Os bombardeios ‘por engano’ em Deir ez-Zor: EUA e Israel contra a Síria

Por Yusuf Fernandez

Não é a primeira vez que a coalizão internacional se “equivoca” em atacar as forças que lutam contra o DAESH na Síria e no Iraque. Posições do Exército e das Forças de Mobilização Popular do Iraque têm sido rotineiramente bombardeadas “por engano”, pelos EUA. Vale lembrar, um pouco mais distante no tempo, do ataque à Embaixada Chinesa em Belgrado durante a guerra na Iugoslávia.
O ataque à base síria do Monte Zarda foi um desses “equivocos”. A base é um dos pontos de defesa militar do Aeroporto Deir Ezzor, assediado pelo DAESH por anos, mas que a organização terrorista nunca foi capaz de ocupar. O bombardeio dos EUA contra a base foi seguido por um ataque imediato do DAESH, o que permitiu a este último tomar a instalação, apesar de um contra-ataque sírio ter retomado e recuperado quase todos os pontos perdidos na ofensiva do grupo terrorista.

A versão estadunidense “do equívoco” tem muitos pontos fracos que lançam dúvidas sobre sua veracidade:

Em primeiro lugar, é muito estranho acreditar na versão de que o exército dos EUA decidiu bombardear elementos do DAESH para favorecer o Exército Árabe da Síria, coisa que não tinha feito até agora. Os aviões americanos nunca apoiaram o exército sírio em sua campanha contra DAESH, no leste da Síria, mas desta vez, finalmente os EUA decidiram fazê-lo, e justamente neste momento acontece o “equivoco” de bombardearem a base do Exército Árabe.

Não estamos nos referindo a uma pequena posição do Exército Árabe, mas de uma grande base de centenas de homens e um grande número de equipamento. Não é difícil para qualquer serviço de informação, que contam com aviões, drones ou satélites de reconhecimento sofisticados, saber quem está na base e quais são seus sistemas de armamentos. Neste sentido, as alegações dos EUA de “equívoco” não têm qualquer credibilidade.

Principalmente porque não estamos falando de um míssil guiado ou bomba inteligente lançada por um bombardeio devido a um erro do piloto, mas de um ataque amplo realizado por quatro aeronaves. Os objetivos destas operações são definidos por uma sala de operações depois de receber abundante informação de a inteligência sobre o alvo a atacar.

O bombardeio dos EUA ocorreu em um momento em que o acordo de trégua na Síria tinha se tornado letra morta devido às contínua violações -mais 300- dos grupos terroristas e o descumprimento, por parte de os EUA, de seus compromissos, que o levaram a tentar por todos os meios manter em segredo o acordo assinado com a Rússia. Os EUA não conseguiram apesar do acordo, identificar os grupo “moderados” dos da Frente al-Nusra.

A trégua foi, portanto, apenas garantida por uma parte. Os grupos “rebeldes” “moderados” e terroristas como a Al Nusra aproveitaram para se reagrupar e preparar novas ofensivas em Aleppo e Hama.

Alguns analistas levantam a hipótese de sabotagem de círculos militares dos EUA, que tinham manifestado oposição ao acordo de trégua alcançado entre a Administração Obama e Moscou e desejaram romper e colocar a Rússia em uma posição constrangedora e humilhante.

No entanto, existem outras boas razões. Há dois meses atrás , vários meios de comunicação estadunidense repercutiram um plano para dividir a Síria entre o oeste do país , controlado pelo Estado sírio e o leste controlado por forças internacionais, incluindo EUA. Tal plano começaria por Deir Ezzor e seria camuflado como um processo de “federalização” da Síria. Neste sentido, a presença de forças sírias em Deir Ezzor, e os avanços conquistados, significavam um claro obstáculo à aplicação de tais planos, que tem como objetivos claros cortar a comunicação entre o Irã e seus aliados, a Síria e o Hezbollah, com o fim de debilitar a unidade dessas forças e, assim, servir aos planos hegemônicos israelenses na região.

Tão pouco é por acaso que o ataque norte-americano teve lugar no exato momento em que Israel atacava repetidamente posições sírias em Quneitra sob a justificativa de que morteiros e foguetes haviam aterrorizados nas Colinas de Golã, ocupadas pela entidade sionista. No entanto, o site Debka, ligado aos serviços de inteligência militar israelense, reconheceu em um relatório recente que tais foguetes procediam do campo da Frente Al-Nusra , que Israel apoia , e não do exército sírio. Se trata, pois, de outro ataque com uma falsa justificativa e que tem o mesmo objetivo que o ataque estadunidense às Forças do Exército Árabe da Síria em Deir Ezzor, que é o de evitar a derrota dos terroristas na Síria, em sua versão mais extrema como Al Nusra e o DAESH, que revelam assim a condição de peões a serviço dos planos dos EUA e Israel no país árabe.

spanish.almanar.com.lb


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=249908

Publicado por em set 22 2016. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS