China acusa EUA de invadirem águas territoriais de seu Mar Meridional com um navio de guerra

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang (Foto: Xinhua)
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang (Foto: Xinhua)

A China acusou os EUA de evadirem-se depois que um navio de guerra americano navegou perto de um recife no Mar da China Meridional, em meio a crescentes tensões entre Pequim e Washington.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Lu Kang, disse aos repórteres na quinta-feira, em Pequim, que o navio de guerra dos EUA entrou em suas águas “sem permissão”.

O destroyer de mísseis guiados USS Dewey entrou na área “sem permissão do governo chinês”, disse Lu, acrescentando que o navio tinha “entrado nas águas perto das ilhas e recifes relevantes”.

“As medidas tomadas pelo navio norte-americano prejudicam a soberania e os interesses de segurança da China e é muito provável que causem inesperados acidentes marítimos e aéreos”, disse o porta-voz

O funcionário chinês também exigiu que Washington parasse com “ações provocativas”.

Um oficial dos EUA confirmou anteriormente que o USS Dewey navegou a menos de 12 milhas náuticas de Mischief Reef na manhã de quinta-feira, hora local.

As águas territoriais são geralmente definidas por uma convenção das Nações Unidas como estendendo 12 milhas náuticas do litoral de um país.

Falando no início do dia, o porta-voz do Pentágono, Major Jamie Davis, disse que as forças dos EUA voarão e navegarão “onde a lei internacional” permitir.

“Temos um programa abrangente de Liberdade de Operações de Navegação que visa desafiar reivindicações marítimas excessivas, a fim de preservar os direitos, as liberdades e os usos do mar e do espaço aéreo garantidos a todas as nações sob o direito internacional”, disse Davis em um comunicado

Os exercícios “não dizem respeito a um único país, nem são sobre fazer declarações políticas”, acrescentou.

A chamada operação de liberdade de navegação, que certamente irritará a China, é o primeiro desafio a Pequim na navegação estratégica desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, assumiu o cargo.

Esta foto do comunicado da marinha dos EU obtida 15 de março de 2017 mostra o porta-aviões USS Carl Vinson, primeiro plano, como transita o mar de China Oriental com o destroyer JS Samidare da classe de Murasame de Japão março em 9, 2017. (Foto por AFP)

A China tem repetidamente advertido os Estados Unidos contra quaisquer atividades militares no Mar da China Meridional.

Trump acusou Beijing durante a campanha presidencial de 2016 de militarizar partes do Mar da China Meridional, roubando empregos americanos com políticas comerciais injustas e manipulando sua moeda em seu favor.

O Mar da China Meridional é objecto de uma disputa territorial entre a China eo Vietname, Taiwan, Filipinas, Malásia e Brunei. Mas esses países parecem ter gerenciado suas disputas com a China sem problemas.

Os últimos acontecimentos também ocorrem uma semana depois que os Estados Unidos disseram que dois jatos chineses interceptaram um avião espião americano voando sobre o Mar da China Oriental.

Os jatos de combate chineses superaram o jato dos EUA, forçando-o a descer centenas de pés de sua posição. A China negou as alegações dos EUA, dizendo que seus aviões estavam agindo “de acordo com a lei”.

presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=255106

Publicado por em maio 25 2017. Arquivado em TÓPICO III. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “China acusa EUA de invadirem águas territoriais de seu Mar Meridional com um navio de guerra”

  1. enganado

    Muito simples, só a CHINA mandar um destróier ir passear nas águas dos USA perto de Los Angeles, e ver qual será a resposta da macacada da US Navy. Pimenta no CX dos outros é refresco!!

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS