O Irã é a arma secreta da China para matar o status de reserva global do dólar

Há uma forte corrente de mudanças que afeta a arena política internacional. É o começo de uma revolução provocada pela transição de uma ordem mundial unipolar para multipolar. Na prática, somos confrontados com a combinação de vários fatores, incluindo a aplicação de tarifas dos EUA às exportações chinesas, as sanções de Washington ao Irã, a auto-suficiência energética dos EUA, a vulnerabilidade das instalações industriais sauditas e as capacidades iranianas de resistir aos ataques dos EUA, como bem como a exportação de grandes quantidades de gás e petróleo para a China. Tudo converge em um fator, a saber, o declínio iminente do dólar como moeda de reserva global.

Recentemente, assistimos a eventos de considerável importância no Oriente Médio, quase diariamente. As tensões entre Washington e Teerã são alimentadas principalmente pela necessidade do governo Trump de aplacar a maior parte do estado profundo dos EUA, ligado ao neoconservativismo, que marcham em sintonia com os financiadores de Trump da Arábia Saudita e Israel wahhabi.

A política agressiva contra Teerã, que consiste em provocações e bandeiras falsas, resultou recentemente no tipo de desastre de relações públicas para o setor industrial militar dos EUA que eu previa há anos .

ataque dos houthis do Iêmen atingiu duas importantes instalações de petróleo no Reino da Arábia Saudita, expondo as deficiências dos muito caros sistemas de defesa aérea do American Patriota.

Esse ataque chocou os formuladores de políticas ao redor do mundo, demonstrando como os meios de guerra de baixo custo e assimétricos podem ser eficazes além de todas as expectativas, capazes de infligir bilhões de dólares em danos com despesas de apenas alguns milhares de dólares. A extensão real dos danos causados ​​pelo ataque houthi permanece desconhecida, com a Aramco lutando para fornecer informações oficiais.

Mais de 50% da produção de petróleo foi interrompida pelo ataque, com relatórios não confirmados sugerindo que Riad pode precisar importar quantidades consideráveis ​​de petróleo do Iraque.

Como se esse cenário não fosse suficiente para complicar os planos de sobrevivência da Arábia Saudita, Israel e os neoconservadores estão pressionando por uma resposta armada contra Teerã que levaria a Arábia Saudita a arcar com a maior parte do custo. A família Al Saud, ciente das capacidades militares iranianas, parece ter suavizado seu tom beligerante contra o Irã.

Nesta já volátil situação do Oriente Médio que corre o risco de conflitos incontroláveis, os riscos para os sauditas são bastante claros, e talvez também muito conhecidos por eles. O reino saudita existe em uma condição precária, sustentada pelo bem-estar que se estende à população. Se uma guerra resultasse em morte, destruição e empobrecimento, quanto tempo poderia durar a Casa de Saud antes de ser derrubada em uma insurreição do tipo Primavera Árabe, guiada por Washington? A importância da Arábia Saudita, deve-se perceber, não está tanto em quem a governa, mas em sua capacidade de controlar a OPEP e impor a venda de petróleo em dólares dos EUA, garantindo assim a centralidade de Washington na economia global, graças ao conceito de reserva global moeda.

recente decisão de Pequim de conceder uma linha de crédito entre 280 e 400 bilhões de dólares para a República Islâmica do Irã faz parte de uma estratégia de amplo espectro que olha para o futuro distante e não apenas imediato.

Certamente o Irã se beneficiará dessa ajuda econômica que compensará a falta de ganhos com a venda de petróleo devido a sanções secundárias dos EUA. Pequim pretende entrar no mercado iraniano de gás e petróleo, ajudando empresas estatais iranianas a desenvolver campos, plantas, logística, portos e centros de energia, garantindo assim um suprimento futuro de petróleo e gás para um país que experimenta um forte crescimento econômico e demográfico.

Se expandirmos o raciocínio por trás das intenções da China e o relacionarmos com os interesses do Oriente Médio e dos EUA, surge um quadro interessante, que precisa ser cuidadosamente avaliado.

Sabemos que Washington se orgulha de ter alcançado a auto-suficiência energética por meio de fracking e gás de xisto, transformando-o em um exportador líquido. Embora haja dúvidas sobre a durabilidade dos poços em questão, a situação atual parece confirmar que os EUA dependem muito menos do petróleo da Arábia Saudita e do Oriente Médio para satisfazer a demanda doméstica.

Por conseguinte, muitos decisores políticos, incluindo os generais Dunford e Mattis , entrevistados recentemente pelo CFR, explicaram como a mudança na Estratégia Nacional de Defesa confirma como o foco mudou do conhecido quadro 4 + 1 (China, Rússia, Irã, RPDC + Terrorismo islâmico) para um 2 + 3 mais equilibrado (China, Rússia + RPDC, Irã e Terrorismo), em reconhecimento ao retorno da política das grandes potências.

Em termos geográficos, isso implica uma mudança futura de forças militares do Golfo Pérsico, Oriente Médio e Norte da África para o Extremo Oriente. Isso tem o objetivo de conter e cercar (militarmente, economicamente e tecnologicamente) o principal concorrente de Washington, a China.

Pequim, em resposta a esse cerco, tem um cartão na manga. Ele pode procurar substituir o status de moeda de reserva do dólar dos EUA, não apenas ajudando o Irã, que é fundamental para a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), mas também, numa fase posterior, tentando conquistar a Arábia Saudita (e OPEP) de vender petróleo exclusivamente em dólares americanos. Moscou, com o desenvolvimento da OPEP +, pode ajudar seu aliado chinês, moldando o mercado de GNL com preços cotados em outras moedas que não o dólar americano. Atualmente, Pequim e Moscou estão negociando hidrocarbonetos ignorando completamente o sistema de pagamentos SWIFT e o dólar americano.

Os chineses têm em mente uma operação bem planejada que pode mudar todo o cenário econômico do mundo. A China ajudará primeiramente o Irã a desenvolver suas exportações e, ao mesmo tempo, garantirá suprimentos futuros, permitindo que os dois países se protejam do terrorismo econômico americano. Naturalmente, a venda de petróleo do Irã à China ocorre fora do sistema SWIFT e, portanto, fora do alcance da colheitadeira de petrodólares dos EUA.

Com esse movimento, Pequim busca garantir a venda futura de hidrocarbonetos para sua economia em crescimento, garantindo o desenvolvimento contínuo do país, complementando os investimentos já feitos no norte da África (minerais e matérias-primas) e no leste da Rússia (agricultura).

O verdadeiro perigo para a hegemonia econômica dos EUA representada pela China está na Arábia Saudita. Se Washington continuar a confiar cada vez menos nos sauditas para importar petróleo, voltando sua atenção para o sudeste da Ásia, haverá cada vez menos razões para os EUA oferecerem um impedimento à ascensão do Irã como hegemonia regional. Portanto, Riad será forçada a começar a olhar em volta e reavaliar seu lugar no mapa regional.

O pesadelo de Riyadh é o de um arco xiita que se estende do Mediterrâneo ao Golfo Pérsico, com a China como principal parceiro comercial e a Rússia como parceiro militar. Tudo isso sem que seu aliado americano ofereça um contrapeso equilibrado na região!

A estratégia da China em relação ao Irã é pressionar a Arábia Saudita a considerar vender petróleo em outras moedas que não o dólar americano. Atualmente, Pequim importa quantidades substanciais de petróleo da Arábia Saudita. Isso pode mudar se a China transferir suas importações de petróleo para o Irã, pagando por ele em outras moedas que não o dólar, ou talvez simplesmente em renminbi.

Se esse contágio se espalhar para o Catar (um parceiro econômico iraniano de importância fundamental para o desenvolvimento do campo de gás South Pars / North Dome) e outros países do Golfo, a Arábia Saudita consideraria seu status de potência econômica exportadora de gás e petróleo, com esquemas esperançosos como o Saudi Vision 2030, oferecendo pouco em termos de compensação.

Pequim seria mais favorável à importação de bens primários, incluindo gás e petróleo, em uma moeda diferente do dólar, talvez por meio de uma cesta de moedas que melhor represente o contexto multipolar em que vivemos. Poderia ser uma cesta modelada com a do FMI, mas com uma parcela menor do dólar dos EUA (ou talvez nenhum), de modo a limitar a influência do Fed nos mercados externos e nas finanças privadas de cada país.

A estratégia de Pequim parece ter sido projetada para progredir em fases, modulando de acordo com a reação dos EUA, seja agressiva ou leve; uma espécie de dança de capoeira em que nunca se bate no oponente, mesmo quando se pode. No entanto, o objetivo a longo prazo dessa dança é minar a principal fonte de renda e poder dos Estados Unidos: ou seja, o dólar dos EUA como moeda de reserva mundial.

A primeira fase desta estratégia se concentra no Irã e na precária situação econômica em que o país se encontra, principalmente como resultado das sanções dos EUA. Nesta primeira fase, a linha de crédito de Pequim servirá para manter o Irã à tona, pois evita o terrorismo econômico americano. Uma segunda fase provavelmente envolverá algum tipo de mudança legislativa iraniana para permitir que as empresas estatais chinesas trabalhem ao lado das iranianas nos campos de petróleo e gás. Uma terceira fase provavelmente verá o envolvimento do Catar no desenvolvimento do maior campo de gás do mundo, compartilhado entre Doha e Teerã. Enquanto isso, o BRI continuará se expandindo, passando para os arredores do país persa e envolvendo muitos países do sudeste asiático ao longo do caminho, expandindo assim o comércio entre diferentes partes do globo.

Confirmando como essa estratégia já está em jogo, a China também busca salvaguardar suas linhas marítimas de comunicação em caso de guerra. Pequim percebe como é imprescindível ter fortes  capacidades navais e, consequentemente, investiu pesadamente nesse sentido.

Nesse contexto geopolítico, é difícil imaginar que a Arábia Saudita continue acomodando tão inquestionavelmente os interesses americanos – vendendo petróleo exclusivamente em dólares dos EUA, sem receber proteção militar ou benefícios econômicos suficientes. Washington calculou seriamente mal se acredita que pode manter o dólar vivo como uma reserva global, enquanto continua a desestabilizar o mundo economicamente, continuando a desconsiderar a proteção militar de seus aliados regionais, e tudo isso apesar do crescente sino-iraniano-russo alternativa para todos verem.

Entre Obama e Trump, houve a Primavera Árabe, guerras ameaçadas e realizadas, desestabilização econômica, terrorismo financeiro, ameaças a aliados, venda de equipamento militar obsoleto e uma mudança de estratégia (“Pivô para a Ásia”) ocasionada pela transição de uma ordem unipolar para uma multipolar. Em um mundo tão em transformação, o dólar será inevitavelmente substituído por uma cesta de moedas, o que acabará com o poder ilimitado de gastos que permitiu a Washington se tornar a superpotência que é hoje.

Pequim entendeu esse mecanismo anos atrás e agora vê o Irã como o catalisador para efetuar mudanças de época. O Irã é útil não apenas porque o BRI transita por seu território, mas porque também oferece o xeque-mate econômico ao hegemon petrodólar americano, oferecendo-se como um cavalo de perseguição para se aproximar da Arábia Saudita e trazer esse reino para o domínio multipolar.

As propostas econômicas e morais de Pequim para Riyadh encontrarão problemas, e os EUA, em reconhecimento à importância da Arábia Saudita em sustentar sua hegemonia petrodólar, naturalmente resistirão a isso. A Rússia está contribuindo para essa transição geopolítica oferecendo-se para vender armas defensivas ao Reino.

Os esforços de Obama e Trump para minar a ascensão de Pequim, por meio de gancho ou trapaça, acabaram minando a capacidade de Washington de manter o dólar americano como moeda de reserva global – apenas iniciando o desenlace desse arranjo privilegiado e antinatural.

*

Nota aos leitores: clique nos botões de compartilhamento acima ou abaixo. Encaminhe este artigo para suas listas de email. Crosspost em seu blog, fóruns na Internet. etc.

Federico Pieraccini é um escritor independente, especializado em assuntos internacionais, conflitos, política e estratégias. Ele é um colaborador frequente da Pesquisa Global.


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=260983

Publicado por em out 6 2019. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

2 Comentários para “O Irã é a arma secreta da China para matar o status de reserva global do dólar”

  1. Sidnei

    Americano
    Suas colônias: a América latina.
    Corrigindo os erros da “autocorreção”.

  2. Sidnei

    Algumas considerações:
    É mais fácil aos EUA tomarem a Arábia de uma vez.
    Bom pro Irã, Rússia, China e EUA.
    O dólar perde a força, hegemonia, mas o império terrorista ericano se mantém.
    Mais do que nunca, os EUA vão explorar seu quintal, suas contas: a América latina. Mundo dividido em oriente, próspero, e o império terrorista americano explorando seus escravos latinos. O Brasil é crucial para isso. Graças ao Brasil, os EUA se sustentam mais um século. E o Brasil se africaniza no pior sentido da palavra.
    Viva a Globo, a direita, o Bozo e os bolsominions…

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS