Ataque dos EUA na Síria abre cenários perturbadores e imprevisíveis

Ataque dos EUA na Síria Abre cenários perturbadores e imprevisível

 

Temos vindo a assistir na Síria nos últimos dias a participação mais direta no conflito da Turquia, Israel e os Estados Unidos em ataques aéreos, bombardeios e tropas terrestres, embora de forma limitada.

O exemplo mais recente, mais útil ao enfatizar a decepção que reina em Washington, diz respeito à dinâmica que acompanharam a assinatura do cessar-fogo entre Kerry e Lavrov.

Com Aleppo sitiada e terroristas presos, os Estados Unidos e seus aliados têm sido forçados a aplicar para uma solução temporária para o conflito a fim de deter as hostilidades.

Apesar da falha anterior do cessar-fogo, a Rússia, Damasco e Teerã têm preferido para negociar enquanto continuar a ação militar. Se eles tivessem se recusado a negociar, eles teriam sido pintado pela mídia ocidental e as instituições internacionais como a razão para a intensificação do conflito. Isso teria facilmente abriu a porta a um maior envolvimento dos aliados regionais de Washington por causa da recusa de Moscou para negociar.

A diplomacia russa conseguiu transformar uma posição de força militar, mas de fraqueza diplomática aparente, em uma vitória geral. Washington foi forçado a pedir que os termos finais do acordo ser mantido em segredo. Moscou é claro exige transparência e exigiu que o acordo fosse tornado público.

O fato de que os Estados Unidos se opõe destaca ambigüidade de Washington em matéria de luta contra o terrorismo na Síria. O único ponto hipotético de acordo tornado público abrange uma futura coordenação conjunta para bater a Al Nusra e Daesh; embora o dia após a reunião entre Kerry e Lavrov, o secretário de Defesa norte-americano Ashton Carter, prontamente negado o acordo, confirmando que os EUA e a Rússia têm objetivos diferentes na Síria.

O significado por trás dessa afirmação não deixa dúvidas. Washington é incapaz – ou, pior ainda, não quer – desistir dos terroristas que apoia na Síria contra Assad, e não tem nenhuma intenção de abandonar a ideia de mudar o governo da Síria ou rasgar país pelo metade.

Como evidência do envolvimento dos EUA na Síria no lado dos terroristas, há poucos dias um evento importante ocorreu em Al-Rai, no norte da Síria em uma cidade situada na fronteira com a Turquia e, recentemente ocupada por Ankara com a ajuda islamita FSA / tropas l Nusra.

Uma dúzia de americanos das forças especiais soldados presentes na cidade síria ao lado «rebeldes» moderados foram forçados a fugir, como resultado de ameaças explícitas a suas vidas de seus «aliados» teóricas. Um curto-circuito completo. A visão de mundo de FSA / Al Nusra não permite que eles para lutar ao lado daqueles que claramente definem como «infiéis» (na realidade, aqueles que os financiam e arma-os.)

A ideia de que a coisa toda foi encenada, ou um golpe de mídia para distanciar os elementos mais radicais de tropas norte-americanas, fiquei encantado com a notícia proveniente de Deir ez-Zor algumas horas mais tarde.

Na Síria, em 17 de setembro no horário local 17:00, 2 F-16 Dinamarqueses, juntamente com 2 australianos ou americanos A-10 e um drone Ceifador britânico, atacou e feriu quatro vezes posições do Exército Árabe Síria (SAA) em Deir EZ Zor, matando 62 soldados e ferindo mais de 100, causando também danos materiais consideráveis. Pouco tempo depois, Daesh avançou sobre os locais atacados em Jabal Al Tahrdah que tinham cercado previamente as posições do governo (da cidade de Deir ez-Zor foi sitiada por ISIS por quatro anos).

A resposta imediata de Moscou e Damasco foi declarar Washington como aliado dos terroristas Daesh, enquanto as fontes no Departamento de Estado dos EUA disseram que que foi um engano, supostamente nunca ter havido qualquer intenção de alvejar deliberadamente AEA.

Qualquer que seja a leitura que se dá a este incidente, os EUA, pelo menos culpados de não coordenar com Moscou seus ataques a Daesh, a diplomacia russa chamou imediatamente as Nações Unidas, em uma reunião de emergência. A histeria da diplomacia americana expressa por Samantha Power, o embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, destaca. Mesmo sem estar presente na intervenção do representante russo, ela preferiu organizar uma conferência de imprensa acusando Moscou de explorar os mortos na Síria por causa de «uma simples erro americano».

É claro que os EUA e seus aliados cavaram um buraco a partir do qual eles são incapazes de sair. Eles não têm capacidade para inverter a situação militar na Síria, e sabem disso.

Eles atingiram cidades sem nenhuma importância estratégica, cidades em que a AEA e os seus aliados não enviariam tropas nem material para um confronto militar. Os locais ocupados pela Turquia no norte do país, não fazem nada para parar o cerco de Aleppo e libertar os terroristas presos na cidade. Ataques de Israel nas Colinas do Golan não param as ações do Hezbollah e do AEA contra a Al Nusra Frente e suas afiliadas normalmente protegidos por Tel Aviv. O ataque contra as tropas do governo sírio em Deir ez-Zor não quebrar a resistência de uma cidade sitiada por quatro anos defendida heroicamente pela SAA.

Como mencionado anteriormente, o envolvimento direto de nações opostas Damasco é um sinal de fraqueza e não de força. Eles revelam capacidade drasticamente reduzida para influenciar os acontecimentos no terreno, deixando apenas os capazes de reagir aos fatos. Testemunhar o incidente que ocorreu nas alturas perto de Deir ez-Zor em 17 de setembro.

Após a recaptura de Aleppo e Raqqa, rompendo o cerco de Deir ez-Zor é um dos pilares da estratégia de Moscou, Damasco e Teerã. As operações Palmira nos últimos meses têm sido o primeiro passo de uma operação mais ampla para romper o cerco da cidade.

Deir ez-Zor está localizada no leste do país e é quase no centro da rota de abastecimento para ISIS para Raqqa e Mosul no Iraque. Com o cerco das tropas sírias e russas sobre as rotas de transporte no norte, os terroristas têm um enorme interesse em manter abertas as linhas de trânsito no leste entre Raqqa Deir ez-Zor e Mosul; é essencial que eles mantêm viva a cadeia de ajuda, armas e dinheiro provenientes dos americanos, jordanianos, turcos, sauditas e Catar abastecimento.

Poucos dias antes do ataque americano, o aeroporto de Deir ez-Zor foi usado implantar um contingente formado por milhares de soldados sírios recém-formados e outros grupos iranianos, pronto para se engajar nas próximas operações para romper o cerco.

Diante desses fatos já alcançados em solo, os Estados Unidos decidiram tomar ações imprudentes e perigososas em reação.

Ignorando todas as normas internacionais e todos os princípios de bom senso, na esperança de alcançar resultados benéficos sobre o campo de batalha, a Coalizão Internacional (CI) decidiu enviar dois F-16, dois-10s, e um drone para acertar posições SAA situada nas colinas de Jabal al-Thardah. Bater as posições do governo em Jabal, que os americanos esperavam para ajudar o avanço da Daesh para assumir o controle da colina estratégica, o que prontamente ocorreu.

As colinas de Jabal al-Thardah são estratégicos porque eles oferecem uma vista única sobre o aeroporto adjacente Deir ez-Zor sob o controle de Damasco. Estrategistas americanos imaginado que a ação ajudaria ISIS em conquistar posições AEA. Desta forma, eles, então, serim capazes de atacar as pistas do aeroporto das montanhas al-Thardah, impedindo assim a SAA de fornecer reforços para libertar a cidade de lá edesligar links de comunicação dos terroristas entre Iraque e Síria.

As esperanças e planos de Daesh, compartilhados pelos americanos, desapareceu pouco depois na sequência da intervenção das tropas do governo sírio assistida pela Força Aérea Russa, que rapidamente recuperou as posições abandonadas.

Washington tinha mais uma vez reagiu com violência quando confrontado com um fato consumado, ou seja, reforços de entrada para a libertação da cidade. Também é interessante analisar os argumentos secundários que provavelmente empurrados Washington para colocar esse plano em ação. Nas mentes dos estrategistas de Washington, confusas e desanimados com seus fracassos contínuos, continuam a tentar provocar uma reação de Damasco, Teerã ou Moscou em face de tais ações sem sentido.

Essa explicação também se aplica às ações de Israel e Turquia, na Síria. A lógica por trás desse raciocínio é o seguinte: se a Síria, a Rússia e o Irã nunca  reagiram a uma das provocações sem fim, isto justificaria uma resposta ainda mais difícil, abrindo o caminho para uma escalada do conflito. Uma tática estéril que não funciona e não produz qualquer fruto, lembremo-nos a atitude de Moscou no caso em Donbass e Ucrânia, em particular.

Outro motivo que pode ter impelido Washington para se envolver em ação direta contra a SAA é a falta de confiança realizada por terroristas em suas «amigáveis» nações. A expulsão das Forças Especiais dos EUA no norte da Síria é sintomático de frustração que as tropas Nusra / Daesh / FSA  em face de derrotas contínuas.

No entanto, a principal motivação por trás desse desafio sem precedentes continua a ser a tentativa de sabotar o acordo de cessar-fogo assinado recentemente. Os Estados Unidos considera que a sua mão foi forçada pelos termos estabelecidos em outros lugares, ou seja, em Damasco e Moscou.

Sentem-se em um canto num buraco profundo.

Eles obtiveram a obrigação de confidencialidade para o documento, mas isso não faz nada mas danificar a estratégia, mostrando como a Casa Branca está em causa não deixar que seus aliados e terroristas no campo conhecer os termos do que foi acordado.

A visão de longo prazo estratégica de Moscou sobre o conflito sírio.

Prevalecente como base do raciocínio do Kremlin é um realista e abordagem diplomática que se esforça para evitar um confronto militar direto com os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, há a consciência de que tal conflito pode ocorrer, e assim por preparações são feitas para esta contingência.

Putin e seus assessores preferem manter os Estados-Membros vinculados por um pacto assinado e garantido pelas Nações Unidas. Com as eleições presidenciais se aproximando  e a possibilidade de uma presidência de Clinton, é fácil supor que o conflito poderia escalar rapidamente. Com um plano de paz e um acordo para parar as hostilidades assinado por Kerry-Obama, tudo seria mais complicado para Clinton e os neocons.

Eles seriam obrigados a encontrar motivos plausíveis e justificáveis para invalidar o acordo perante o mundo. As consequências seriam devastadoras, com uma maior perda de credibilidade e apoio internacional (excluindo aliados), sendo mais uma prova aos olhos do mundo, demonstrando fracasso dos EUA de respeitar todos os acordos feitos.

O plano para parar as hostilidades é uma possibilidade a pena explorar por Moscou. Se fosse para trabalhar, poderia iniciar uma discussão séria sobre o fim do conflito e diminuindo a violência.

De qualquer forma, ele serve para mostrar tática eficaz de Moscou em revelar a verdadeira intenção dos Estados Unidos na Síria, ou seja, para derrubar Assad a qualquer custo e por qualquer método, incluindo o terrorismo.

A este respeito, há um outro cenário, muito menos diplomática, muito mais militarista, que é algo que Moscou sempre tentou evitar; e que é a perspectiva de um confronto direto com os Estados Unidos.

Também é possível que uma linha vermelha para Moscou foi atravessada por ações de Washington em 17 de setembro. Uma ideia está flutuando ao redor, e tem até agora só foi discutido informalmente, no que diz respeito à possível criação de uma zona de exclusão aérea controlada pelos russos e sírios juntos, de restrição do céu sírias a aviões da coligação internacional.

Na sequência de desenvolvimentos militares e diplomáticos recentes, Moscou poderia declarar céus sírias fora dos limites para a força aérea dos EUA, negando que o método precioso de reconhecimento com drones que auxilia diretamente terroristas amigáveis no campo.

Com dois meses para as eleições presidenciais e Obama completamente dominado pelos acontecimentos, uma decisão desta importância iria quebrar planos americanos e ser um sinal forte e claro que a Rússia não vai mais tolerar a ambiguidade dos Estados Unidos e prefere considerar os EUA um integral parte do terrorismo, com as consequências daí resultantes.

Em um cenário hipotético, seria bom que alguém próximo à POTUS repetir a ele um conceito. Ninguém sabe se Moscou está disposto a ir tão longe como declarar céus sírias uma zona proibida para aviões dos EUA, mas no caso em que isso ocorre, é importante saber que uma violação desta zona de exclusão aérea seria atingido até S-400 baterias, pronto para se desintegrar aviões inimigos, incluindo os americanos.

Será que Obama quer ser lembrado como o presidente que escolheu para violar uma zona de exclusão aérea hipotética na Síria, o que provocou cenários apocalípticos? A escolha é sua, e espero que ele ainda é capaz de colocar a um parar as possíveis consequências que milhões de cidadãos norte-americanos que enfrentam decorrentes de um passo em falso da parte dele.

strategic-culture.org


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=249917

Publicado por em set 22 2016. Arquivado em 1. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “Ataque dos EUA na Síria abre cenários perturbadores e imprevisíveis”

  1. enganado

    A diplomacia da RÚSSIA é foda! Os USraHell levaram uma sinuca de bico, e para sair dela; ou se abrem e percam o jogo, ou então se arriscam sair da sinuca usando tabelas, que é muito arriscado porque podem carambolar em bolas=países participantes e aí as perdas da derrota seriam muito maiores. Gostaria de ver os valentões deitarem o taco na mesa e saíssem de fininho para ninguém ver mais uma derrota do poderoso US Army.

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS