Conselheiro de segurança dos EUA, Flynn, renuncia por alegações sobre contatos com a Rússia

 

Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Michael Flynn (Foto da AFP)
Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Michael Flynn (Foto da AFP)

O conselheiro de segurança nacional do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Michael Flynn, renunciou por alegações de que teve contatos com a Rússia.

A Casa Branca confirmou a renúncia de Flynn na noite de segunda-feira. Keith Kellogg, um general aposentado do exército dos EUA, foi nomeado como substituto interino de Flynn.

Em sua carta de demissão, Flynn disse que havia dado informações incompletas ao vice-presidente Mike Pence, que foi em TV ao vivo e negou as alegações contra o general aposentado do Exército dos EUA.

“Eu inadvertidamente informei o vice-presidente eleito e outros com informações incompletas sobre meus telefonemas com o embaixador russo. Sinceramente, pedi desculpas ao presidente e ao vice-presidente e aceitaram minhas desculpas”, escreveu Flynn.

“Estou oferecendo minha renúncia, honrado por ter servido nossa nação eo povo americano de maneira tão distinta”, escreveu ele. “Eu sei que com a forte liderança do presidente Donald J. Trump e vice-presidente Mike Pence ea equipe soberba que eles estão montando, esta equipe vai para a história como uma das maiores presidências da história dos EUA”.

A renúncia de Flynn ocorreu apenas algumas horas depois de surgirem informações de que o Departamento de Justiça advertiu o presidente Trump no mês passado de que Flynn mentiu em relação às suas comunicações com o embaixador russo nos EUA e que era potencialmente vulnerável a chantagem por Moscou.

A conversa, que ocorreu bem antes da inauguração de Trump, centrou-se em levantar as sanções do então presidente Barack Obama contra a Rússia.

Qualquer discussão sobre as sanções naquela altura teria constituído uma violação da lei contra cidadãos privados envolvidos na política externa.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse horas antes da renúncia de Flynn que Trump estava “avaliando” a situação e conversado com Pence e “várias outras pessoas” sobre a questão.

A notícia veio dias depois que a Casa Branca lançou uma investigação sobre o assunto.

‘Flynn é um Islamophobe aberto’

O presidente dos EUA Donald Trump (à direita) e seu conselheiro de segurança nacional, Michael Flynn, chegam à base da Força Aérea de MacDill em 6 de fevereiro de 2017 em Tampa, Flórida. (Foto por FP)

Flynn disse em agosto que o “islamismo” era um “câncer cruel” no corpo de todos os muçulmanos e tinha que “ser extirpado”.

“Estamos diante de outro” ismo “, assim como enfrentamos o nazismo, o fascismo, o imperialismo e o comunismo, isso é o islamismo, é um câncer vicioso dentro do corpo de 1,7 bilhão de pessoas neste planeta e tem que ser extirpado” Ele disse durante um discurso à Congregação Ahavath Torah em Stoughton, Massachusetts.

Segundo o escritor e jornalista escocês John Wight , “Flynn é um islamofobo aberto”.

Ele disse à Press TV na segunda-feira que “Flynn parece levar um ódio particular ao Irã. Ele falou no passado da necessidade de “mudança de regime” no Irã, e ele descreveu o Islã como “um câncer maligno”. Essa é uma citação direta. Ele também descreveu isso como uma “religião doente” que requer cura. ”

presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=253317

Publicado por em fev 14 2017. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS