China rechaça entrada forçada de ajuda e agressão à Venezuela

A China rechaçou nesta sexta-feira (22) a entrada mediante uso da força da chamada ajuda humanitária à Venezuela, as ameaças dos Estados Unidos de lançar uma intervenção militar e qualquer ato que desencadeie tensões violentas nesse país.

Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, enfatizou em coletiva de imprensa que o governo do presidente Nicolás Maduro, de maneira responsável, tem mantido a calma, a paz e a estabilidade do território apesar do incremento das provocações nos últimos tempos.

[O governo venezuelano] “evitou efetividade os conflitos sangrentos, [mas] a entrega forçada da chamada ajuda humanitária à Venezuela levará a sérias consequências se explodirem enfrentamentos, algo que nenhuma das partes quer ver”, alertou.

O porta-voz da Chancelaria chinesa enfatizou que seu país se opõe à invasão militar e a toda ação que cause distúrbios non país latino-americano.

Igualmente, defendeu os laços de cooperação com as autoridades legítimas de Caracas, disse que se baseiam nos princípios da igualdade, benefício mútuo e desenvolvimento comum, e Pequim está pronta para ampliá-los a diferentes terrenos.

Prensa Latina


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=259822

Publicado por em fev 22 2019. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS