Drones do Irã na Síria – uma preocupação para os EUA e para Israel

O Drone Saegheh do Irã não é um UAV comum.

É o drone do prêmio da Guarda Revolucionária iraniana para ataque de assalto e inteligência. Ele fez sua estréia fora do Irã no sábado, 10 de fevereiro, quando entrou no espaço aéreo israelense, primeiro circulando para o leste na Jordânia.

Até então, o Saegheh (Storm) não era geralmente conhecido por ter alcançado a guerra da Síria. Depois de ter sido derrubado quase intacto por um helicóptero Apache israelense, os jatos da Força Aérea de Israel bombardearam a sede de comando do drone no centro da Síria, na base T-4, perto de Palmyra, que é compartilhada pelo Irã e pela força aérea russa. A velocidade deste contra-punch confirmou que a inteligência israelense havia rastreado o drone desde o momento em que tomou o ar da T-4 e estava em espera para detê-lo.

O preço da operação foi pago pela exposição e derrubada do caça IAF F-16 ao fogo de defesa aérea da Síria. Os dois pilotos se injetaram ao norte de Israel, antes de expulsar um pouso de pára-quedas. Um está se recuperando no hospital por uma lesão grave; o segundo ficou um pouco ferido.

O descobrimento do drone infiltrado foi parte de toda uma frota de UAVs Saegheh armados avançados alojados na base T-4. A segunda onda de ataques aéreos israelenses contra 12 alvos sírios e iranianos dizimou esta frota.

Mais importante ainda, a intrusão do drone e sua sequela expuseram o incidente para não terem sido únicas, mas parte de uma parcela calculada iraniana contra Israel no mais alto nível, que foi coordenada antecipadamente com a força aérea russa, que compartilha o uso de T-4, e os sistemas de defesa aérea da Síria, que operam sob comando russo. É igualmente importante notar que o Irã trouxe seus UAV de Saegheh para a Síria com o consentimento de Moscou.

Isso pode ser explicado pela proveniência única do drone. Em um longo e árduo processo de engenharia reversa, a indústria de munições do Irã copiou alguns dos componentes do drone furtivo mais secreto da CIA, o RQ-170 Sentinela, depois de ter sido interceptado e capturado no Irã em dezembro de 2011.

O drone americano, armado e capaz de detectar testes nucleares clandestinos, é avaliado como o melhor UAV desse tipo em operação. Teerã afirmou ter interceptado o sobrevoo da Sentinela ao assumir o controle das comunicações via satélite de vigilância americanas que navegavam no curso do drone. Isso foi negado com veemência por Washington. Na época, as fontes de inteligência de DEBKAfile revelaram que os responsáveis ​​pela façanha de trazer o drone secreto americano ao solo intacto não eram cientistas cibernéticos iranianos, mas chineses.

Os russos estavam interessados ​​em dar uma olhada nas maravilhas do drone americano, mas os iranianos se recusaram a dar-lhes acesso. Oito anos depois, eles passam suas chances na Síria. O Irã finalmente é confirmado como tendo obtido a posse do RQ-170 americano, pela evidência do drone iraniano capturado por Israel. Mas, enquanto isso, o Irã, ao implantar uma frota de drones Saegheh na Síria, armado com mísseis, não só aumentou sua ameaça para Israel, mas também provocou um difícil desafio regional para a América.

Se um desses drones pode ser usado contra Israel, por que não contra as forças americanas no Oriente Médio ou na Arábia Saudita? Os Guardas Revolucionários do chefe Brigadeiro general Hossein Salami, negou que tenha feito incursão sobre Israel no sábado, quando declarou que o Irã tinha o poder militar “para destruir todas as bases americanas na região”.

A trajetória do drone stealth do Irã através da Jordânia no sábado foi reveladora. Voou de Palmyra ao longo da fronteira oriental da Síria com o Iraque não detectado pela vigilância militar americana.

Quando se tratou da guarnição norte-americana e jordaniana de Al Tanf no triângulo da fronteira Sírio-Iraquiano-Jordão, virou-se para o norte da Jordânia e depois cruzou a fronteira para voar sobre Beit Shean.

Noventa segundos depois, os Apaches israelenses realizaram sua intercepção – mas não antes que a “Tempestade” desencadeasse a primeira escaramuça militar direta entre Israel e o Irã.

O Irã perdeu um valioso drone armado, mas estava no ar o tempo suficiente para reunir muitas informações sobre os sistemas de defesa aérea e radares americanos, jordanianos e israelenses nas fronteiras sírio, jordaniana e iraquiana, além de relatar seus anti-ar capacidades operacionais dos mísseis. A IDF anunciou domingo o impulso de seus sistemas de defesa aérea no Norte.

debka.com (site sionista)


Nota da Redação:

É engraçado ver como somente Israel se sente no direito, com conversa fiada de sua segurança, de invadir as fronteiras vizinhas e quando, presumidamente alguém faz o mesmo, ficam revoltados…!

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257580

Publicado por em fev 11 2018. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “Drones do Irã na Síria – uma preocupação para os EUA e para Israel”

  1. E segurança por acaso é conversa fiada???

    Seria bom que o nobre se imaginasse num lugar cercado por inimigos de todos os lados e firme na concepção de que segurança é um luxo!

    Bom futuro pra você!

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS