Putin assina acordo que permite que as forças aéreas russas permaneçam na Síria por 49 anos

O presidente da Rússia assina uma lei que permite que as forças aéreas do país permaneçam na Síria por 49 anos como parte de um protocolo para um acordo de 2015 com o governo de Damasco.

O protocolo foi assinado por Moscou e Damasco em janeiro de 2017, regulando questões relacionadas à implantação das Forças Aéreas no território sírio.

Foi adotada pela Duma do Estado russo, a câmara baixa do Parlamento russo, em 14 de julho, e aprovada pelo Senado cinco dias depois.

Vladimir Putin assinou na quinta-feira, afirmou a RT, segundo um comunicado do Kremlin.

Enshrined no protocolo é uma opção que permite a extensão automática do arranjo por mais 25 anos.

O protocolo também apresenta o acordo de Damasco para fornecer à força aérea russa terra livre em sua província de Latakia do noroeste.

Uma foto divulgada na página oficial da Presidência síria no Facebook, em 27 de junho de 2017, mostra o presidente Bashar al-Assad sentado dentro de um Sukhoi Su-27 durante sua visita à base de Khmeimim na província de Latakia. (Via AFP)

A Rússia vem usando a Base Aérea Khmeimim lá para realizar operações antiterroristas desde setembro de 2015.

Os militares russos também estão oferecendo apoio consultivo à Síria, ajudando a nação árabe a ganhar numerosos ganhos em suas batalhas contra terroristas.

Em março de 2016, Moscou retirou muitas das suas forças da Síria, com Putin dizendo que os objetivos da missão antiterrorista haviam sido “geralmente realizados”.

A Rússia, no entanto, disse que manteria uma presença militar no porto de Tartus e na base aérea de Khmeimim para monitorar a situação e a implementação de acordos de trégua.

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=255835

Publicado por em jul 28 2017. Arquivado em 1. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS