Atrito com EUA pode ‘forçar’ Alemanha a desenvolver bomba nuclear

Os ataques do presidente dos EUA, Donald Trump, à OTAN e Alemanha reascendem a necessidade de Berlim em possuir um bomba nuclear, escreveu o cientista político alemão Christian Hacke no jornal Die Welt. Agora que o país europeu é o “inimigo número um” dos EUA, Berlim precisa repensar sua política de segurança.

“Em seu novo papel como o inimigo número um do presidente dos EUA, a Alemanha precisa repensar completamente sua política de segurança (…) Pela primeira vez desde 1949 a República Federal da Alemanha ficou sem o escudo nuclear dos EUA. A Alemanha não está protegida contra situações extremas”, adverte Hacke.

O cientista político tem certeza de que possuir armas nucleares permitiria que Berlim se proteger de ameaças. Ele acrescenta, além disso, que a diplomacia só é efetiva quando há forte apoio militar por trás.Poucos diplomatas, militares e especialistas, entretanto, compartilham a opinião de Hacke. Muitos acreditam, porém, que o assunto deve ser discutido.

Caso contrário, a Alemanha poderá se transformar em “um brinquedo”, em vez de participanete ativo da política internacional.

Para alguns, por outro lado, repensar a política de segurança alemã implicaria na quebra do status quo e de uma série de acordos internacionais.

O ex-embaixador da Alemanha em Londres e Washington, Peter Ammon, cujas palavras também são citadas pelo jornal alemão, acredita que “a Alemanha ficará isolada e se tornará objeto de críticas de seus aliados” se uma bomba nuclear for construída. Além disso, a medida pode resultar em sanções econômicas por parte dos EUA.

“Para nossos aliados, os tweets selvagens do presidente dos Estados Unidos não são motivo suficiente para violar o regime internacional de não-proliferação (…) Isso levará a uma terrível perda de confiança”, alerta o ex-embaixador.

Trump e Merkel em coletiva realizada em Washington
© REUTERS / JIM BOURG
Trump: Alemanha é ‘completamente’ controlada pelo gás russo

Amon propõe assinar um acordo com a França, que contemple uma profunda integração dos dois países no que diz respeito à defesa, já que a França possui armas nucleares.”A Europa só pode sobreviver se a Alemanha for política, econômica e militarmente forte contra a Rússia, a China e os Estados Unidos”, adverte Harald Kujat, ex-chefe do Bundeswehr, as Forças Armadas alemãs.

No entanto, ele adverte, se a Alemanha não quiser renunciar à sua segurança, deve se basear no novo mundo multipolar, confiando na União Européia e na OTAN. “Agir de forma independente como uma potência nuclear colocará em risco a base sólida dessa segurança”.


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=258720

Publicado por em jul 30 2018. Arquivado em TÓPICO I. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS