Chomsky: Quem domina o mundo?

¿Quién domina el mundo?Noam Chomsky , esse incômodo professor emérito do Departamento de Lingüística e Filosofia do MIT, retorna para a briga com um livro, quem governa o mundo? (Ediciones B, 2016), no qual, como normalmente os seus próprios, levanta uma questão sensível que  exige quase 400 páginas de respostas.

A mente brilhante da pessoa, provavelmente, melhor documentado do mundo insiste que a sua denúncia das atrocidades e enormes “erros” dos poderosos, e mais especificamente os Estados Unidos com sua seqüência de aliados, continuam a cometer todas as partes -agora significativamente na Síria – a pretexto de salvaguardar a segurança de pessoas em todo o mundo.

Essa atribuição arrogante se repete ano após ano, não importa o que o chefe da administração do país que continua a governar o destino das nações. Professor Chomsky é talvez o mais respeitável moscardo que acabou de sair do império quando se esforça em apontar, com sangrentos e esmagadora documentação, gafes e violações do direito internacional que conseguiu criar a maior insegurança do que nós apreciamos tudo em tempos da Guerra Fria.

Como o autor lembra -nos , longe tem sido o ano inquestionável que Abraham Lincoln conseguiu a proibição de assassinato no direito internacional, com a sua enérgica proclamação de 1863  contra o que chamou “banditismo internacional”, imprópria das nações civilizadas.

Neste livro, Noam Chomsky, na tradução esplêndida de Javier Guerrero , analisa as estratégias que mobilizam os americanos privilegiados nem sempre, para salvaguardar os interesses de Washington e do setor empresarial mais poderoso. Repassa, colocando o os  pontos das leis e panoramas atuais dos teatros de conflito, em particular na Palestina, e sua evolução a chegar onde estamos agora.

Coloca na mesa as circunstâncias que a mudança climática ainda é negada matando os pólos e habitat na selva, entre outras ameaças; Ele propõe duas maneiras de ver o que aconteceu no ataque terrorista contra Charlie Hebdo ; traçar um esboço histórico clarificador de como controlador do mundo que requer dutos que vêm do Oriente Médio e tudo o que se passa desde que Franklin Delano Roosevelt começou sua cruzada, apenas se instalou II Guerra Mundial.

A experiência da Chomsky para trazer as questões de história com que clarificam a situação atual é admirável. Pode concordar ou discordar com as suas conclusões, mas o que não se pode duvidar que qualquer pessoa com argumento comprovado e a capacidade de ver o que acontece no mundo, como isso acontece e quem está por trás leitor, a mão invisível do poder que intitulou um capítulo do livro.

O volume começa com uma atenção dedicada à responsabilidade dos intelectuais. Um coro que se repete a determinados eventos órfãs reflexões de peso dá o exemplo a de John Dewey, após a Grande Guerra (1914/1918) mudou seu posição de “autor intelectual” por “púlpito anarquista”, mostrando uma argumentação que não deu vozes como as de Rosa Luxemburgo , Bertrand Russell e Eugene Debs , que conhecia o frio dessas prisões.

Em suma, um livro de leitura altamente recomendável que chega a apaixonar, na qual Chomsky domina o exercício de troca de jogadores em situações de conflito, a lucubrar sobre as reações da opinião pública; ou incentivar o leitor a olhar para os eventos e ações dos líderes com olhos diferentes, colocando-o  para determinar qual a posição é eticamente plausível e a que não é.

Para aqueles que suspeitam dos Estados Unidos (o “estado terrorista”), Chomsky convida à reflexão com elegantes toques de ironia sobre a realidade que vemos diante de nossos olhos. Uma lição de história e hoje.

cuartopoder.es


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=250615

Publicado por em out 23 2016. Arquivado em 3. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS