Bolívia: Anatomia de um golpe da CIA

Em novembro passado, ocorreu um golpe terrível derrubando o governo socialista da Bolívia e o primeiro presidente indígena do país, Evo Morales . Foi um exemplo clássico de um golpe da CIA que lembra os dias sombrios da Operação Condor, quando os EUA instalaram ditaduras militares em toda a região para garantir que pudessem ser saqueados pelas empresas americanas. A Bolívia agora é governada pela presidente Jeanine Anez, uma cristã evangélica racista que acredita que os índios são “satânicos” e devem ser impedidos de entrar nas cidades. Seu marido está ligado aos esquadrões da morte colombianos.

Quando o povo da Bolívia se levantou para resistir ao golpe, eles foram massacrados pela polícia e pelos militares. 36 foram mortos e 832 foram feridos. Houve centenas de prisões arbitrárias, 57 estações de rádio foram fechadas, jornalistas estrangeiros foram expulsos. Quem se atreve a reclamar sobre o golpe é acusado de sedição e terrorismo. 

Traidores fascistas assassinos que derrubaram seu próprio governo para que os Estados Unidos pudessem saquear seus recursos têm a coragem de acusar o vencedor da eleição Evo Morales de sedição, terrorismo e apoio ao terrorismo.

É uma estratégia da lei pioneira no Brasil, onde o ex-presidente Lula foi preso e encarcerado por falsas acusações para impedi-lo de concorrer com o fascista Bolsonaro depois que sua sucessora Dilma Rousseff foi derrubada devido a uma investigação falsa de corrupção.

Enquanto isso, Luis Fernando Comacho, ex-líder do paramilitar fascista UJC, que cometeu um incêndio criminoso, aterrorizou manifestantes e conspirou com a CIA por dez anos, tem total impunidade em aterrorizar o povo da Bolívia ao mesmo tempo em que está concorrendo à presidência. O novo regime de golpe não perdeu tempo na tentativa de reverter tudo o que Evo realizou. As indústrias nacionais estão sendo divididas entre os partidários do golpe corruptos, para que possam saquear a falência e privatizar tudo.

Os médicos cubanos que estavam no país para prestar assistência médica aos pobres foram expulsos no momento em que precisavam para tratar as vítimas feridas do golpe.

Quem contará todas as crianças que morrerão por falta de assistência médica na nova Bolívia fascista? Os subsídios para mulheres grávidas e crianças pequenas foram eliminados. Em outras palavras, a grande maioria das pessoas será empurrada de volta à pobreza e à miséria, enquanto os golpistas se tornam fantasticamente ricos saqueando o país e revivendo o fluxo de cocaína boliviana.

Jeanine Anez recebendo a faixa presidencial de uma representante do exército boliviano (foto: EFE).

O golpe boliviano foi um triunfo para o capitalismo e o imperialismo e uma tragédia que se desenrolava não apenas para o povo da Bolívia, mas para toda a América Latina. A Venezuela perdeu outro aliado e o imperialismo ganhou outra fortaleza para travar uma guerra contra a América Latina. Assim como o golpe no Brasil contra Jao Goulart, em 1964, ajudou a lançar uma série de golpes em toda a região, enquanto as forças armadas e a inteligência brasileiras tiveram um papel fundamental em conjunto com a CIA na realização desses golpes. O papel dos principais conselheiros do golpe, treinadores de guerra suja e lacaios imperiais, mudaria do Brasil, para o Chile, para a Argentina e para a Colômbia, com o banho de sangue crescendo exponencialmente.

Colômbia, Brasil e Argentina e até falhou o conspirador venezuelano Juan Guaido, que deu grande apoio ao golpe contra Morales. Agora, a Bolívia pode desempenhar um papel em conspirações na Venezuela, Nicarágua, México ou Argentina. Seus policiais e militares podem ser enviados para aconselhar o Chile e o Equador sobre como massacrar e intimidar manifestantes. A era do Condor 2.0 apenas começou e não há como dizer que horrores estão por vir.

É claro que a história da Bolívia exigiria uma série de livros para fazer justiça. Ainda não consigo resistir a mencionar alguns eventos importantes. Tinha um governo socialista nos anos 50 que os EUA usavam um laboratório de imperialismo suave. Che Guevara morreu heroicamente na Bolívia e acreditava que a localização dos países o tornaria um local estratégico essencial para a libertação da América Latina. Quando os Estados Unidos descobriram sua presença, a CIA e as forças especiais treinaram uma unidade boliviana de elite para caçá-lo. O infame açougueiro de Lyon Klaus Barbie, que a CIA ajudou a “escapar” para a América Latina, e o infame cubano CIA Felix Rodriguez (figura-chave do Irã / Contra) estiveram envolvidos na morte de Che Guevara. Klaus Barbie também foi uma figura-chave no apoio ao golpe de Hugo Banzer.

Banzer tornou-se famoso por sua guerra contra a teologia da libertação. Seu plano de Banzer inspirou países como El Salvador a travar uma guerra semelhante que levou à morte do arcebispo Romero e muitos outros clérigos. Klaus Barbie e o culto da Lua desempenhariam um papel fundamental no infame golpe de cocaína de 1980, que por sua vez alimentaria a ascensão do Cartel de Medellín na Colômbia, inundando os EUA com cocaína, em grande parte contrabandeada pelos contras nicaragüenses. O golpe contra Morales tinha muitas semelhanças com o golpe da cocaína de 1980, com grupos paramilitares fascistas desencadeados para aterrorizar a esquerda. 

Em 1980, “As noivas da morte” treinadas e doutrinadas por Barbie e outros fascistas internacionais, incluindo terroristas da GLADIO da Itália, realizaram um expurgo sangrento da esquerda da Bolívia caçando políticos e líderes sindicais. Hoje é o UJC de Comacho orientado por uma nova geração da diáspora fascista, filhos e netos de nazistas e croatas Ustashi, que se estabeleceram lá décadas atrás. A tentativa de Morales de tirar a polícia da lucrativa operação de combate às drogas foi um dos elementos que os motivou a ingressar no golpe. Assim como a guerra no Afeganistão e no Plano Colômbia levou a um aumento maciço nas exportações de drogas, podemos esperar um resultado semelhante da Bolívia, juntamente com o banho de sangue que os EUA realizarão fingindo combater o fluxo de drogas de seu novo aliado.

Foi em resistência a essa guerra falsa contra as drogas usadas como desculpa para aterrorizar os camponeses bolivianos e colombianos que Evo Morales ganhou destaque. Antes mesmo de ganhar poder, ele sobreviveu a várias tentativas de assassinato nos EUA. Como a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, torturada durante a Operação Condor Evo, foi torturada como parte dessa guerra suja amplamente desconhecida na Bolívia. A Bolívia estava sofrendo uma guerra suja apoiada pelos EUA e, como o resto da América Latina, por um neoliberalismo descontrolado que até privatizou o suprimento de água e tentou proibir o uso de água da chuva. O regime do golpe já reprivatizou o abastecimento de água. A Bolívia era um dos países mais pobres da América Latina e a maioria indígena era de segunda classe.

O líder de um vasto movimento de base indígena, Evo Morales, foi eleito em 2005 e transformou seu país. Ele expulsou a DEA e, em vez de privatizar tudo, começou a nacionalizar certos recursos essenciais, usando-os para financiar programas sociais que tirariam 3 milhões de pessoas da pobreza. A Bolívia foi transformada em um estado socialista plurinacional. Pela primeira vez, a maioria indígena foi autorizada a ocupar o centro do palco.

Muitas das sementes do atual golpe foram plantadas em 2009. Klaus Barbie não era de forma alguma o único criminoso de guerra fascista a se mudar para a Bolívia. Muitos nazistas alemães, cruz da flecha húngara e croata Ustashi se estabeleceram lá. Como Barbie, alguns foram contratados como consultores de segurança pelos militares e pela polícia bolivianos. Esses Emigres fascistas estavam concentrados em Santa Cruz, que se tornou o local de um violento movimento separatista que levou o país à beira da orelha civil em 2009 e foram fortemente financiados pela CIA na tentativa de balcanizar a Bolívia. 

O milionário, filho de um magnata do gás, Luis Fernando Comacho, que é bandido fascista, aterrorizou os políticos do MAS, incluindo a tortura pública de uma prefeita durante o recente golpe, foi um dos principais líderes desse movimento. Um de seus mentores era o rico Branko Marinkovic, que acreditava ser um descendente do Ustashi croata, que ele nega, apesar de ter ajudado abertamente a financiar o renascimento da Croácia fascista na década de 90, além de desempenhar um papel fundamental nas frentes das ONGs da CIA. Marinkovic está no exílio no Brasil porque foi envolvido em uma trama de 2009 para assassinar Evo Morales usando fascistas croatas e húngaros, bem como um fascista boliviano / húngaro / croata Eduardo Rozsa-Flores que lutou pela Croácia nos anos 90. Também vinculado a esse plano estava Hugo Acha Melgar, da ONG Human Rights Foundation, apoiada pela CIA, envolvida no golpe boliviano de 2019.

Voltando ao golpe de 2019, encontramos um exemplo de golpe de Estado da CIA. O primeiro elemento importante é ganhar o controle dos militares. Na América Latina, isso geralmente é feito através da Escola das Américas, que foi renomeada como WHINSEC. Seis conspiradores do golpe, todos os graduados da Escola das Américas foram pegos em fita, plotando o golpe. A Escola das Américas é famosa por treinar vários golpistas e doutriná-los em uma doutrina implacável de contra-insurgência que vê qualquer elemento progressista da sociedade como um inimigo perigoso que deve ser capturado torturado até a morte e depois desapareceu. Centenas de milhares de pessoas morreram de maneira horrível na América Latina como resultado das lições aprendidas na Escola das Américas. 

O membro mais importante das Forças Armadas bolivianas recrutadas pela CIA foi o general William Kaliman Romero, que era especialmente vulnerável desde que sua família morava nos EUA. Ele passou anos mantendo os EUA informados sobre tudo o que Morales estava fazendo e mantendo Morales desinformado sobre tudo o que acontecia na Bolívia. Ele convenceu Morales a ingressar na SURNET, um programa de compartilhamento de inteligência que parece sinônimo de Operação Condor. Mais importante ainda, ele ocultou a conspiração do golpe, permitiu que forças especiais dos EUA se infiltrassem no país e forçou Morales a renunciar a atuar sob as ordens do encarregado de negócios dos EUA (CIA?) Bruce Williamson. Kaliman teria recebido um milhão de dólares por essa traição. Ele passou anos mantendo os EUA informados sobre tudo o que Morales estava fazendo e mantendo Morales desinformado sobre tudo o que acontecia na Bolívia. Ele convenceu Morales a ingressar na SURNET, um programa de compartilhamento de inteligência que parece sinônimo de Operação Condor. 

E depois forçou Morales a renunciar a atuar sob as ordens do encarregado de negócios dos EUA (CIA?) Bruce Williamson. Kaliman teria recebido um milhão de dólares por essa traição.

O segundo elemento-chave em um golpe é ganhar o controle da polícia. Durante os dias da Operação Condor, o Escritório de Segurança Pública (OPS), que fazia parte da USAID, foi usado pela CIA para treinar policiais para combater a “subversão” em vez do crime tradicional, treinando-os em tortura e criando divisões de inteligência policial para elaborar listas de mortes de líderes sindicais e outros “subversivos”, como mães à procura de filhos que haviam desaparecido pela polícia ou por esquadrões da morte militares. Embora o OPS estivesse supostamente encerrado, ele foi renomeado para operar sob diferentes coberturas. O DEA era frequentemente usado no mesmo papel e o DEA supervisionava a tortura de Evo Morales quando ele era um líder trabalhista. 

Os EUA continuam a treinar policiais em todo o mundo em tortura e assassinato do Iraque para a Ucrânia. Para o golpe de 2019, a CIA conseguiu recrutar o chefe de polícia boliviano Vladimir Yuri Calderon enquanto ele era adido de polícia na embaixada da Bolívia em Washington DC. Isso foi feito através de um grupo sombrio de que ele era presidente, chamado APALA, uma organização de anexos policiais da América Latina, descoberta pelo historiador Jeb Sprague. 

De volta à Bolívia, Calderon teria sido dirigido pelo provável agente da CIA, major Mathew Kenny Thompson. Thompson foi o adido militar dos EUA que desempenhou um papel fundamental na organização do golpe e também se encontrou com Eli Bernbaum e Fernando Comacho para planejar a desestabilização da Bolívia antes e depois das eleições. Adido militar é frequentemente uma cobertura para a CIA recrutar militares ou policiais.

Um dos exemplos mais infames foi o adido militar de Vernon Walters durante o golpe de 1964 no Brasil, que seguiria uma longa e notória carreira em golpes e guerras sujas. A Polícia Boliviana desempenhou um papel fundamental no golpe, revoltando-se e recusando-se a proteger os apoiadores do MAS, enquanto a UJC e outros grupos paramilitares fascistas lançavam ataques violentos e incendiaram casas de políticos do MAS e até da família Evo Morales. Depois que Morales foi derrubado, a polícia entrou em ação matando manifestantes pacíficos que se opunham ao golpe. Eles voltaram ao seu papel da era Condor na guerra suja contra o povo boliviano. 

Grupos paramilitares fascistas são a ferramenta favorita da CIA em golpes e guerras sujas. Eles desempenharam um papel fundamental no golpe de cocaína da Bolívia em 1980, onde massacraram centenas e realizaram desfiles à luz de tochas, exibindo discursos nazistas sobre as ondas aéreas da Bolívia. No golpe do Chile em 1973 contra Allende, o homem da CIA Michael Townley trabalhou com os paramilitares da Libertad y Patria Fascist para fazer grande parte do trabalho sujo. Paramilitares fascistas também foram usados ​​mais recentemente na Ucrânia, onde o Setor Direito foi usado para forçar os apoiadores do governo e até o Presidente Yanukovych a fugir de Kiev, permitindo-lhes tomar o poder. Para o golpe de 2019 na Bolívia, Luis Fernando Comacho desempenhou esse papel fundamental.

Comacho, no entanto, não era um bandido comum, ele era um milionário dirigido pelo homem da CIA Rolf Olson e estava em contato próximo com os governos do Brasil, Colômbia e com o falecido presidente da Venezuela, Juan Guaido, sem poder, mas bem financiado. Comacho passou dez anos travando uma guerra suja contra a Bolívia pela CIA e subitamente subiu da obscuridade para o centro das atenções internacionais. Se ele ganhar a presidência, pode-se contar com a mídia que encobre o fato de que seus seguidores da UJC fazem a saudação nazista, são abertamente racistas e praticam atos terroristas contra o governo e o povo da Bolívia nos últimos dez anos.

O terceiro elemento chave em um golpe da CIA é o controle da “sociedade civil” por meio de uma vasta gama de ONGs financiadas pela USAID, pelo NED e por empresas. Desde o nascimento da CIA, eles usaram várias fundações (como as fundações Ford ou Rockefeller) para atuar como frentes para canalizar dinheiro para jornalistas, políticos, grupos trabalhistas, acadêmicos, organizações de direitos humanos, instituições de caridade e artistas de ONGs para moldar a sociedade maneiras favoráveis ​​às empresas americanas e, quando necessário, travar uma guerra psicológica e derrubar governos. Esse aspecto do trabalho da CIA tornou-se famoso em todo o mundo através das recentes “Revoluções de Cores” que se espalharam pela primeira Europa Oriental e depois pelo Oriente Médio durante a primavera árabe. 

Na Bolívia, o NED financiava Carlos Mesa, oponente de Evo Morales, além de vários grupos “ativistas” que costumavam pôr em dúvida a legitimidade da eleição. A OEA, criada como forma de forçar a vontade dos EUA à América Latina, desempenhou um papel fundamental na dúvida sobre os resultados das eleições e na legitimação do golpe. A OEA esteve profundamente envolvida no golpe de Guatemala de 1954, nas tentativas de isolar Cuba a partir de 1959 e, mais recentemente, nas tentativas de derrubar os governos da Venezuela e Nicarágua. A USAID criada como uma frente da CIA foi usada para financiar mais de 40 ONGs na Bolívia para recrutar “ativistas” para o golpe. Um deles era a Fundação dos Direitos Humanos (HRF), cujo membro Hugo Acha Melgar estava vinculado à trama de assassinato de 2009. Outro membro importante da HRF é um agente da CIA e um conspirador venezuelano, Thor Halvorsen Hellum. É financiado em parte pelo bilionário Peter Thiel.

O conspirador do golpe, o presidente fracassado e o perdedor da eleição de Carlos Mesa em 2019 foram premiados com um assento no grupo de reflexão financiado pela USAID, Diálogo Interamericano. A HRF concedeu a Jhanisse V. Daza um prêmio de companheiro de liberdade e ela foi enviada para a escola de Harvard Kennedy para ser treinada pelos infames conselheiros de revolução em cores CANVAS; ela até foi fotografada com sua chefe Srdja Popovic. Daza dirige a ONG Rios de Pie, alegando apoiar os direitos ambientais e indígenas, e ajudou a obter apoio internacional para o golpe, culpando Evo Morales pelos incêndios na Amazônia e iniciando a campanha no Twitter #SOSBolivia. A campanha de RP da rebelião de extinção financiada pelas empresas se juntou ao apoio ao golpe sob cobertura ambiental. 

Era uma estratégia de manipular questões ambientais para desacreditar os governos de esquerda que eles estavam testando na Nicarágua e o golpe foi “lavado de verde” da mesma maneira que “direitos humanos” foi a cobertura para golpes passados. A Ironia era, obviamente, que Evo Morales, como o primeiro presidente indígena, havia respeitado a política oficial do Estado da Mãe Terra e considerava o regime do golpe sem dúvida visto como “satânico”.

O quarto elemento-chave de qualquer golpe da CIA (ou guerra imperialista) é o controle da mídia. Foi há mais de 100 anos, durante a Primeira Guerra Mundial, que toda a mídia americana foi reorganizada para travar uma guerra de propaganda para motivar o público americano. Os primeiros ídolos do jornalismo como Walter Lippmann tiveram um papel fundamental. A Primeira Guerra Mundial foi seguida pela revolução russa, o que significava que a propaganda de terror vermelho deveria ser desencadeada. Por cem anos, os governos socialistas foram constantemente demonizados pela mídia. 

O aparato de propaganda americano foi aperfeiçoado durante a Segunda Guerra Mundial e os especialistas em guerra psicológica da OSS eram os mesmos barões da mídia americana, como Henry Luce ou CD Jackson, que dirigiam a mídia. Com a criação da CIA, os EUA conseguiram expandir o controle da mídia em todo o mundo, possuindo centenas de agências de notícias estrangeiras e pagando centenas de jornalistas para plantar peças de propaganda em jornais. A mídia e a inteligência estão tão interligadas que alguns vêem a mídia apenas como uma extensão das agências de inteligência.

No caso da Bolívia, o trabalho da mídia era demonizar Evo Morales, calar seus oponentes, questionar sua legitimidade e depois negar que algum golpe tivesse ocorrido. A Bolívia e os EUA receberam uma cobertura muito semelhante, com a mídia boliviana negando estritamente qualquer golpe. O que os EUA não controlaram fechou a proibição da RT e da Telesur, bem como 57 estações de rádio independentes prendendo e matando um número desconhecido de jornalistas e expulsando quaisquer jornalistas estrangeiros que cobrissem os massacres depois disso. 

A imprensa retratou os massacres como tiroteios entre policiais e narcoterroristas necessários à segurança. Nos EUA, o golpe que não foi golpe já foi esquecido nos próximos meses, as pessoas podem ser massacradas e desaparecerem, e a eleição pode ser marcada com uma cobertura mínima da mídia. Assim como o povo do Iêmen pode passar fome e ser bombardeado ano após ano com um blecaute quase completo na imprensa. A insanidade e a hipocrisia da mídia alcançam um novo círculo completo. Na Síria, terroristas armados foram retratados como manifestantes pacíficos sendo massacrados, enquanto na Bolívia manifestantes pacíficos sendo massacrados são retratados como terroristas armados.

O pesadelo da Bolívia está apenas começando, embora muitos continuem a luta para libertar o país do império. Nos dias seguintes ao golpe, o povo da Bolívia saiu às ruas para oferecer uma resistência heróica, mas eles foram massacrados e seus líderes foram ameaçados a recuar. O partido MAS de Evo Morales ainda espera que seja capaz de recuperar o poder democraticamente. No entanto, está sendo submetido à lei quando Evo Morales do exílio enviou sua representante legal Patricia Hermosa e seu advogado Wilfredo Chavez para registrar sua candidatura à presidência nas eleições de 3 de maio de 2020 em que foram presos e ela foi condenada a 6 meses de prisão. Oficialmente na Bolívia, Morales é procurado por “sedição, terrorismo e apoio ao terrorismo”, embora esteja tentando concorrer ao Senado.

O governo entrou com uma ação anticorrupção contra o candidato presidencial do MAS, Luis Acre, na esperança de prendê-lo para impedir uma vitória do MAS. A USAID foi convocada para ajudar a preparar a eleição de 3 de maio. A Bolívia provavelmente seguirá os passos do Haiti e Honduras com uma série de eleições fraudulentas supervisionadas pelos EUA. A presidente Jeanine Anez já aprovou um projeto de lei que dá à polícia e aos militares total impunidade para matar civis para manter o controle. A guerra interminável contra os povos indígenas que começou com a chegada de Cristóvão Colombo continua depois de mais de 500 anos. Nas Américas, da Bolívia ao Brasil, Honduras, México, Canadá e EUA, a luta continua.

*

Fontes 

Atrás das portas traseiras

https://bbackdoors.wordpress.com/2020/02/07/behind-the-coup-the-most-important-cia-agents-in-la-paz-bolivia-part-i/

Behind Back Doors descobriu os nomes dos agentes da CIA envolvidos no golpe da Bolívia

https://libya360.wordpress.com/2020/02/07/behind-the-coup-the-most-important-cia-agents-in-la-paz-bolivia/

Behind Back Doors também expôs o papel da Inteligência Argentina no Golpe da Bolívia

https://libya360.wordpress.com/2020/01/31/behind-the-coup-the-argentine-intelligence-agency-afi-in-bolivia/

Os melhores plotadores de golpe foram os graduados da Escola das Américas

https://libya360.wordpress.com/2019/11/14/top-bolivian-coup-plotters-were-school-of-the-americas-grads-served-as-attaches-in-fbi-police-programs/

Massacres na Bolívia

https://libya360.wordpress.com/2019/12/04/the-sacaba-and-senkata-massacres-how-state-terrorism-operates-in-bolivia/

A máquina de fraudes em ação na Bolívia

https://libya360.wordpress.com/2020/02/10/the-fraud-machine-at-work-in-bolivia/

Mais sobre o golpe na Bolívia

https://www.globalresearch.ca/us-government-propelled-coup-bolivia/5695837

Perfil do golpista fascista Luis Fernando Comacho e seus aliados

https://libya360.wordpress.com/2019/11/12/bolivia-coup-led-by-christian-fascist-paramilitary-leader-multi-millionaire-with-foreign-support/

Os agentes mais importantes da CIA na Bolívia

https://libya360.wordpress.com/2020/02/10/the-most-important-cia-agents-in-bolivia/

EUA ajudando a organizar novas eleições

https://libya360.wordpress.com/2020/01/08/bolivia-the-cia-is-already-weaving-the-plot-for-fraud/

ONGs verdes lançam bases para golpe

Golpe da Bolívia, idealizado em Washington: atualização pós-golpe, eleições fraudulentas?

https://thegrayzone.com/2019/08/29/western-regime-change-operatives-launch-campaign-to-blame-bolivias-evo-morales-for-the-amazon-fires/


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=261663

Publicado por em fev 26 2020. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS