Por que China pretende construir tantos porta-aviões?

O estaleiro responsável pela construção do futuro porta-aviões chinês publicou erroneamente no fim de junho uma imagem da embarcação que foi rapidamente apagada. Vários especialistas explicam quais são as intenções do gigante asiático ao fabricar um porta-aviões que poderia vir a concorrer com os dos EUA.

A imagem mostrava o futuro Type 002 com uma grande cobertura de voo, uma pista de aterrissagem em diagonal e três sistemas de decolagem via catapultas eletromagnéticas. Tudo indica que o navio pesará 70.000 toneladas e seja entregue em 2021. Como as características do Type 002 superam as do anterior e primeiro porta-aviões de fabricação chinesa, o Type 001A, espera-se que o gigante asiático possa vir a criar no futuro uma variedade mais ampla de caças de combate.

Os aviões ameicanos F/A-18E e F/A-18F Super Hornets sobrevoam o porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth durante as manobras Saxon Warrior no Atlântico, em 5 de agosot de 2017
© REUTERS / U.S. NAVY/CAPT. JIM MCCALL
Para conter Pequim? Londres pretende enviar seu maior porta-aviões ao mar do Sul da China

“Se o porta-aviões funcionar como planejado, a Marinha da China se tornará uma das mais poderosas do mundo. […] A China conta com grandes ambições de ter uma frota de classe mundial, e até está construindo o quarto porta-aviões que, supostamente, será nuclear e terá características iguais aos dos porta-aviões da classe Nimitz usados pelos EUA há mais de meio século”, publicou o portal Business Insider.O moderno porta-aviões produzido na China posicionará o gigante asiático à frente da Rússia, que possui somente um porta-aviões, e rivalizará com os das Marinhas da França e dos Estados Unidos que são as únicas possuidoras de porta-aviões com propulsão nuclear capazes de lançar aviões com catapultas.

O especialista Daniel Kliman, docente do Programa de Segurança no Ásia-Pacífico norte-americano, indaga o que a China espera fazer com estes porta-aviões. De acordo com ele, o porta-aviões é um meio efetivo de proteger o poder tanto na região Ásia-Pacífico como além. “China vê uma necessidade real de proteger seus vastos investimentos e de garantir acesso ao mercado no exterior”, ressaltou.
Além do mais, ele não exclui que é uma questão de prestígio, já que “há muita atenção popular na China para com o programa de porta-aviões”.

O porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth em Portsmouth, Reino Unido
© AP PHOTO/ GARETH FULLER
Militar britânico reconhece que Reino Unido ficou atrás da Rússia e China no campo bélico

Já o analista do Instituto Naval dos Estados Unidos, Eric Wertheim, crê que o interesse da China em construir porta-aviões corresponde a prestígio e defesa. “Um pouco de ambas as coisas”, opina.Tanto Wertheim como Kliman acreditam que o gigante asiático vá usar seus porta-aviões atuais e futuros para “projetar o poder no mar do Sul da China e Oriental”.

Mas, analisando profundamente, a China não precisa de porta-aviões para alcançar os objetivos territoriais nestes mares, porque para isso basta posicionar caças no solo, destacam os especialistas.

Sendo assim, a pergunta se o objetivo da China é “dominar a Ásia” ou projetar o poder em outras águas continua sem resposta.

No ano passado, a China abriu uma base militar na África, a primeira base no exterior, onde compete pelos seus interesses. “A verdade é que não sabemos quais [são] as intenções [da China]”, concluem analistas.

Sputnik


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=258718

Publicado por em jul 30 2018. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS