O diretor do programa nuclear iraniano acusou nesta segunda-feira o governo dos Estados Unidos de querer minar o acordo internacional sobre o tema, ao mesmo tempo que pediu à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que resista aos “pedidos inaceitáveis” de Washington.

“A atitude abertamente hostil da administração americana, assim como sua política dilatória para minar o acordo nuclear […] vão contra a carta e o espírito do mesmo”, lamentou em Viena Ali Akbar Salehi, diretor da Organização Iraniana de Energia Atômica.

Salehi, que fez as declarações por ocasião da reunião anual dos Estados membros da AIEA em Viena, também criticou a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, que formulou, segundo ele, “um leque de pedidos injustificáveis e inabituais” relativos às verificações da aplicação do acordo sobre o programa nuclear, ao falar com o diretor da agência da ONU na capital austríaca.

Entre outras medidas, Washington solicitou que a AIEA inspecionasse áreas militares iranianas, algo que Teerã rejeitou.

O diretor do programa nuclear iraniano disse “ter certeza de que a agência (AIEA) resistirá a tais pedidos inaceitáveis”.

Washington aumentou recentemente os ataques contra o acordo, que o presidente Donald Trump havia prometido “romper”.

O acordo, assinado em julho de 2015 entre Irã, Alemanha, China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia, prevê a supervisão das instalações nucleares iranianas por parte da AIEA com o objetivo de garantir a natureza exclusivamente pacífica do programa nuclear iraniano, em troca de uma suspensão das sanções internacionais impostas contra Teerã.

AFP