Putin: Rússia está ajudando a China a construir sistema preventivo contra ataques de mísseis

 

O presidente russo Vladimir Putin participa de uma reunião sobre a modernização do sistema de saúde no Kremlin, em Moscou, em 2 de outubro de 2019. (Foto por AFP)
O presidente russo Vladimir Putin participa de uma reunião sobre a modernização do sistema de saúde no Kremlin, em Moscou, em 2 de outubro de 2019. (Foto por AFP)

O presidente russo, Vladimir Putin, revelou pela primeira vez que seu país está ajudando a China a desenvolver um sistema de alerta de ataque com mísseis de ponta, uma tecnologia de propriedade exclusiva da Rússia e dos Estados Unidos no momento.

“Isso é algo sério que aumentará drasticamente a capacidade de defesa da República Popular da China”, disse Putin em uma conferência internacional de política na cidade russa de Sochi na quinta-feira.

O chefe de estado russo não divulgou mais detalhes sobre as funções do sistema e as tecnologias implementadas nele.

Tais sistemas geralmente envolvem uma variedade de radares terrestres e satélites espaciais que permitem a detecção precoce de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), capazes de carregar várias ogivas nucleares.

O desenvolvimento ocorre quando a Rússia e a China aumentam sua cooperação estratégica enquanto brigam com os Estados Unidos devido às medidas agressivas do presidente Donald Trump.

Durante sua viagem a Moscou em junho, o presidente chinês Xi Jinping chamou Putin de seu “melhor e íntimo amigo” e disse que apreciava sua “profunda amizade”.

Lá, os dois líderes criticaram Trump por seu hábito “inaceitável” de destruir tratados de controle de armas, especialmente o Tratado das Forças Nucleares (INF) de alcance intermediário da era da Guerra Fria.

Trump abandonou o tratado INF no início deste ano, acusando Moscou de violações. Moscou negou as acusações e seguiu o exemplo depois que Washington rejeitou sua oferta de resolver sua diferença através da diplomacia.

Os militares dos EUA logo testaram um novo míssil de cruzeiro terrestre que teria sido banido pelo tratado.

Moscou e Pequim alertaram que a decisão de Washington levaria apenas a uma nova corrida armamentista global.

Nesta semana, a China lançou uma série de novas armas, incluindo seu míssil hipersônico DF-17. A arma pode, em teoria, reentrar na atmosfera várias vezes a velocidade do som e manobrar de tal maneira que nenhum dos sistemas de defesa antimísseis existentes possa interceptá-la.

A Rússia testou com sucesso sua própria arma hipersônica, apelidada de Avangard, no ano passado.

Putin também disse na quinta-feira que a China estava pronta para comprar o máximo de soja da Rússia que puder produzir.

“Eles estão prontos para comprar de nós o máximo que pudermos produzir, mas a questão é que não estamos prontos para isso agora … ainda não estamos prontos para esses volumes”, disse Putin.

As declarações ocorreram quando uma guerra comercial entre China e EUA levou Pequim a impor tarifas sobre os grãos de soja provenientes dos EUA.

Presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=260972

Publicado por em out 4 2019. Arquivado em TÓPICO III. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “Putin: Rússia está ajudando a China a construir sistema preventivo contra ataques de mísseis”

  1. enganado

    Parabéns RÚSSIA e CHINA , não somente pelas suas SOBERANIAS, sim também pelo esforço em querer mantê-las. Agora no __braZiU$$$A__ , a coisa é impublicável ainda que não temos forças militares, sim uma TROPA de OCUPAÇÃO ANGLO-ZIONISTA – – – ”’god bless america”” .É o que ”””isso aqui””’ merecem!!!!

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS