Reino Unido se juntará a EUA em ataques contra a Síria

O Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson.
O Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson.

O secretário de Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, disse que o Reino Unido provavelmente se unirá aos EUA em uma ação militar contra a Síria se solicitado pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Johnson disse que seria “muito difícil dizer não” se Washington buscou a ajuda de Londres para uma missão militar contra as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, sobre o uso de armas químicas.

“Se os americanos fossem mais uma vez forçados pelas ações do regime de Assad … e eles nos pedem para ajudar, seria muito difícil dizer não”, disse Johnson.

O principal diplomata britânico disse que o governo do Reino Unido não vai esperar pelo voto do Parlamento sobre tal medida. Ele acrescentou que a primeira-ministra britânica, Theresa May, decidirá qual será a ação de Londres.

O Parlamento será dissolvido na próxima semana antes das eleições britânicas de 8 de junho, para que os legisladores não pudessem votar antes um pedido de assistência militar.

“Como exatamente conseguimos implementar isso seria para o governo, para o primeiro-ministro”, acrescentou.

No início deste mês, um suposto ataque químico atacou a cidade de Khan Shaykhun, no noroeste da província de Idlib, na Síria, que teria matado mais de 80 pessoas e ferido dezenas mais.

Trump ordenou um ataque militar a uma base aérea síria na província de Homs, no oeste da Síria, apenas um dia após o suposto ataque.

 

A administração do ex-presidente dos EUA, Barack Obama, também acusou os militares sírios de conduzir ataques químicos em 2013. A Síria transferiu todo o seu arsenal químico para monitores internacionais sob um acordo negociado pela Rússia e os Estados Unidos em 2013.

No mesmo ano, o ex-primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, não conseguiu obter permissão dos legisladores britânicos para lançar ataques aéreos contra a Síria. Cameron acusou o governo sírio de usar armas químicas na época.

Desde março de 2011, a Síria tem sido agarrada pela militância que culpa em alguns estados ocidentais e seus aliados regionais. A Rússia tem ajudado o exército sírio em suas operações de combate ao terrorismo.

presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=254792

Publicado por em abr 27 2017. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS