Rússia fará maiores exercícios militares no país em 40 anos

Jogos de guerra terão 300 mil soldados, mil aviões de combate e duas frotas da Marinha russa; China e Mongólia também vão participar

Soldados num tanque russo perto de Moscou: jogos de guerra serão em larga escala, garante o Kremlin Foto: MAXIM SHEMETOV / REUTERSSoldados num tanque russo perto de Moscou: jogos de guerra serão em larga escala, garante o Kremlin – MAXIM SHEMETOV / REUTERS

 

MOSCOU – No mês que vem, a Rússia vai fazer os maiores exercícios militares do país em quase 40 anos, revelou nesta terça-feira o ministo da Defesa, Sergei Shoigu. As Forças Armadas da China e da Mongólia também vão participar dos jogos de guerra russos.

Os exercícios, batizados de Vostok-2018 (Leste-2018), vão acontecer nos distritos militares das regiões central e oriental da Rússia e contarão com aproximadamente 300 mil soldados, mais de mil aviões de combate, duas frotas da Marinha russa e todas as Unidades Aerotransportadas do país, informou Shoigu num comunicado.

As manobras militares vêm num momento de extrema tensão entre o Ocidente e a Rússia de Vladimir Putin. Segundo o governo russo, os exercícios seriam uma resposta ao aumento injustificado das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em sua fronteira ocidental.

A Otan diz que incrementou sua capacidade militar para deter potenciais agressões russas, em especial depois que o país anexou a Crimeia, tomando a região da Ucrânia em 2014, e apoiou uma rebelião pró-Kremlin no leste ucraniano. A Rússia argumenta o contrário: que a anexação da Crimeia foi uma reação à expansão da aliança militar ocidental para países que pertenciam à antiga União Soviética e ao antigo Pacto de Varsóvia.

MAIORES MANOBRAS DESDE 1981

Os jogos de guerra russos, chineses e mongóis vão começar dia 11 de setembro e terminar no dia 15. Os exercícios, segundo especialistas, vão irritar o Japão, que já vem reclamando há algum tempo do que classifica como um aumento das forças militares russas no Extremo Oriente.

Durante as manobras, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, estará num fórum em Vladivostok. Segundo uma autoridade do Ministério das Relações Exteriores do Japão, Tóquio está sempre prestando atenção às idas e vindas na cooperação militar entre Rússia e China.

Segundo Shoigu, as manobras serão as mais poderosas desde um exercício militar sovético de 1981, conhecido como Zapad-81 (Oeste-81).

‘UMA RÚSSIA MAIS OFENSIVA’

Perguntado se o custo de um exercício militar tão maciço era justificável num momento em que a Rússia enfrenta demandas por maiores gastos sociais, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, respondeu que os jogos de guerra eram fundamentais.

— A capacidade de se defender na atual situação internacional, frequentemente agressiva e nada amigável em relação ao nosso país, é importante, e por isso as manobras se justificam — disse numa entrevista coletiva.

Indagado se o envolvimento chinês nos jogos de guerra significava uma possível aliança entre Moscou e Pequim, Peskov retrucou que os dois países já cooperam em todas as áreas.

China e Rússia já fizeram exercícios militares conjuntos antes, mas não em tamanha escala.

O porta-voz da Otan, Dylan White, disse que a Rússia já havia informado a organização em maio sobre os exercícios, e que a entidade vai monitorá-los. O Kremlin convidou adidos militares da Otan em Moscou para comparecer às manobras, e White afirmou que a oferta estava sendo estudada.

— Todas as nações têm o direito de exercitar suas Forças Armadas, mas é essencial que tais manobras sejam feitas de maneira transparente e previsível — disse White em um e-mail. — A operação Vostok demonstra o foco da Rússia em simular um conflito em larga escala. Isso segue um padrão que já vemos há algum tempo: uma Rússia mais ofensiva, que aumenta significativamente seu orçamento de Defesa e sua presença militar.

— Imagine 36 mil veículos militares, entre tanques, blindados de infantaria e artilharia, se movendo e operando simultaneamente — descreveu o ministro. — E tudo isso será testado em condições o mais próximas possível de eventos militares.

No ano passado, os exercícios Zapad-2017 (Oeste-2017) reuniram 12.700 soldados na Rússia e na Bielorrússia, de acordo com Moscou, mas a Otan rejeitou os números e citou quase 100 mil militares.

Agência OGlobo


 

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=258887

Publicado por em ago 29 2018. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “Rússia fará maiores exercícios militares no país em 40 anos”

  1. enganado

    Qto mais fuder os ANGLO_SIONISTAS melhor para o tal Mundo Livre.

Deixe uma Resposta

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS