Lavrov: Sistemas de mísseis dos EUA no Japão representam ameaça direta à Rússia

 

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, assiste a uma coletiva de imprensa após sua reunião com o ministro do Exterior japonês em Moscou, em 10 de maio de 2019. (Photo by AFP)
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, assiste a uma coletiva de imprensa após sua reunião com o ministro do Exterior japonês em Moscou, em 10 de maio de 2019. (Photo by AFP)

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, criticou a persistente escalada militar dos EUA no Japão, dizendo que Moscou vê como uma “ameaça” direta aos sistemas de defesa antimísseis americanos implantados no país asiático.

O principal diplomata russo fez as declarações após uma reunião em Moscou com seu colega japonês, Taro Kono, na sexta-feira.

“Mais uma vez chamamos a atenção para certas ações de Washington, incluindo o envio de elementos dos sistemas de defesa antimísseis para o Japão, reforçando sua presença militar na região e atividades na esfera de controle de armas, onde os EUA estão demolindo todos os acordos existentes “, disse Lavrov. “Percebemos tais ações como uma ameaça para o nosso país”.

No passado, a Rússia argumentou que os sistemas de mísseis podem funcionar como armas de ataque e disparar mísseis nucleares contra alvos russos. Moscou também teme que Washington use os poderosos radares do sistema para coletar informações dos territórios russos.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (R), e seu colega japonês, Taro Kono, participam de uma coletiva de imprensa após sua reunião em Moscou, em 10 de maio de 2019. (Photo by AFP)

O encontro de alto nível aconteceu no momento em que os laços bilaterais Rússia-Japão enfrentam vários desafios, incluindo grandes divergências sobre a assinatura de um tratado formal de paz após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Moscou e Tóquio nunca assinaram um tratado oficial de paz após a guerra, deixando o Japão com reivindicações territoriais não resolvidas em quatro ilhas russas de Kuril. Naquela época, as ilhas de Iturup, Kunashir, Shikotan e Habomai – conhecidas no Japão como os “Territórios do Norte” – foram entregues à antiga União Soviética sob a Declaração de Potsdam de 1945.

O presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, concordaram no ano passado em retomar as discussões de um tratado de paz baseado na declaração de 1956 da ex-URSS e do Japão, que prevê a transferência da ilha de Shikotan e ilhotas de Habomai para o Japão. .

De acordo com as discussões de 2018, quaisquer trocas territoriais só seriam possíveis após a assinatura de um tratado de paz. Tóquio, no entanto, insiste em primeiro resolver a disputa territorial, de preferência com Moscou entregando todos os territórios disputados.

O contratorpedeiro de mísseis guiados da classe de Arleigh Burke USS John S. McCain é visto em atividades da frota Yokosuka, Japão. (Foto de arquivo pela Reuters)

“A declaração conjunta foi adotada sob circunstâncias históricas e geopolíticas particulares. Desde então, a situação mudou drasticamente. Temos que considerar o tratado de segurança ativa entre o Japão e os EUA ”, explicou Lavrov após seu encontro com Kono na sexta-feira.

Ele ressaltou ainda que, apesar das “diferenças” pendentes, Moscou quer retomar as negociações. No entanto, acrescentou, qualquer acordo deve “refletir totalmente os interesses de nossos dois países e deve ser aceito sem ambigüidade pelos dois países”.

“Tal tarefa não é fácil. Obviamente, isso só pode ser alcançado através de um trabalho contínuo, meticuloso e criativo ”, destacou o principal diplomata russo.

Presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=260192

Publicado por em maio 11 2019. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS