Cuba: Derrotar o imperialismo dos EUA em Playa Girón

Fracassa a Invasão da Baía dos Porcos, pelos EUA contra Cuba ...

“Fizemos algumas coisas muito importantes, mas não nos proclamamos socialistas, nem proclamamos abertamente as doutrinas marxistas-leninistas. Girón acelerou o processo revolucionário. ” As reflexões do líder cubano Fidel Castro sobre Playa Girón, discutidas com Ignacio Ramonet durante conversas que levaram à publicação da autobiografia do líder revolucionário, indicam a magnitude da derrota do imperialismo americano na invasão da Baía dos Porcos, que durou de 17 de abril a 19 de abril de 1961 Em menos de 72 horas, as forças revolucionárias cubanas derrotaram os 1.500 infiltrados treinados pela CIA.

O plano dos EUA de invadir Cuba e derrubar o governo e processo revolucionários originados em 1960 pela Agência Central de Inteligência (CIA) durante o governo Eisenhower e herdado pelo governo Kennedy. O objetivo era “promover a substituição do regime de Castro por mais um dedicado aos verdadeiros interesses do povo cubano e mais aceitável para os EUA de maneira a evitar qualquer aparência de intervenção dos EUA”. Para conseguir isso, a CIA treinou dissidentes cubanos que moravam em Miami com o objetivo de realizar uma intervenção em Cuba com o objetivo de derrubar Fidel.

Após a derrota, o Presidente JF Kennedy declarou : “Eu enfatizei antes que essa era uma luta de patriotas cubanos contra um ditador cubano. Embora não se esperasse que escondêssemos nossas simpatias, deixamos repetidamente claro que as forças armadas deste país não interviriam de forma alguma. ”

Os próximos comentários de Kennedy indicam a natureza da intervenção dos EUA na América Latina. “Mas uma nação do tamanho de Cuba é menos uma ameaça à nossa sobrevivência do que uma base para subverter a sobrevivência de outras nações livres em todo o hemisfério. Não é principalmente o nosso interesse ou a nossa segurança, mas o deles que está agora, hoje, em maior perigo. É por eles e por nós que devemos mostrar nossa vontade. ”

A derrota que os EUA sofreram nas mãos dos revolucionários cubanos consolidou preocupações imperialistas de que Cuba era capaz de influenciar uma transformação completa da região. Tais palavras, embora menos eloquentes, foram expressas por Henry Kissinger sobre o triunfo eleitoral de Salvador Allende e a transformação socialista que ocorreria sem a intervenção dos EUA.

Baseado em ajuda anterior à política externa dos EUA, em novembro de 1961, Kennedy assinou a Lei de Assistência Externa, que levou à criação da USAID, um programa que financia a subversão sob o pretexto de ajuda, sustentabilidade e desenvolvimento. Em Cuba, a USAID trabalha para “capacitar os cidadãos cubanos a trabalharem juntos de maneira independente e reduzir sua dependência do Estado”. Por outras palavras, a USAID existe para criar bolsões de dissidência através das quais pode influenciar o abandono de princípios revolucionários. Nos últimos anos, a interferência da USAID foi amplamente divulgada através do caso de Alan Gross, um subempreiteiro envolvido em atividades de subversão em Cuba e divulgado mediante um acordo que previa o retorno dos demais membros dos Cinco Cubanos à ilha.

O próximo passo de Kennedy em fevereiro de 1962 foi ordenar o bloqueio ilegal a Cuba. Enquanto isso, na América Latina, os EUA adotaram os supostos objetivos da USAID de princípios humanitários e sustentabilidade para financiar a manutenção de ditaduras na América Latina e isolar Cuba no processo. Na região, o resultado foi uma rede terrorista de assassinatos, tortura e desaparecimentos forçados. Apesar das dificuldades econômicas, a Revolução Cubana prevaleceu, com os EUA expressando cada vez mais uma falsa premissa de que a revolução chegaria ao fim com a morte de Fidel.

“Cuba pelos heróis que caíram em Giron para salvar o país da dominação estrangeira; Estados Unidos para mercenários e traidores que servem o estrangeiro contra seu país. ” Assim declarou Fidel na Segunda Declaração de Havana, em 4 de fevereiro de 1962.

A resposta cubana à invasão exibiu a unidade da revolução. Apesar das declarações de Kennedy tentando retratar os mercenários treinados pela CIA como patriotas cubanos, os EUA não conseguiram atrair um fragmento de apoio entre os cubanos, o que daria ao imperialismo a chance de trabalhar secretamente com o povo, como em outros países do país. região como o Chile. Pelo contrário, a fixação dos EUA em eliminar Fidel resultou em mais de 600 planos bizarros, todos frustrados, assim como na ilha, os cubanos se educaram dentro de um sistema que praticava revolução e resiliência.

No aniversário deste ano, o presidente cubano Miguel Diaz Canel descreveu os eventos históricos como uma lição constante de mobilização revolucionária. Décadas desde o triunfo revolucionário e tendo sofrido o impacto da interferência e sanções econômicas dos EUA, as diferenças entre a agressão dos EUA e o internacionalismo cubano só se tornaram mais pronunciadas. Os EUA ainda confiam na subversão para mudar o curso da Revolução Cubana, assim como em 1961 – calculando mal a lealdade do povo cubano. Nas palavras de Fidel, “eles podem ter acreditado em suas próprias mentiras e propaganda, e certamente subestimaram o povo cubano e nossos revolucionários cubanos”.

strategic-culture.org


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=261941

Publicado por em Maio 1 2020. Arquivado em 1. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS