Ex-oficial da CIA preso por manter informações secretas da rede de espiões na China

Esta foto de arquivo mostra um homem caminhando sobre o selo da Agência Central de Inteligência no lobby da sede da CIA em Langley, Virgínia.  (Foto da AFP)
Esta foto de arquivo mostra um homem caminhando sobre o selo da Agência Central de Inteligência no lobby da sede da CIA em Langley, Virgínia. (Foto da AFP)

Um ex-oficial da CIA foi preso por acusações de manter ilegalmente informações altamente classificadas sobre uma rede de espionagem dos EUA na China, de acordo com o Departamento de Justiça.

Jerry Chun Shing Lee, cidadão dos EUA naturalizado que morava em Hong Kong, foi levado sob custódia no aeroporto John F. Kennedy de Nova York na noite de segunda-feira.

Lee continuou em Hong Kong e só retornou aos EUA em 2012. Agentes do FBI procuraram os quartos do hotel no Havaí e Virgínia e encontraram dois pequenos cadernos com registros secretos.

Os cadernos contêm nomes reais e números de telefone dos ativos da CIA e agentes secretos, bem como os endereços de instalações secretas e notas operacionais.

Acredita-se que o caso esteja conectado a uma investigação do FBI sobre o desmantelamento das operações de espionagem dos EUA dentro da China.

Os relatórios disseram que os investigadores suspeitam que a informação foi usada pela China para paralisar as operações.

Lee, um veterano de 13 anos da agência de espionagem, deixou a América em 2013 depois de ter sido questionado por agentes do FBI.

Não está claro se o antigo espião sabia que ele ainda estava sob suspeita.

Ele fez uma primeira audiência no Brooklyn na terça-feira e não entrou com um pedido, disse o Departamento de Justiça. Ele é condenado a 10 anos de prisão.

Lee tinha “uma habilitação de segurança secreta” de 1994 a 2007, quando ele deixou a CIA, de acordo com documentos judiciais.

O ex-funcionário do caso da CIA não foi acusado de espionagem, que pode levar a pena de morte.

Os relatórios dizem que o governo dos EUA não pode ir tão longe quanto aos temores de revelar informações secretas no tribunal.

Nos dois anos que antecederam a investigação do FBI em 2012, cerca de 20 informantes foram mortos ou presos na China.

Presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257329

Publicado por em jan 17 2018. Arquivado em TÓPICO IV. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS