ânsia de equilibrar o abaixamento de seu avião espião da IL-20 em 17 de setembro. embora por mísseis sírios.

Esta semana, bisbilhoteiros russos começaram a conversar em Israel sobre possíveis planos de retomar os ataques aéreos. E assim, Moscou apresentou a acusação de um americano Poseidon pilotando um avião-robô rebelde em sua base aérea na Síria, principalmente para impedir Israel e sua força aérea de retornar aos céus sírios – certamente antes dos presidentes Vladimir Putin e Donald Trump se reunirem no próximo mês. .

Por que o Kremlin está tão ansioso para conectar os dois casos? Os russos têm lembranças longas. Em dezembro de 1987, 31 anos atrás, pouco antes de o presidente Ronald Reagan e o presidente Mikhail Gorbachev se reunirem em Genebra, os EUA e Israel decidiram ignorar as ameaças russas na Síria e permitir um duelo aéreo entre combatentes sírios secretamente pilotados por aviões russos. tripulações e aviões de guerra israelenses.

O compromisso era testar seus respectivos sistemas de guerra eletrônica em ação e descobrir quais eram as capacidades superiores, israelense-ocidentais ou russas. No entanto, as esperanças de Gorbachev de chegar ao topo com Reagan, depois de provar a superioridade russa, foram destruídas depois que aeronaves pilotadas por russos foram derrubadas pelas tripulações aéreas israelenses.

Com outra cúpula chegando em breve, os russos estão esperando em suspense por Israel decidir se vai enfrentar seu hardware de ponta ou evitar o risco.

Debkafile (site sionista)


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259204

Publicado por em out 25 2018. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS