Rand Corporation: Como destruir a Rússia

Force o adversário a se expandir de forma imprudente para desequilibrá-lo e depois destruí-lo. Esta não é a descrição de um judo, mas um plano contra a Rússia elaborado pela Rand Corporation, o think tank mais influente dos EUA. Com uma equipe de milhares de especialistas, Rand se apresenta como a fonte mais confiável do mundo para Inteligência e análise política para os líderes dos Estados Unidos e seus aliados.

A Rand Corp se orgulha de ter contribuído para a elaboração da estratégia de longo prazo que permitiu aos Estados Unidos vencer a Guerra Fria, forçando a União Soviética a consumir seus próprios recursos econômicos no confronto estratégico. É esse modelo que serviu de inspiração para o novo plano, Overextending and Unbalancing Russia , publicado por Rand [1].

Segundo seus analistas, a Rússia continua sendo um poderoso adversário para os Estados Unidos em certos setores fundamentais. Para lidar com essa oposição, os EUA e seus aliados terão que buscar uma estratégia conjunta de longo prazo que explore as vulnerabilidades da Rússia. Assim, Rand analisa os vários meios para desequilibrar a Rússia, indicando para cada um as probabilidades de sucesso, os benefícios, o custo e os riscos para os EUA.

Os analistas da Rand estimam que a maior vulnerabilidade da Rússia é a da sua economia, devido à sua forte dependência das exportações de petróleo e gás. A renda dessas exportações pode ser reduzida pelo fortalecimento das sanções e pelo aumento das exportações de energia dos Estados Unidos. O objetivo é obrigar a Europa a diminuir sua importação de gás natural russo e substituí-lo por gás natural liquefeito transportado por mar de outros países.

Outra maneira de desestabilizar a economia russa a longo prazo é encorajar a emigração de pessoal qualificado, particularmente jovens russos com um alto nível de educação.

Nos setores ideológico e de informação, seria necessário incentivar a contestação interna e, ao mesmo tempo, minar a imagem da Rússia no exterior, excluindo-a dos fóruns internacionais e boicotando os eventos esportivos internacionais que ela organiza.

No setor geopolítico, o armamento da Ucrânia permitiria que os EUA explorassem o ponto central da vulnerabilidade externa da Rússia, mas isso teria que ser cuidadosamente calculado para manter a Rússia sob pressão sem entrar em um grande conflito, o qual venceria.

No setor militar, os EUA poderiam desfrutar de altos benefícios, com baixos custos e riscos, aumentando o número de tropas terrestres dos países da OTAN que trabalham em uma função anti-russa.

Os EUA podem desfrutar de altas probabilidades de sucesso e altos benefícios, com riscos moderados, especialmente investindo principalmente em bombardeiros estratégicos e mísseis de ataque de longo alcance dirigidos contra a Rússia.

Deixando o Tratado INF e implantando na Europa, novos mísseis nucleares de alcance intermediário apontados para a Rússia levariam a altas probabilidades de sucesso, mas também apresentariam altos riscos.

Ao calibrar cada opção para obter o efeito desejado – concluem os analistas de Rand – a Rússia acabaria pagando o preço mais alto em um confronto, mas os EUA também teriam que investir enormes recursos, que, portanto, não estariam disponíveis para outros objetivos. Este é também um aviso prévio de um grande aumento nos gastos militares dos EUA / OTAN, em detrimento dos orçamentos sociais.

Este é o futuro que é planejado para nós pela Rand Corporation, o mais influente think tank do Deep State – em outras palavras, o centro subterrâneo do poder real dominado pelas oligarquias econômicas, financeiras e militares – que determina as escolhas estratégicas. não só dos EUA, mas de todo o mundo ocidental.

As “opções” estabelecidas pelo plano não são mais do que variantes da mesma estratégia de guerra, das quais o preço em sacrifícios e riscos é pago por todos nós.

*

Nota para os leitores: por favor, clique nos botões de compartilhamento abaixo. Encaminhar este artigo para suas listas de e-mail. Crosspost no seu blog, fóruns na internet. etc.

Este artigo foi originalmente publicado no Il Manifesto. Tradução de  Pete Kimberley.

Manlio Dinucci é um pesquisador associado do Centro de Pesquisa sobre Globalização.

Imagem em destaque é de Zero Hedge


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=260284

Publicado por em maio 29 2019. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS