Os S-300 da Síria estão sendo integrados no sistema nacional de comando e controle C3 da Rússia

Quando o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse em 2 de outubro que os sistemas de defesa aérea “unificados” S-300 na Síria serão instalados na Síria em 20 de outubro, ele realmente quis dizer sua integração no sistema russo de pátria. Esse elemento de seu relatório para o presidente Vladimir Putin é a chave para a real importância da resposta de Moscou à derrubada de seu avião espião Il-20 em 17 de setembro, pelo qual Shoigu culpou Israel.

Fontes militares e de inteligência da DEBKAfile relatam que Putin aproveitou o desastre para estabelecer na Síria um avançado sistema de armas de defesa aérea ligado não apenas à Base Aérea Russa Khmeimim em Latakia, mas integrado ao próprio sistema de comando, controle e comunicações C3 da Rússia contra ataques nucleares.

Este movimento é um fator de mudança estratégica para as operações americanas e israelenses na Síria. Eles não são mais taxados em ficar longe das baterias de mísseis russos e sírios em Damasco, mas estão enfrentando sua primeira disputa direta com o sistema de defesa aérea que defende as cidades russas.

 Shoigu parecia oferecer detalhes sobre os S-300 entregues à Síria. Ele mencionou 49 unidades de “radares, sistemas básicos de aquisição de alvos, postos de comando e quatro lançadores”. Mas ele cuidadosamente omitiu em revelar como as redes de defesa aérea síria e russa deveriam estar ligadas ao centro de comando e controle na Rússia e exatamente como elas funcionaria em conjunto. Uma questão crítica permanece em aberto: o sistema Syrian S-300 está totalmente integrado na pátria russa C-3 ou apenas parcialmente?

O C-3 é praticamente uma quantidade desconhecida para a inteligência ocidental, já que engenheiros militares russos têm trabalhado incansavelmente em atualizações por alguns meses. Os oficiais militares de Israel, sabiamente, deixaram de se vangloriar de que sua força aérea pode facilmente lidar com os S-300, tendo percebido que a versão desse sistema antiaéreo testada em jogos de guerra israelenses na Grécia e em outros lugares é mais ou menos obsoleta. Ele foi substituído por um S-300 muito mais sofisticado, que é a versão enviada para a Síria nas últimas duas semanas.

Moscou, portanto, elevou substancialmente as apostas da disputa militar entre a Rússia e os Estados Unidos na Síria a um nível muito mais alto. Putin escolheu esta arena para testar diretamente as capacidades de defesa aérea da Rússia contra o avião furtivo F-22 da Força Aérea dos Estados Unidos e o super-avião F-35 “Adir” de Israel, para descobrir qual sai melhor.

debka.com (site sionista)


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259089

Publicado por em out 5 2018. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS