Pepe Escobar: Bem vindo a selva

Bem vindo a selva

Uma preocupante nova era começou no Brasil com a eleição no domingo da extrema-direita Jair Bolsonaro como presidente, escreve Pepe Escobar

Pepe ESCOBAR

É a escuridão no intervalo do meio-dia (tropical).

Jean Baudrillard definiu o Brasil como “a clorofila do nosso planeta”. E, no entanto, uma terra vastamente associada em todo o mundo com o poder brando da joie de vivre criativa elegeu um fascista para presidente.

O Brasil é uma terra dilacerada. O ex-pára-quedista Jair Bolsonaro foi eleito com 55,63 por cento dos votos. No entanto, um recorde de 31 milhões de votos foi considerado ausente ou nulo e sem efeito. Nada menos que 46 milhões de brasileiros votaram no candidato do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad; professor e ex-prefeito de São Paulo, uma das megalópoles cruciais do Sul Global. O fato surpreendente é que mais de 76 milhões de brasileiros não votaram em Bolsonaro.

Seu primeiro discurso como presidente exalava o sentimento de uma jihad desprezível de uma seita fundamentalista atada à vulgaridade onipresente e à exortação de uma ditadura dada por Deus como o caminho para uma nova Era de Ouro brasileira.

O sociólogo franco-brasileiro Michael Lowy  descreveu  o fenômeno Bolsonaro como “política patológica em larga escala”.

Sua ascensão foi facilitada por uma conjunção sem precedentes de fatores tóxicos, como o enorme impacto social do crime no Brasil, levando a uma crença generalizada na repressão violenta como a única solução; a rejeição concertada do Partido dos Trabalhadores, catalisada por capital financeiro, rentistas, agronegócios e interesses oligárquicos; um tsunami evangélico; um sistema de “justiça” que historicamente favorecia as classes superiores e integrava o “treinamento” financiado pelo Departamento de Estado de juízes e promotores, incluindo o notório Sergio Moro, cuja meta única durante a suposta investigação anticorrupção da lavagem de carros era enviar Lula para prisão; e a aversão absoluta à democracia por vastos setores das classes dominantes brasileiras.

Isso está prestes a se fundir em um choque neoliberal radicalmente antipopular, dado por Deus, que está rolando; parafraseando Lenin, um caso de fascismo como o mais alto estágio do neoliberalismo. Afinal, quando um fascista vende uma agenda de “livre mercado”, todos os seus pecados são perdoados.

Bolsonaro: líder da jihad inútil

O Reino do BBBB

É impossível entender a ascensão do Bolsonarismo sem o pano de fundo da extremamente sofisticada Guerra Híbrida desencadeada no Brasil pelos suspeitos do costume. A espionagem da NSA – desde o gigante da energia da Petrobras até o telefone da então presidente Dilma Rousseff – era conhecida desde meados de 2013, depois que Edward Snowden mostrou como o Brasil era o país mais espionado da América Latina nos anos 2000.

A Superiora Colégio de Guerra do Pentágono no Rio sempre foi a favor de uma gradual – mas infalível – militarização da política brasileira alinhada com os interesses de segurança nacional dos EUA. O currículo das principais academias militares dos EUA foi adotado sem críticas pelo Superior War College.

Os gerentes do complexo industrial-militar-tecnológico do Brasil sobreviveram em grande parte à ditadura de 1964-1985. Eles aprenderam tudo sobre o psyops dos franceses na Argélia e os americanos no Vietnã. Com o passar dos anos, eles evoluíram sua concepção do inimigo dentro de si; não apenas os proverbiais “comunistas”, mas também a esquerda como um todo, assim como as vastas massas de brasileiros despossuídos.

Isso levou à recente situação de generais ameaçando os juízes se eles libertassem Lula.O companheiro de chapa de Bolsonaro, o grosseiro Generalito Hamilton Mourao, chegou a ameaçar um golpe militar se o ingresso não vencesse. O próprio Bolsonaro disse que nunca “aceitaria” a derrota.

Essa evolução da militarização da política combinava perfeitamente com o Congresso brasileiro BBBB (Bullet, Beef, Bible, Bank).

O congresso é virtualmente controlado por forças militares, policiais e paramilitares; o poderoso lobby do agronegócio e da mineração, com seu objetivo supremo de saquear totalmente a floresta amazônica; facções evangélicas; e capital bancário / financeiro.Compare-o com o fato de que mais da metade dos senadores e um terço do Congresso estão enfrentando investigações criminais.

A campanha de Bolsonaro usou todos os truques do livro para fugir de qualquer possibilidade de um debate televisivo, fiel à noção de que o diálogo político é para os otários, especialmente quando não há nada para debater.

Afinal, o principal assessor econômico de Bolsonaro, Chicago Boy Paulo Guedes – atualmente sob investigação por fraude de valores mobiliários – já havia prometido “curar” o Brasil ao portar os presentes habituais: privatizar tudo; destruir gastos sociais; livrar-se de todas as leis trabalhistas, bem como do salário mínimo; deixe o lobby da carne saquear a Amazônia; e aumentar o armamento de todos os cidadãos para os níveis de super-ARN.

Não é de admirar que o Wall Street Journal normalizou Bolsonaro como “populista conservador” e “escorredor brasileiro”; Este endosso livre de fatos ignora que Bolsonaro é um político humilde que apenas aprovou duas leis em seus 27 anos sem brilho no Congresso.

WhatsApp Me para a terra prometida

Mesmo que grandes massas mal informadas se tornassem progressivamente conscientes dos maciços golpes manipulativos da campanha de Bolsonaro no WhatsApp – uma saga tropical pós-Cambridge da Analytica; e mesmo quando Bolsonaro prometeu, declaradamente, que os opositores teriam apenas duas opções após as eleições de domingo, prisão ou exílio, isso ainda não bastaria para prender o Brasil de inexoravelmente inclinado a uma BET militar e distópica (Banana Evangelical Theocracy).

Em qualquer democracia madura, um grupo de homens de negócios – através da contabilidade negra – financiando uma campanha de notícias falsas com vários tentáculos sobre o WhatsApp contra o Partido dos Trabalhadores e o candidato de Lula, Haddad, se qualificaria como um grande escândalo.

O WhatsApp é muito popular no Brasil, muito mais que o Facebook; por isso teve que ser devidamente instrumentalizada neste remix brasileiro do Hybrid War, no estilo Cambridge Analytica.

As táticas eram absolutamente ilegais porque se qualificavam como doações de campanha não declaradas e doações corporativas (proibidas pelo Supremo Tribunal Federal desde 2015). A Polícia Federal brasileira iniciou uma investigação que agora está fadada a seguir o mesmo caminho dos sauditas que se investigam no fiasco de Pulp Fiction, em Istambul.

O falso tsunami de notícias foi administrado pelos chamados Bolsominions. Eles são um exército voluntário hiperleal, que expurga qualquer um que ouse questionar o “Mito” (como o líder é chamado), enquanto manipula o conteúdo 24/7 em memes, vídeos falsos falsos e exibições variadas de “Enxame de Bolso”. ira.

Considere a indignação de Washington em relação aos russos, que pode ter interferido nas eleições dos EUA, supostamente usando as mesmas táticas usadas pelos EUA e suas elites compradoras no Brasil.

Esmagando os BRICS

Esmagando os BRICS (Presidência russa)

Sobre a política externa, no que diz respeito a Washington, o Reichskommissar Bolsonaro pode ser muito útil em três frentes.

O primeiro é geoeconômico: obter a maior parte das vastas reservas do pré-sal para os gigantes da energia dos EUA.

Esse seria o acompanhamento necessário para o golpe de misericórdia contra Dilma Rousseff em 2013, quando ela aprovou uma lei orientando 75% dos royalties sobre a riqueza do petróleo para a educação e 25% para os serviços de saúde; US $ 122 bilhões significativos em 10 anos.

As outras duas frentes são geopolíticas: explodir os BRICS por dentro e levar o Brasil a fazer o trabalho sujo em uma mudança de regime na Venezuela, cumprindo assim a obsessão do Beltway em destruir o eixo Venezuela-Cuba.

Usando o pretexto da imigração em massa da Venezuela para o trecho brasileiro da Amazônia, a Colômbia – elevada ao status de parceira chave da OTAN, e instigada por Washington – está fadada a contar com o apoio militar brasileiro para a mudança de regime.

E depois há a história crucial da China.

China e Brasil são parceiros próximos do BRICS. Os BRICS agora significam essencialmente RC (Rússia e China), para grande desgosto de Moscou e Pequim, que contavam com Haddad seguindo os passos de Lula, que foi fundamental para melhorar a influência geopolítica do BRICS.

Isso nos leva a um ponto-chave de inflexão no golpe de Guerra Híbrida, quando os militares brasileiros se convenceram de que o gabinete de Dilma estava infiltrado por agentes da inteligência chinesa.

Ainda assim, a China continua sendo o principal parceiro comercial do Brasil – à frente dos EUA, com o comércio bilateral chegando a US $ 75 bilhões no ano passado. Em paralelo a ser um ávido consumidor de commodities brasileiras, Pequim já investiu US $ 124 bilhões em empresas brasileiras e projetos de infraestrutura desde 2003.

Chicago Boy Guedes se reuniu recentemente com diplomatas chineses. Bolsonaro é obrigado a receber uma alta delegação chinesa logo no início de seu mandato. Na campanha ele martelou que “a China não está comprando no Brasil, a China está comprando o Brasil”. Bolsonaro pode tentar fazer com que uma sanção de mini-Trump ultrapasse a China. No entanto, ele deve estar ciente de que o poderoso lobby do agronegócio tem lucrado imensamente com a guerra comercial EUA-China.

Um poderoso cliffhanger está garantido na virada do BRICS de 2019, que acontecerá no Brasil: imagine o durão Bolsonaro cara a cara com o chefe real, Xi Jinping.

Então, o que as forças armadas brasileiras estão realmente fazendo? Resposta: a “Doutrina da Dependência” brasileira – que é um verdadeiro mestiço neocolonial.

Em um nível, a liderança militar brasileira é desenvolvimentista, voltada para a integração territorial, fronteiras bem patrulhadas e uma “ordem” totalmente disciplinada, interna, social e econômica. Ao mesmo tempo, eles acreditam que tudo isso deve ser feito sob a supervisão do governo. “Nação indispensável”.

Os líderes militares argumentam que o seu próprio país não tem conhecimento suficiente para combater o crime organizado, a cibersegurança, a biossegurança e, na economia, dominar completamente um Estado mínimo, associado à reforma fiscal e à austeridade.Para a maior parte da elite militar, o capital estrangeiro privado é sempre benigno.

Uma consequência inevitável é ver as nações latino-americanas e africanas como untermenschen; uma reação contra a ênfase de Lula e Dilma na União das Nações Sul-Americanas (UNASUL) e uma maior integração energética e logística com a África.

Não pode descartar o golpe militar

Apesar disso, há dissidência militar interna – que poderia até abrir um caminho possível para a remoção de Bolsonaro, um mero fantoche, para o benefício da coisa real: um general.

Quando o Partido dos Trabalhadores estava no poder, a Marinha e a Força Aérea ficaram bastante satisfeitas com projetos estratégicos como um submarino nuclear, um caça supersônico e satélites lançados pelos foguetes Made in Brazil. Sua reação continua a ser vista no evento Bolsonaro descarta estes avanços tecnológicos para sempre.

A questão chave pode ser se existe uma conexão direta entre a nata da cultura das academias militares brasileiras; os “generais dependentes” e suas técnicas de psyops;diferentes facções evangélicas; e as táticas pós-Cambridge Analytica implantadas pela campanha de Bolsonaro. Seria uma nebulosa reunindo todas essas células, ou é uma rede frouxa?

Indiscutivelmente a melhor resposta é fornecida pelo antropólogo de guerra  Piero Leirner, que conduziu uma pesquisa profunda nas Forças Armadas brasileiras e me disse: “não há conexão prévia. Bolsonaro é um pós-fato. A única conexão possível é entre certos traços de campanha e psyops. ”Leirner salienta:“ Cambridge Analytica e Bannon representam a infra-estrutura, mas a qualidade da informação, para enviar sinais contraditórios e então uma resolução de ordem chegando como uma terceira via. dos manuais de psicopata da CIA. ”

Militares brasileiros: De olho em Bolsonaro. (Wikimedia Commons)

Há rachaduras embora. Leirner vê o arco de forças díspares apoiando Bolsonaro como uma “bricolagem” que, mais cedo ou mais tarde, se desintegrará. Qual o proximo? Um sub-Pinochet Geral?

Por que Bolsonaro não é Trump

Na estrada para algum lugar; A Revolta Populista e o Futuro da Política, David Goodhart mostra que a força motriz por trás do populismo não é o amor fascista de uma ultra-nação. É anomia – esse sentimento de uma vaga ameaça existencial colocada pela modernidade. Isso se aplica a todas as formas de populismo de direita no Ocidente.

Assim, temos a oposição entre “alguns” e “AnyWheres”. Temos “alguns” que querem que a democracia de suas nações seja desfrutada apenas pela etnia “caseira”, com a cultura nacional não contaminada por influências “estrangeiras”.

E nós temos “Anyheres” que habitam o vórtice pós-moderno sem raízes do multiculturalismo e as viagens estrangeiras para os negócios. Estas são uma minoria demográfica – mas uma maioria dentro das elites políticas, econômicas, educacionais e profissionais.

Isso leva Goodhart a fazer uma distinção crucial entre populismo e fascismo – ideologicamente e psicologicamente.

A distinção legal padrão pode ser encontrada no direito constitucional alemão. O populismo certo é “radical” – portanto legal. O fascismo é “extremo”, portanto ilegal.

Trump sendo rotulado de “fascista” é falso. Bolsonaro no Ocidente tem sido rotulado como “A Trunfo Tropical”. O fato é que Trump é um populista de direita – que por acaso implementa algumas políticas que podem até ser caracterizadas como Velha Esquerda.

O disco revela Bolsonaro como um bandido armado, misógino, homogóbico e racista, favorecendo um Brasil branco, patriarcal, hierárquico, heteronormativo e “homogêneo”;um absurdo em uma sociedade profundamente desigual ainda devastada pelos efeitos da escravidão e onde a maioria da população é mestiça. Além disso, historicamente, o fascismo é uma Solução Final burguesa radical sobre a aniquilação total da classe trabalhadora. Isso faz de Bolsonaro um fascista total.

Trump é mesmo modo moderado do que Bolsonaro. Ele não incita os partidários a literalmente exterminar seus oponentes. Afinal, Trump tem que respeitar o arcabouço de uma república com instituições democráticas de longa data, ainda que imperfeitas.

Esse nunca foi o caso da jovem democracia brasileira – onde um presidente agora pode se comportar como se os direitos humanos fossem uma trama comunista e da ONU. As classes trabalhadoras brasileiras, as elites intelectuais, os movimentos sociais e todas as minorias têm motivos de sobra para temer a Nova Ordem; nas próprias palavras de Bolsonaro, “eles serão banidos de nossa pátria”. A criminalização / desumanização de qualquer oposição significa, literalmente, que dezenas de milhões de brasileiros são inúteis.

Fale com Nietzsche

O sofisticado golpe de guerra híbrido no Brasil que começou em 2014, teve um ponto de inflexão em 2016 e culminando em 2018 impugnou um presidente; preso outro; esmagou a direita e o centro-direita; e de uma maneira pós-política-esteroidal, abriu o caminho para o neofascismo.

Bolsonaro, porém, é uma cifra de vazio negro – medíocre. Ele não tem a estrutura política, o conhecimento, para não mencionar a inteligência que chegou até agora, nossa do azul, sem um sistema de suporte de inteligência ultramoderno, avançado e transfronteiriço. Não admira que ele seja um querido de Steve Bannon.

Em contraste, a esquerda – como na Europa – mais uma vez ficou presa no modo analógico. Nenhuma frente progressista, especialmente neste caso, como foi constituído na última hora, poderia possivelmente combater o tsunami tóxico da guerra cultural, políticas de identidade e notícias falsas com micro-alvos.

Eles perderam uma grande batalha. Pelo menos eles agora sabem que isso é uma guerra hardcore e total. Para destruir Lula – o maior prisioneiro político do mundo – as elites brasileiras tiveram que destruir o Brasil. Ainda assim, Nietzsche sempre prevalece;O que não te mata te faz mais forte. A vanguarda da resistência global contra o neo-fascismo como o estágio superior do neoliberalismo mudou agora para o sul do Equador.Não pasarán.

consortiumnews.com


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259230

Publicado por em out 30 2018. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS