Netanyahu vai se reunir com líder russo para conversar sobre a presença iraniana na Síria

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (Foto da AFP)
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (Foto da AFP)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que está ocupado a fazer lobby junto aos Estados Unidos e seus aliados contra o Irã, está prestes a visitar a Rússia para discutir o papel da República Islâmica na Síria.

A rede de mídia israelense Arutz Sheva citou Netanyahu dizendo que planejava visitar Moscou ainda esta semana.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou que o presidente Vladimir Putin iria se encontrar com Netanyahu no dia 9 de março e com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em 10 de março.

“A pedido de Damasco, o Irã tem prestado assistência consultiva ao exército sírio em suas batalhas contra uma série de grupos militantes respaldados por estrangeiros Takfiri causando estragos em todo o estado árabe.

Para consternação de Israel, que é amplamente visto como um firme defensor dos grupos anti-Damascus Takfiri, Teerã vem desempenhando um papel ativo no processo diplomático destinado a resolver a crise síria.

O Irã, a Rússia e a Turquia mediaram duas rodadas de negociações entre o governo sírio e grupos de oposição na capital do Cazaquistão, Astana, no início deste ano, abrindo caminho para a retomada das negociações lideradas pela ONU entre os lados em conflito em Genebra.

Israel quer que o presidente sírio, Bashar al-Assad, seja deposto. Tem oferecido tratamento médico a terroristas que combatem soldados sírios nas colinas de Golan, ocupadas pelos israelenses, alegando que presta esses serviços em áreas “sob seu controle”.

Ele tem repetidamente atacado alvos militares sírios no que é visto como uma tentativa de sustentar grupos terroristas em face dos avanços do exército sírio.

No final do mês passado, o Canal 2 de Israel disse que o regime enviou suas tropas em missões de espionagem repetidas para uma aldeia localizada meio quilômetro dentro do território da Síria. O Exército israelense também implantou equipamentos de coleta de informações nas colinas de Golã para registrar movimentos dos militares sírios e dos militantes apoiados por estrangeiros.

De acordo com o relatório Arutz Sheva, Netanyahu acusou Teerã em suas declarações de domingo de tentar “abrir uma frente” com Israel em Golan e advertiu que Tel Aviv poderia lançar um ataque preventivo.

“Na quinta-feira, vou me encontrar com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou. Uma das questões mais importantes que vamos discutir é a tentativa do Irã de fazer um acordo com a Síria. Com ou sem o acordo da Síria, o Irã tentará estabelecer uma presença militar permanente na Síria, tanto em terra como no mar “, afirmou Netanyahu.

O primeiro-ministro israelense viajou recentemente para o Reino Unido, EUA e Austrália com uma agenda anti-Irã.

O regime tem procurado aproveitar ao máximo o antagonismo do presidente dos EUA, Donald Trump, com o Irã.

presstv


Nota da Redação:

Senhor Bestanyahu, prepare-se porque muito em breve o Irã será um potência muito perigosa e o Hezbolah, já é seu pupilo!

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=253919

Publicado por em mar 6 2017. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS