Colapso econômico, a hegemonia do dólar e os mecanismos de uma sociedade baseada em dívidas

Colapso econômico e hegemonia do dólar - Como esse começo?

No artigo anterior, expliquei por que o bitcoin deveria ser considerado uma reação à hegemonia do dólar norte-americano e como outras nações e bancos centrais enfrentam a crise do dólar provocada pela desdolarização.  Neste artigo, abordarei como chegamos a esse ponto e quais mecanismos ajudaram a criar uma sociedade baseada em dívidas.

Do ouro ao papel

Para entender o que está acontecendo hoje, devemos olhar para tempos mais simples, de volta quando as pessoas trocaram um com o outro. A utilidade e disponibilidade de commodities determinaram seu valor. O ouro, em particular, representava um bem finito que era difícil de encontrar e era útil em vários campos. Por esta razão, o ouro sempre foi considerado o melhor exemplo de um bem valioso, juntamente com diamantes, platina, prata e outros elementos que são difíceis de encontrar, mas têm um uso comum ou diário. Por exemplo, a importância da utilidade urânio transformado, elemento de outra forma sem valor, em uma mercadoria valiosa após a descoberta da energia atômica.Voltando ao ouro, pode-se entender como na era do trueque, o ouro era o elemento de referência com o qual avaliar o valor de tudo. Pouco a pouco,

O ouro tinha seu próprio valor intrínseco e era válido em todos os impérios do mundo; o mesmo com prata e bronze. O ouro tornou-se não apenas um meio de troca e uma medida de valor, mas também um reservatório de valor a ser legado aos herdeiros.Acima de tudo, era um meio de pagamento. Quando as moedas de prata começaram a ficar escassas, o pagamento com moeda impressa em couro foi introduzido. No entanto, muitas vezes eles foram recusados ​​devido à falta dos princípios básicos que deram ouro, prata e bronze sua medida e reservatório de valor. A pele dessa moeda poderia se desgastar e, apesar de ser um meio de pagamento, não era tão sólido e confiável quanto os metais preciosos.

A verdadeira revolução começou nos anos 1700, quando o banco central francês começou a tomar barras de ouro de seus cidadãos em troca de pedaços de papel com o valor correspondente escrito sobre ele. Essa mudança teria repercussões enormes na economia mundial nos próximos 300 anos.

O aspecto mais importante desta mudança foi psicológico, pelo que a pessoa comum está disposta a entregar seu ouro físico ao banco francês em troca de um pedaço de papel indicando a quantidade de ouro detida. Há duas razões fundamentais que levaram a essa escolha, ambas relacionadas à natureza humana: a simplicidade de uso e a confiança no sistema. O estado francês, através do seu banco central, retirou-se do público de ouro, prata e bronze e trocou-o por papelão físico sem qualquer valor intrínseco. Mas o papel moeda ofereceu um alto grau de portabilidade e facilidade de uso, auxiliando na sua utilização como meio de pagamento e troca de bens. O capitalismo nasceu e a transferência da riqueza completa. O mundo estava em transição de uma economia real baseada no valor intrínseco, como com a representada pelo ouro,

Moeda da Reserva Mundial

O Império Britânico, e depois o americano, prosperaram enormemente nesse arranjo, graças ao acúmulo de ouro em seus bancos centrais. O Banco da Inglaterra acumulou enormes reservas de ouro, e assim conseguiu emitir enormes quantidades de libras, construindo o conceito de uma reserva monetária mundial. A libra havia lentamente substituído a moeda francesa por ser o principal meio de troca em todo o mundo, deixando a Grã-Bretanha em uma posição privilegiada como resultado do papel central de Londres na economia global. Ao longo da história, o aumento dos principais impérios coincidiu com a sua moeda sendo a moeda de reserva global. Até o império britânico, a moeda sempre foi uma mistura de moedas valiosas e moedas substituídas. Mas com a libra esterlina, o ouro foi completamente substituído pela libra, dando à Grã-Bretanha e suas colônias um poder desproporcional para manipular a economia global.

Para tornar o sistema sustentável, a obrigação era imprimir moeda apenas em relação à quantidade de ouro realmente detida. Cada libra emitida correspondia a uma taxa de ouro que só era emprestada do banco central britânico. Cada detentor de moeda, primeiro na França e agora na Inglaterra, teoricamente poderia ter pedido suas costas de ouro em vez de florins franceses ou franceses. Este acordo baseou-se na confiança depositada nos bancos centrais e no estado, libertando o cidadão médio de ter que transportar e proteger as moedas preciosas. Cada libra emitida correspondia a uma taxa de ouro que só era emprestada do banco central britânico. Cada detentor de moeda, primeiro na França e agora na Inglaterra, teoricamente poderia ter pedido suas costas de ouro em vez de florins franceses ou franceses.

Este acordo baseou-se na confiança depositada nos bancos centrais e no estado, libertando o cidadão médio de ter que transportar e proteger as moedas preciosas. Cada libra emitida correspondia a uma taxa de ouro que só era emprestada do banco central britânico. Cada detentor de moeda, primeiro na França e agora na Inglaterra, teoricamente poderia ter pedido suas costas de ouro em vez de florins franceses ou franceses. Este acordo baseou-se na confiança depositada nos bancos centrais e no estado, libertando o cidadão médio de ter que transportar e proteger as moedas preciosas.

No final da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos emergiram como o maior vencedor no Ocidente e Washington logo substituiu Londres como o principal poder global, com o dólar tomando o lugar da libra como uma moeda de reserva global. A verdadeira mudança negativa ocorreu quando Nixon decidiu em 1971 baixar o dólar do valor do ouro correspondente que havia sido estabelecido no Acordo de Bretton Woods.O Fed já não precisava ter o preço do ouro impresso em seu papel-moeda. A crise do petróleo de 1973 fixou ainda o valor do dólar como resultado desse choque do petróleo, levando a Arábia Saudita e os países da OPEP a assinar um acordo secreto com Washington. Este acordo previa que, em troca da proteção política e militar de Washington, os países da OPEP seriam obrigados a vender petróleo apenas em dólares.Assim nasceu o petrodólar,

Ao longo de alguns anos, a economia mundial experimentou uma mudança dramática e catastrófica. O poder militar e econômico americano prevaleceu, e o FED foi livre para imprimir infinitas quantidades de dólares sem se preocupar com sua sustentabilidade ou credibilidade, dependendo da guerra, da mídia e do consumismo para sustentar a fachada. O mundo começou a enviar bens de consumo para os Estados Unidos em troca de desperdícios sem relação com o ouro. A estafa do século já estava completa. É uma farsa que depende da colusão entre bancos, agências federais, agências de rating e governos para criar a ilusão de que os títulos do governo dos EUA são o bem mais seguro do mundo, mesmo mais do que o próprio ouro, que começou a desaparecer lentamente do radar como uma loja de valor intrínseco.

Avanço rápido até o final da década de 1980 e a situação começou a piorar com a transição para uma realidade digital regulada por Wall Street e especulação financeira.Os bancos centrais poderiam criar dinheiro simplesmente transferindo dinheiro para bancos digitalmente.

Este fenômeno provocou uma enorme divergência entre ativos reais e o valor das moedas. Muitos países que não possuem um certo nível de credibilidade internacional podem ver aumento da inflação em questão de horas como resultado de fortes especulações financeiras, desvalorizando o valor de sua moeda com conseqüências desastrosas para a economia real.

Vinte anos depois, o crack revelado por Lehman Brother ampliou amplamente todos os problemas existentes. O risco era que os cidadãos perderiam a confiança no dólar ou no euro, prejudicando o entendimento que existia desde os anos 1700, onde os cidadãos trocariam o ouro por um papel seguro sabendo que a integridade desse processo foi garantida pelo banco central de seus país. Em vez de curar o sistema financeiro, a solução planejada procurou aumentar o poder dos bancos e das instituições financeiras e, acima de tudo, inundar o mercado com dinheiro para salvar os bancos que eram muito grandes para falhar. Os contribuintes comuns de repente encontraram-se selados com uma dívida de US $ 800 bilhões com um simples clique do mouse, o Fed trabalhando durante a noite para criar dinheiro com o nada, a fim de aumentar a liquidez dos bancos.

Graças a um fluxo contínuo de propaganda da mídia principal, o cidadão médio estava pouco preocupado com essas ações e a economia global evitou descer. Os bancos centrais encontraram-se em uma situação sem precedentes, forçando-os a admitir que a única maneira de salvar a economia era criar mais dinheiro fora do ar. Uma situação tão absurda levou o Deutsche Bank em 2018 a acumular instrumentos financeiros tão tóxicos quanto os derivativos no valor de aproximadamente US $ 46 trilhões, o dobro da economia americana. Isso está degenerando em loucura sem sentido, como veremos no próximo e final artigo da série.

No próximo e último artigo da série vou explicar como a cryptocurrency poderia salvar todo o sistema financeiro no caso de uma nova crise e por que isso significa o fim do momento unipolar para os EUA.

FEDERICO PIERACCINI

Federico PIERACCINIEscritor autônomo independente especializado em assuntos internacionais, conflitos, políticas e estratégias.


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=257436

Publicado por em jan 30 2018. Arquivado em TÓPICO III. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS