Irã vence a guerra cibernética em mais de 48 milhões de smartphones contra os protestos

 

O desligamento da Internet de Teerã, sua arma do dia do juízo final para quebrar os protestos anti-governo do ano novo, foi agilizado em uma velocidade surpreendente.

A campanha cibercética bem-sucedida, travada contra o Irã por certas agências de inteligência ocidentais e árabes lideradas pelos EUA, durante as manifestações de protesto de uma semana em todo o Irã, está gradualmente a surgir.

Dois novos comentários lançaram luz sobre este concurso e a direção futura do movimento de protesto do Irã depois que ele desligou na quinta-feira passada.
O diretor da Agência Central de Inteligência, Mike Pompeo, corrigiu o entrevistador do Fox Sunday, Chris Wallace, em 7 de janeiro, que observou que a onda de manifestações acabou. Pompeo colocou com firmeza: “Eles não estão atrás de nós” – o que significa que, de acordo com suas informações, mais protestos estão a caminho.

E em Teerã, as novas leis iranianas reduziram as aulas de inglês para fora do currículo da escola primária depois que o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, declarou que aprender inglês em uma idade adiantada prepara o caminho para a “invasão cultural” do Ocidente.

A teocracia xiita está claramente envolvida em outra tentativa desesperada de segregar a população de influências externas. Khamenei espera conseguir isso privando a próxima geração da chave essencial para acessar a web mundial – a língua inglesa.

Mas quando cada iraniano possui um smartphone completo com aplicativos no bolso, fechar completamente as comunicações das redes sociais mostrou-se além dos poderes dos ciber especialistas do regime iraniano na semana passada. Eles tentaram e não conseguiram bloquear o aplicativo Telegram mais popular do Irã, que tem 40 milhões de usuários, para interromper as comunicações entre os comícios de protesto.

Antes da erupção desta agitação, as agências de inteligência ocidentais classificaram o Irã como o sexto cyber power do mundo depois dos EUA, Grã-Bretanha, China, Rússia e Israel. Mas quando as agências ocidentais e árabes que estimulavam o movimento anti-governo agiram para reverter o encerramento do governo e restaurar as redes, ficaram maravilhados com o quão fácil era.

O Departamento de Estado dos EUA desempenhou o seu papel incentivando redes privadas virtuais a ajudar os usuários a ter acesso a sites bloqueados. Em pouco tempo, a arma cibernética havia escorregado do regime dos ayatollahs.

As fontes de inteligência do DEBKAfile não ficaram surpresas ao saber que Teerã estava enviando técnicos para Moscou e Pequim apelando para assistência especializada para combater os incursões ocidentais em suas redes de comunicações. Isso colocou Vladimir Putin e Xi Jinping em uma posição embaraçosa, que não está inclinado neste momento a ir contra o presidente Donald Trump, no Irã, certamente não no campo da guerra cibernética.

Para a Rússia, que já está enredada no lado das posições militares do Irã na Síria, a questão cibernética é um assunto ultra-sensível para suas relações abertas e secretas com Washington. O presidente chinês está no mesmo barco que Putin.

debka.com (site sionista)


Nota da Redação:

É óbvia a frustração dos países que tentam colocar o caos no Irã pelo próprio povo, porque não o conseguem na cara limpa.

Desde o início os dirigentes iranianos informaram que a CIA tinha participação nos eventos e que bom que não conseguiram nada, graças à Guarda Revolucionária que atuou rapidamente em campo

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257266

Publicado por em jan 9 2018. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS