Diplomata chinês alerta sobre chance de guerra se Marinha dos EUA enviar navio para Taiwan

Um dos principais diplomatas chineses nos Estados Unidos informou às autoridades norte-americanas sobre a possibilidade de um conflito em Taiwan se a Marinha dos EUA decidir enviar algum navio à ilha, considerada uma província rebelde por Pequim.

Militares taiwanenses durante exercícios Han Guang em Pintung, Taiwan, 25 de agosto de 2016
© AFP 2017/ SAM YEH
Que papel EUA desempenhariam em caso de conflito militar no Estreito de Taiwan?

Li Kexin, membro da Embaixada da China em Washington, disse durante um evento no local no último final de semana que o governo chinês teria de ativar a sua lei contra secessão se uma embarcação militar americana for enviada para o estreito de Formosa. Aprovada em 2005, essa legislação nega a existência do Estado de Taiwan e sublinha os métodos a serem adotados por Pequim para tornar a unificação das duas Chinas uma realidade. Entre as possibilidades previstas está a adoção de meios “não pacíficos”, caso a China considere não haver outra alternativa.”O dia em que um navio da Marinha dos EUA chegar a Kaohsiung é o dia em que o nosso Exército Popular de Libertação [EPL] unificará Taiwan com força militar”, disse ele à mídia chinesa, referindo-se ao maior porto de Taiwan.

As palavras do diplomata foram rapidamente reforçadas com a publicação de um editorial, no jornal chinês Global Times, com forte tom de ameaça.

Encontro entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder da China, Xi Jinping em Mar-a-Lago, Palm Beach, Flórida, 6 de abril de 2017
© AP PHOTO/ ALEX BRANDON
EUA voltam a provocar China com venda de armas para Taiwan

“A China continental nunca desistiu da opção de reunificar Taiwan pela força, o que é claro para a população ao longo do estreito de Formosa”, diz o texto. “As palavras de Li enviaram um aviso a Taiwan e traçaram uma clara linha vermelha. Se Taiwan tentar realizar um referendo de independência ou outras atividades para perseguir a independência de jure”, o EPL, sem dúvidas, agirá”.O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan criticou duramente o discurso do diplomata chinês, acusando a China de fazer uso de ameaças ao mesmo tempo que diz desejar uma reconciliação pacífica.

“Esses métodos mostram uma falta de conhecimento sobre o significado real do sistema democrático e como uma sociedade democrática trabalha”, afirmou a chancelaria taiwanesa.

Sputnik


 

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257023

Publicado por em dez 12 2017. Arquivado em 1. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS