Der Tagesspiegel: armas hipersônicas perturbam o equilíbrio estratégico no mundo

Mísseis hipersônicos podem atrapalhar o equilíbrio estratégico no mundo, escreve Der Tagesspiegel. Eles não afetarão o principal fator de dissuasão nuclear, ou seja, a ameaça de destruição mútua, mas nas regiões a situação pode mudar, enfatizam os especialistas. Em particular, as novas armas chinesas podem forçar os Estados Unidos a retirar tropas do leste da Ásia.
Der Tagesspiegel: armas hipersônicas perturbam o equilíbrio estratégico no mundo

Reuters

No final do ano passado, o chefe do Kremlin, Vladimir Putin, anunciou que seu país finalmente alcançara superioridade sobre seu eterno adversário dos Estados Unidos, escreve Der Tagesspiegel. Segundo ele, o exército russo entrou no sistema de mísseis Avangard com uma unidade hipersônica. O projétil tem um alcance de vôo intercontinental e é capaz de voar a uma velocidade 20 vezes a velocidade do som.

No momento, essa tecnologia é a mais promissora e ao mesmo tempo perigosa, observa a publicação, além do uso de inteligência artificial e do ciberespaço para fins militares. O fato é que os mísseis convencionais voam ao longo de uma certa trajetória balística. Consequentemente, os sistemas de defesa aérea podem calculá-lo e destruir a concha.
As últimas armas hipersônicas são capazes de manobrar em alta velocidade, o que complica bastante sua interceptação. Os EUA, Rússia, China e França estão desenvolvendo ativamente. Especialistas dizem que essa tecnologia pode mudar o equilíbrio estratégico no mundo ou em algumas regiões.
As armas hipersônicas não afetarão o principal fator de dissuasão nuclear, a saber, a ameaça de destruição mútua, convencem os especialistas. Enquanto houver submarinos com armas nucleares estratégicas a bordo, não se pode temer distorções nesta área. Outra coisa é a situação em regiões específicas. Por exemplo, os Estados Unidos acreditam que novos mísseis chineses ameaçam suas bases e navios no leste da Ásia. Os americanos são confrontados com a tarefa de encontrar uma resposta tecnológico militar a esse desafio ou retirar tropas de lá.

O perigo de armas hipersônicas também é reconhecido na Alemanha. No ano passado, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, anunciou que seu país usaria sua próxima presidência do Conselho da UE para discutir esta questão. No entanto, parece que, devido à pandemia de coronavírus, as prioridades mudaram. Até o momento, nenhuma declaração específica sobre esse assunto foi recebida do chefe do Ministério das Relações Exteriores.

Оригинал новости ИноТВ:
https://russian.rt.com/inotv/2020-06-23/Der-Tagesspiegel-giperzvukovoe-oruzhie-narushit


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=262185

Publicado por em jul 1 2020. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS