Forças do Iêmen lançam míssil balístico contra base saudita em Jizan

A foto sem data, fornecida pela agência de mídia do Comando de Operações do Iêmen, mostra um míssil iemenita logo após o lançamento.
A foto sem data, fornecida pela agência de mídia do Comando de Operações do Iêmen, mostra um míssil iemenita logo após o lançamento.

Forças do exército iemenita, apoiadas por combatentes aliados dos Comitês Populares, dispararam um míssil balístico de curto alcance contra uma base militar saudita na região de Jizan, no sudoeste do país, em retaliação à campanha do regime saudita contra o empobrecido país, disse a a mídia iemenita. 

A agência de notícias oficial do Iêmen Saba, citando uma autoridade militar anônima, disse que o míssil balístico Badr-1 de curto alcance foi lançado na noite de sexta contra o campo militar al-Darb, acrescentando que o projétil atingiu o alvo designado na região com grande precisão.

Não houve relatos imediatos sobre o número de causalidades possíveis e a extensão dos danos causados.

Fontes sauditas, no entanto, alegaram ter interceptado o novo míssil iemenita.

A Arábia Saudita freqüentemente alega que intercepta mísseis iemenitas, mas um estudo detalhado das evidências do The New York Times no ano passado claramente sugeriu que, em um dos ataques de mísseis iemenitas mais importantes, o projétil foi lançado em território saudita. Na verdade, ele havia desembarcado sem obstáculos, evitando mísseis Patriot feitos nos EUA  e potencialmente outras defesas usadas por Riad. A Arábia Saudita alegou que havia frustrado esse ataque, que visava o aeroporto de Riad.

A Arábia Saudita e seus aliados lançaram a guerra no Iêmen em março de 2015 em apoio ao governo do país, amigo de Riyadh. O Ministério dos Direitos Humanos do Iêmen anunciou em um  comunicado  em 25 de março que a guerra liderada pelos sauditas deixou 600.000 civis mortos e feridos até então.

PressTV-Sauditas usam bombas de fragmentação fornecidas pelos EUA contra iemenitas

Um jornalista iemenita disse que a Arábia Saudita está usando bombas de fragmentação fabricadas nos EUA em seus ataques aéreos mortais no país empobrecido.

Em um dos ataques aéreos mais mortíferos, os aviões de guerra da Arábia Saudita no mês passado tiveram como alvo uma cerimônia de casamento em Hajjah várias vezes, matando quase 50 pessoas e ferindo outras 55. Jatos sauditas também realizaram incursões contra as ambulâncias que transportavam as vítimas para os hospitais locais.

Os países liderados pela Arábia Saudita envolvidos na guerra no Iêmen também bloquearam o país já empobrecido.

De acordo com os dados da ONU, um recorde de 22,2 milhões de pessoas no Iêmen precisa de ajuda alimentar, incluindo 8,4 milhões de pessoas ameaçadas pela fome.

presstv


 

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=258249

Publicado por em maio 12 2018. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS