Barroso já defendeu que decisão da ONU está acima da lei brasileira