Irmãos Marinho estão no grupo com mais da metade da riqueza do país

 

 

 

Completam a lista dos mais ricos do Brasil, pela ordem: Jorge Paulo Lemann (sócio da Ambev e dono da Budweiser, Burger King e Heinz); Joseph Safra (dono do banco Safra); Marcel Herrmann Telles (sócio da Ambev e também dono da Budweiser, Burger King e Heinz); Carlos Alberto Sicupira (outro sócio da Ambev e dono da Budweiser, Burger King e Heinz); Eduardo Saverin (cofundador do Facebook); e João Roberto Marinho (herdeiro do grupo Globo).

Na sexta posição da lista, João Roberto está empatado com seus irmãos José Roberto e Roberto Irineu Marinho, cada um dono de um patrimônio avaliado em R$ 13,92 bilhões. Se incluísse os três – patrimônio de quase R$ 42 bilhões –, a lista teria oito bilionários com ainda mais riqueza concentrada.

A profunda desigualdade brasileira é similar ao que acontece em âmbito mundial. De acordo com o estudo apresentado pela Oxfam, apenas oito homens possuem a mesma riqueza que os 3,6 bilhões de pessoas da metade mais pobre da humanidade.

Para Katia Maia, diretora-executiva da Oxfam, os grandes negócios e os indivíduos mais ricos do mundo estão se aproveitando da crise econômica, pagando menos impostos, reduzindo salários dos trabalhadores e influenciando a política de seus países em benefício próprio.

Embora as fortunas de alguns bilionários possam ser atribuídas ao seu trabalho duro e talento, a análise da Oxfam para esse grupo indica que um terço do patrimônio dos bilionários do mundo tem origem em riqueza herdada, enquanto 43% podem ser atribuídos ao favorecimento ou nepotismo”, diz o documento.

O documento associa ainda a concentração de riqueza à remessa de fortunas a paraísos fiscais, associada a sonegação de impostos, e ao aumento do lucro de acionistas de empresas. Segundo a ONG, ocorre no mundo um aumento vertiginoso de ganhos dos altos executivos, enquanto salários de trabalhadores não mudaram ou até diminuíram.

“Em todo o mundo, empresas estão implacavelmente empenhadas em reduzir seus custos com mão de obra – e em garantir que os trabalhadores e fornecedores da sua cadeia de abastecimento fiquem com uma fatia cada vez menor do bolo econômico”, afirma a ONG.

A constatação coincide com um fenômeno em curso no Brasil pós-impeachment. Enquanto os controladores da Globo ostentam posição bilionária no ranking, os veículos da empresa dedicam seu noticiário a defender projetos que reduzem direitos dos trabalhadores. A reforma da Previdência tem sido alvo de séries de matérias especial nos telejornais e são frequentes editorias em defesa da “flexibilização” de leis trabalhistas e condenando a política de valorização do salário mínimo.

Rede Brasil Atual


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=252778

Publicado por em jan 19 2017. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS