Representante russo critica ameaça de intervencionismo ocidental

 

“Soberania, não intervenção em assuntos internos, igualdade entre os povos, respeito mútuo — a Rússia sempre se pautou nesses princípios em sua política internacional e continuará em sua defesa. Durante o último quarto de século, o nosso país, apesar das provações, trilhou com honestidade a sua parte do caminho para liquidar a herança da Guerra Fria e fez muito para fortalecer a confiança e o entendimento mútuo no espaço euroatlântico, e no mundo como um todo. Isso, no entanto, não foi correspondido por parte dos nossos parceiros ocidentais, enfeitiçados pela ilusão da chegada do fim da história e que até hoje tentam adaptar à realidade atual as instituições da época de confronto entre os blocos”, declarou Lavrov.

Segundo o ministro russo, a “OTAN tenta recriar o clima da Guerra Fria e recusa a colocar em prática o princípio de segurança igualitária e indivisível no espaço da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, red.), anunciado com pompa na década de 90”.

“O Ocidente construiu a sua política sob o princípio de — quem não está conosco, está contra a gente — e iniciou o caminho da expansão incontrolável da OTAN para o leste, provocando instabilidade no espaço pós-soviético e estimulando humores antirrussos”, concluiu o chefe da diplomacia russa.

Crítica às ameaças e intervenções dos EUA

O chanceler russo condenou as “aventuras nucleares e de mísseis de Pyongyang”, mas ressaltou o risco de “histeria militar”. Lavrov citou que as resoluções aprovadas no Conselho de Segurança da ONU, além de sanções, incluem medidas para avançar em uma solução diplomática para o conflito com a Coreia Popular.

“Pedimos que deixem de bloquear essas medidas. Não há alternativa senão as vias política e diplomática para resolver a questão nuclear”, indicou Lavrov.

O chefe da diplomacia da Rússia pediu apoio para a proposta conjunta apresentada pelo país e pela China em julho, na qual estabelece que a Coreia Popular suspenda seus testes se Estados Unidos e Coreia do Sul façam o mesmo com as manobras militares na região, em uma tentativa para criar condições para o diálogo.

“A Rússia está extremamente preocupada com os comentários do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, questionando o acordo nuclear com o Irã e suspeita que Washington esteja violando um tratado de controle de armas”, disse o ministro russo.

“É especialmente alarmante que os Estados Unidos, através das palavras do presidente Trump, confirmem sua posição irreconciliável e critiquem fortemente o Plano Conjunto de Ação, que permitiu resolver o problema nuclear iraniano”, disse Lavrov a repórteres, e completou: “defenderemos este documento, esse consenso, que foi aceito com o alívio de toda a comunidade internacional e realmente fortaleceu a estabilidade regional”.

A ameaça de Trump, feita na mesma ocasião, de “destruir completamente” a Coreia do Norte se os EUA tiverem que se defender, ou a seus aliados, também desagradou a Rússia, que compartilha uma fronteira com a Coreia Popular e acredita que negociações e diplomacia são a única maneira de resolver a crise provocada pelo programa de mísseis de Pyongyang.

Ele guardou suas críticas mais duras, porém, ao que afirmou ser uma possível violação norte-americana de um tratado de controle de armas de 1987 que proíbe EUA e Rússia de terem mísseis de alcance intermediário em solo.

“Temos suspeitas de que, em ao menos três frentes, os norte-americanos estão criando sistemas de armas que violam ou poderiam violar as obrigações do tratado”, disse.

Em defesa da Venezuela 

O chanceler russo criticou a aplicação ilegítima de “sanções unilaterais” por determinados países do ocidente, referindo-se às restrições impostas pelos EUA contra o Irã, Cuba e a Venezuela.

Lavrov considera “inadmissível instigar distúrbios e lançar ameaças de uma intervenção militar com a finalidade de ‘democratizar’ a Venezuela, assim como todas as ações que visam derrubar as autoridades legítimas de qualquer país”.

Afirmou que em qualquer conflito interno, a comunidade internacional deve procurar promover a reconciliação e o compromisso.

Do Portal Vermelho, com agências


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=256363

Publicado por em set 22 2017. Arquivado em 4. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS