EUA têm US$ 49 milhões disponíveis para a Direita da Venezuela desde 2009

Os fundos agora se tornaram um pilar do orçamento do Congresso do Departamento de Estado dos EUA para operações no exterior.

Artigo importante publicado pela primeira vez em maio de 2009

Desde pelo menos 2009, o Departamento de Estado dos EUA orçou pelo menos US $ 49 milhões no total para apoiar as forças de oposição de direita na Venezuela, que estão em sua sétima semana de protestos violentos para expulsar o presidente Nicolas Maduro, eleito democraticamente .

De acordo com a justificativa do orçamento de 2010, que designou US $ 6 milhões daquele ano ao “Fundo de Apoio Econômico” da Venezuela, o orçamento “apoiará os esforços para preservar e expandir o espaço democrático através de programas que fortaleçam e promovam a sociedade civil, participação cidadã, mídia independente, direitos humanos Organizações e partidos políticos democráticos “.

Em uma desagregação mais detalhada dos US $ 5 milhões previstos para o apoio econômico venezuelano em 2011, o orçamento indica que US $ 1 milhão foi designado especificamente para apoiar a “competição política e a construção de consenso”.

Ao longo de suas justificativas orçamentárias para a Venezuela, o Departamento de Estado enfatiza repetidamente sua preocupação com as “tendências cada vez mais autoritárias” dos governos do falecido presidente Hugo Chávez e atual presidente Nicolas Maduro, apesar das eleições regulares que são internacionalmente reconhecidas.

O orçamento de 2009 reiterou o apoio e o financiamento continuado para a Organização dos Estados Americanos para implantar equipes de “praticantes da democracia” para a Venezuela e a Bolívia, onde dizem que “a democracia está ameaçada pela crescente presença de conceitos alternativos como a” democracia participativa “. A natureza das atividades realizadas por essas equipes não está clara nos orçamentos.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, liderou uma campanha para expulsar a Venezuela da organização regional e, em 26 de abril, o órgão votou para realizar uma reunião sobre a situação no país, que a Venezuela chamou de violação de sua soberania, levando o presidente Nicolas Maduro a Anunciar a retirada formal do país do grupo.

Em seu orçamento de 2011, o Departamento de Estado escreveu,

“Os Estados Unidos têm um grande interesse em preservar e fortalecer as instituições democráticas venezuelanas”.

Desde o início da Revolução Bolivariana da Venezuela, com a eleição democrática do ex-presidente Hugo Chávez em 1998, a nação rica em petróleo tem sido  atacada repetidamente  como “antidemocrática”. O presidente Maduro reiterou que as eleições serão realizadas no cronograma em 2018, mas a A oposição exigiu sua remoção imediata, buscando uma intervenção estrangeira em sua campanha de desestabilização.

O governo revolucionário corroeu significativamente a hegemonia política e econômica que os EUA tiveram sobre o petróleo venezuelano, que detém uma das maiores reservas de petróleo do mundo. Antes da eleição de Chávez, apesar da vasta riqueza de recursos, a Venezuela estava atormentada por desigualdades de classe acentuadas.

De acordo com as fontes das Nações Unidas, as taxas de pobreza na Venezuela chegaram a 60% antes de 1998 e, até 2015, foram reduzidas para metade para menos de 30%, apesar de uma crise econômica desencadeada pela queda dos preços do petróleo. Sob o governo bolivariano, os cuidados de saúde foram amplamente divulgados através do programa Barrio Adentro, e a expectativa de vida média aumentou de forma constante.

O governo dos Estados Unidos cala-se sobre a violência generalizada dos grupos de oposição de direita que eles financiam, o que em 2014 resultou em 43 mortes, das quais a oposição era responsável por mais da metade.

Atualmente, os protestos violentos da direita chamando a expulsão de Maduro  continuam em sua sétima semana  e já resultaram em pelo menos 50 mortes e muitas mais feridas, superando as causalidades da violência da oposição em 2014. Apesar do governo pedir o diálogo e Participação em seus debates eleitorais constituintes, a oposição se recusou a participar e convocou os apoiantes para continuar os protestos.

Indicando a consciência de que seus esforços de mudança de regime não são bem recebidos entre a massa das pessoas, o orçamento de 2008 escreveu:

“A democracia na América Latina, como foi promovida pelos países desenvolvidos, está sendo cada vez mais definida pelas vozes populistas como exploradoras e imperialistas”.

De acordo com um documento estratégico dos EUA de 2007 vazado pelo ex-CIA-denunciante Edward Snowden em 2013, a Venezuela foi vista como o principal adversário dos Estados Unidos no Hemisfério Ocidental. O país foi listado como um dos seis maiores “objetivos duradouros para a NSA”, juntamente com a China, Coréia do Norte, Iraque, Irã e Rússia.


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=255947

Publicado por em ago 7 2017. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS