Avião espião dos EUA interceptado pela Rússia sobre o Mar Negro

 

Nesta foto fornecida pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia, um avião de combate russo Su-30 decola na base aérea de Hemeimeem, na Síria, em 16 de março de 2016. (Foto AP)
Nesta foto fornecida pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia, um avião de combate russo Su-30 decola na base aérea de Hemeimeem, na Síria, em 16 de março de 2016. (Foto AP)

O Ministério da Defesa russo disse que um avião Su-30 interceptou um avião de vigilância dos EUA sobre o Mar Negro enquanto se aproximava da fronteira russa no início desta semana.

O incidente ocorreu às 09:00 GMT do dia 9 de maio, aniversário do Dia da Vitória na Grande Guerra Patriótica, que marca a capitulação da Alemanha nazista na União Soviética em 1945, disse o ministério na sexta-feira.

“Depois de se aproximar de um avião a uma distância segura, o piloto russo identificou visualmente o objeto voador como um avião de vigilância americano P-8A Poseidon”, afirmou o ministro russo da Defesa.

Segundo ele, os radares russos detectaram um alvo aéreo sobre as águas neutras do Mar Negro, acrescentando que o piloto russo “cumprimentou” os pilotos norte-americanos com uma manobra especial, levando a aeronave de vigilância a mudar de rota para fora da fronteira com a Rússia.

De acordo com o Ministério da Defesa, o caça Su-30 voltou mais tarde para a base com segurança.

Mais cedo, a NBC informou que um jato russo Su-27 tinha chegado a menos de sete metros de um avião americano sobre as águas neutras do Mar Negro.

A NBC citou a capitã Pamela Kunze, porta-voz das Forças Navais dos EUA na Europa, dizendo que a aeronave estava “realizando operações de rotina no espaço aéreo internacional”. Ela descreveu a intercepção como “segura e profissional”.

A foto não datada mostra uma aeronave de US Navy P-8A Poseidon. (Foto da Reuters)

O incidente ocorre cerca de uma semana depois que os Estados Unidos interceptaram jatos e bombardeiros russos enquanto realizavam vôos de rotina perto do Alasca, descrevendo o movimento como “sem problemas”.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, os vôos não violam de modo algum as regras internacionais ou as fronteiras de qualquer país, e missões semelhantes são conduzidas sobre os oceanos Atlântico e Ártico, bem como sobre o Mar Negro.

Em abril, dois aviões da F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA interceptaram os bombardeiros russos TU-95 Bear a 160 quilômetros da Ilha Kodiak do Alasca, disse um oficial do Pentágono.

O porta-voz do Pentágono, Gary Ross, disse que o avião furtivo americano escoltou os bombardeiros russos de longo alcance por 12 minutos antes de reverter o rumbo e voltar para sua base no leste da Rússia, acrescentando que a intercepção era “segura e profissional”, e não houve violação Do espaço aéreo dos EUA.

Em fevereiro, a Grã-Bretanha embarcou seus aviões de combate para interceptar dois bombardeiros russos no espaço aéreo internacional, alegando que eles estavam voando na borda dos territórios britânicos.

A Rússia manifestou-se frequentemente surpresa com a atenção dada pelos membros da OTAN às missões de rotina.

 presstv

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=254971

Publicado por em maio 12 2017. Arquivado em 2. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS