Macron aproveita a explosão para “conquistar o Líbano”