Rússia e China estão contendo os EUA para reformular a ordem mundial

Rússia e China estão contendo os EUA para reformular a ordem mundial

FEDERICO PIERACCINI | 19.02.2019 | MUNDO / ÁSIA-PACÍFICO | O NEGÓCIO

Felizmente o mundo hoje é muito diferente do de 2003, os decretos de Washington são menos eficazes na determinação da ordem mundial. Mas apesar dessa nova e mais equilibrada divisão de poder entre várias potências, Washington parece cada vez mais agressivo em relação a aliados e inimigos, independentemente de qual presidente dos EUA esteja no poder.

A China e a Rússia estão liderando essa transição histórica, sendo cuidadosas para evitar a guerra direta com os Estados Unidos. Para ter sucesso nesse empreendimento, eles usam uma estratégia híbrida envolvendo diplomacia, apoio militar a aliados e garantias econômicas a países sob o ataque de Washington.

Os Estados Unidos consideram todo o planeta seu playground. Sua doutrina militar e política é baseada no conceito de hegemonia liberal, como explica o cientista político John Mearsheimer. Essa atitude imperialista, ao longo do tempo, criou uma frente coordenada e semi-oficial de países que resistem a essa hegemonia liberal. Os recentes acontecimentos na Venezuela indicam por que a cooperação entre esses países contra-hegemônicos é essencial para acelerar a transição de uma realidade unipolar para uma realidade multipolar, onde o dano que o imperialismo dos EUA é capaz de produzir é diminuído.

Moscou e Pequim lideram o mundo impedindo Washington

Moscou e Pequim, seguindo um relacionamento complexo do período da Guerra Fria, conseguiram alcançar uma confluência de interesses em seus grandes objetivos nos próximos anos. O entendimento que eles vêm principalmente gira em torno do caos que Washington desencadeou no mundo.

O princípio orientador do aparato de inteligência militar dos EUA é que, se um país não pode ser controlado (como o Iraque após a invasão de 2003), ele deve ser destruído para evitar que ele caia no campo sino-russo. É isso que os Estados Unidos tentaram fazer com a Síria e o que ela pretende fazer com a Venezuela.

O Oriente Médio é uma área que atraiu a atenção mundial por algum tempo, com Washington claramente interessado em apoiar seus aliados israelenses e sauditas na região. Israel persegue uma política externa destinada a desmantelar os estados iranianos e sírios. A Arábia Saudita também persegue uma estratégia semelhante contra o Irã e a Síria, além de fomentar uma ruptura no mundo árabe decorrente de suas diferenças com o Catar.

As decisões de política externa de Israel e da Arábia Saudita têm sido apoiadas por Washington há décadas, por duas razões muito específicas: a influência do lobby de Israel nos EUA e a necessidade de garantir que a Arábia Saudita e os países da Opep vendam petróleo nos EUA. dólares, preservando assim o papel do dólar dos EUA como moeda de reserva global.

O dólar americano remanescente da moeda de reserva global é essencial para que Washington seja capaz de manter seu papel como superpotência e é crucial para sua estratégia híbrida contra seus rivais geopolíticos. As sanções são um bom exemplo de como Washington usa o sistema financeiro e econômico global, baseado no dólar dos EUA, como uma arma contra seus inimigos. No caso do Oriente Médio, o Irã é o alvo principal, com sanções destinadas a impedir que a República Islâmica negocie com sistemas bancários estrangeiros. Washington vetou a capacidade da Síria de obter contratos para reconstruir o país, ameaçando as empresas européias de não correrem mais risco de trabalhar nos EUA se aceitarem trabalhar na Síria.

Pequim e Moscou têm uma clara estratégia diplomática, rejeitando em conjunto inúmeras moções avançadas pelos EUA, Reino Unido e França no Conselho de Segurança das Nações Unidas condenando o Irã e a Síria. Na frente militar, a Rússia continua sua presença na Síria. Os esforços econômicos da China, embora ainda não sejam totalmente visíveis na Síria e no Irã, serão a parte essencial para reviver esses países destruídos pelos anos de guerra infligidos por Washington e seus aliados.

A estratégia de contenção da China e da Rússia no Oriente Médio visa defender a Síria e o Irã usando diplomaticamente a lei internacional, algo que é continuamente dominado pelos EUA e seus aliados regionais. A ação militar da Rússia tem sido crucial para conter e derrotar a agressão desumana lançada contra a Síria, e também traçou uma linha vermelha que Israel não pode cruzar em seus esforços para atacar o Irã. A derrota dos Estados Unidos na Síria criou um precedente encorajador para o resto do mundo.Washington foi forçado a abandonar os planos originais de se livrar de Assad.

A Síria será lembrada no futuro como o início da revolução multipolar, em que os Estados Unidos foram contidos em termos convencionais-militares como resultado das ações coordenadas da China e da Rússia.

A contribuição econômica da China atende a necessidades urgentes, como o fornecimento de alimentos, empréstimos governamentais e remédios a países sob o cerco econômico de Washington. Enquanto o sistema financeiro global permanecer ancorado no dólar americano, Washington continua sendo capaz de causar muita dor aos países que se recusam a obedecer seus ditames.

A eficácia das sanções econômicas varia de país para país. A Federação Russa usou as sanções impostas pelo Ocidente como um incentivo para obter um refinanciamento completo, quase autônomo, de sua principal dívida externa, bem como para produzir em casa o que antes era importado do exterior. A estratégia de longo prazo da Rússia é se abrir para a China e outros países asiáticos como principal mercado de importações e exportações, reduzindo os contatos com os europeus se países como a França e a Alemanha continuarem hostis à Federação Russa.

Graças aos investimentos chineses, juntamente com projetos planejados como o Belt and Road Initiative (BRI), a hegemonia do dólar dos EUA está sob ameaça a médio e longo prazo. As iniciativas chinesas nos campos de infra-estrutura, energia, ferrovias, estradas e conexões tecnológicas entre dezenas de países, somadas à necessidade contínua de petróleo, impulsionarão o crescente consumo de petróleo na Ásia que atualmente é pago em dólares americanos.

Moscou está em uma posição privilegiada, desfrutando de boas relações com todos os principais produtores de petróleo e GNL, do Qatar à Arábia Saudita, e incluindo Irã, Venezuela e Nigéria. As boas relações de Moscou com Riyadh visam, em última análise, a criação de um acordo da OPEP + que inclua a Rússia.

Particular atenção deve ser dada à situação na Venezuela, um dos países mais importantes da OPEP. Riad enviou a Caracas nas últimas semanas um petroleiro carregando dois milhões de barris de petróleo, e Mohammed bin Salman (MBS) assumiu uma posição neutra em relação à Venezuela, mantendo um equilíbrio previsível entre Washington e Caracas.

Essas iniciativas conjuntas, lideradas por Moscou e Pequim, visam reduzir o uso do dólar dos EUA pelos países que estão envolvidos no BRI e aderir ao formato da OPEP +. Esta diversificação em relação ao dólar norte-americano, para cobrir as transações financeiras entre os países que envolvem investimento, petróleo e GNL, assistirá ao progressivo abandono do dólar norte-americano como resultado de acordos que cada vez mais eliminam o dólar.

Por enquanto, Riad não parece disposto a perder a proteção militar dos EUA. Mas eventos recentes relacionados a Khashoggi, assim como a falha em listar a Saudi Aramco nas bolsas de valores de Nova York e Londres, minaram severamente a confiança da família real saudita em seus aliados americanos. O encontro entre Putin e MBS no G20 em Bueno Aires parece sinalizar uma mensagem clara para Washington, assim como o futuro do dólar americano.

Os esforços militares, econômicos e diplomáticos de Moscou e Pequim são o ponto culminante no processo de Astana. A Turquia é um dos principais países por trás da agressão contra a Síria; Mas Moscou e Teerã a incorporaram no processo de conter o caos regional gerado pelos Estados Unidos. Graças a acordos oportunos na Síria conhecidos como “zonas de desconexão”, Damasco avançou, cidade por cidade, para limpar o país dos terroristas financiados por Washington, Riad e Ancara.

O Catar, um garante econômico da Turquia, que em troca oferece proteção militar a Doha, também está se afastando do campo israelense-saudita como resultado dos esforços sino-russos nos campos energético, diplomático e militar. O movimento de Doha também foi por causa da fratricida guerra diplomático-econômica lançada por Riad contra Doha, sendo mais um exemplo do efeito contagioso do caos criado por Washington, especialmente contra os aliados dos EUA, Israel e Arábia Saudita.

Washington perde influência militar na região graças à presença de Moscou, o que faz com que aliados tradicionais dos EUA, como Turquia e Catar, gravitem em direção a um campo composto essencialmente pelos países que se opõem a Washington.

A derrota militar e diplomática de Washington na região permitirá, a longo prazo, mudar a estrutura econômica do Oriente Médio. Uma realidade multipolar prevalecerá, onde potências regionais como Egito, Turquia, Arábia Saudita e Irã se sentirão compelidas a interagir economicamente com todo o continente eurasiano como parte da Iniciativa do Cinturão e da Estrada.

O princípio básico para Moscou e Pequim é o uso de meios militares, econômicos e diplomáticos para conter os Estados Unidos em seu incessante impulso de matar, roubar e destruir.

Do Oriente Médio à Ásia

Pequim concentrou-se na Ásia no campo diplomático, facilitando as conversações entre a Coréia do Norte e a Coréia do Sul, acelerando o diálogo interno na península, excluindo, assim, atores externos como os Estados Unidos (que têm apenas a intenção de sabotar as negociações). O componente militar de Pequim também desempenhou um papel importante, embora nunca tenha sido usado diretamente, como fez a Federação Russa na Síria. As opções de Washington vis-à-vis a península coreana foram fortemente limitadas pelo fato de que na fronteira com a RPDC estavam enormes forças nucleares e convencionais, ou seja, a dissuasão oferecida pela Rússia e pela China. O poder militar combinado da RPDC, da Rússia e da China fez com que qualquer hipotética invasão e bombardeio de Pyongyang fosse uma opção impraticável para os Estados Unidos.

Como no passado, a linha de vida econômica estendida a Pyongyang por Moscou e Pequim provou ser decisiva para limitar os efeitos do embargo e da completa guerra financeira que Washington havia declarado sobre a Coréia do Norte. Pequim e o trabalho diplomático qualificado de Moscou com Seul produziram um efeito semelhante ao da Turquia no Oriente Médio, com a Coréia do Sul lentamente parecendo orientada para o mundo multipolar oferecido pela Rússia e China, com importantes implicações econômicas e perspectivas de unificação da península.

Rússia e China – através de uma combinação de jogar um jogo inteligente de diplomacia, dissuasão militar e oferecer à península coreana a perspectiva de investimento econômico através do BRI – conseguiram frustrar os esforços de Washington para desencadear o caos em suas fronteiras através da península coreana.

Os Estados Unidos parecem estar perdendo seu peso imperialista mais significativamente na Ásia e no Oriente Médio, não só militarmente, mas também diplomaticamente e economicamente.

A situação é diferente na Europa e na Venezuela, duas áreas geográficas onde Washington ainda possui maior peso geopolítico do que na Ásia e no Oriente Médio. Em ambos os casos, a eficácia das duas resistências sino-russas – em termos militares, econômicos e diplomáticos – é mais limitada, por diferentes razões. Esta situação, de acordo com o princípio da América Primeiro e o retorno à doutrina de Monroe, será o assunto do próximo artigo.

strategic-culture.org


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259810

Publicado por em fev 20 2019. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS