Asia Times: Japão entra em corrida hipersônica depois da Rússia, China e EUA

As autoridades japonesas compartilharam seus planos para obter as mais recentes armas de alta tecnologia de sua própria produção – um míssil de cruzeiro hipersônico e uma unidade de combate de planejamento de velocidade ultra-alta. No entanto, ambos os sistemas, que deveriam ser usados ​​contra alvos terrestres e hídricos, entrarão ao serviço das forças de defesa do país não antes da década de 2030, escreve o Asia Times.
Asia Times: Japão entra em corrida hipersônica depois da Rússia, China e EUA

Reuters

Não apenas os militares dos EUA estão tentando apressadamente desenvolver armas hipersônicas para combater a China e a Rússia. Aparentemente, o Japão também pretende obter as mais recentes armas de alta tecnologia e um sistema de satélite para controlá-lo, escreve o Asia Times.

As autoridades do estado insular desenvolveram um plano de pesquisa e desenvolvimento para criar seus próprios sistemas hipersônicos. Assim, eles confirmaram que estão tentando aumentar a eficácia do combate no país e compartilharam detalhes sobre quais ameaças as novas armas serão usadas, observa o jornal.   
Um documento com informações relevantes em seu site foi publicado pela Agência Japonesa de Compras, Tecnologia e Logística. Ele fala sobre o desenvolvimento de dois tipos de armas – um míssil de cruzeiro hipersônico (HCM) e uma ogiva de planejamento de velocidade ultra-alta (HVGP).
O primeiro será equipado com um motor ramjet hipersônico e se parecerá com um foguete convencional. Mas, ao mesmo tempo, ela poderá desenvolver uma velocidade muito maior e percorrer uma distância enorme, o Asia Times chama a atenção.
A unidade HVGP receberá um motor de foguete de propulsor sólido que pode elevar sua ogiva a uma grande altura. Após o que ela planejará o alvo destinado à destruição, mantendo uma alta velocidade até o ataque.
A agência também forneceu informações mais detalhadas sobre os tipos de ogivas que o HVGP será equipado. Está planejado o uso de ogivas projetadas para destruir alvos de superfície e terrestres.
Uma das unidades de combate será perfuradora de armaduras. Ele foi projetado especificamente para lidar com porta-aviões. A versão terrestre usará uma carga de formação de projétil (SPS) para atacar áreas.
A agência também espera que o foguete e a unidade sejam guiados por satélite. Um sistema de navegação inercial deve ser usado como reserva, é enfatizado no artigo.
O Japão procura criar uma rede de sete satélites para garantir a implantação contínua de suas forças de autodefesa. Isso permitirá que você receba dados de navegação sem problemas, sem depender de dispositivos externos. A orientação das ogivas no alvo deverá ser realizada usando imagens de radiofrequência convertidas a partir de dados de mudança de frequência Doppler ou usando uma cabeça de infravermelho.  
Mas antes que o Japão consiga uma arma de combate viável, seus especialistas terão que trabalhar duro, inclusive em um sistema de orientação hipersônico e blindagem térmica. As novas armas devem entrar em serviço no início dos anos 2030, conclui o Asia Times.

Оригинал новости ИноТВ:
https://russian.rt.com/inotv/2020-03-17/Asia-Times-YAponiya-vstupila-v


Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=261738

Publicado por em mar 20 2020. Arquivado em TÓPICO IV. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

1 Comentário para “Asia Times: Japão entra em corrida hipersônica depois da Rússia, China e EUA”

  1. enganado

    O japão_OCUPADO não tem mesmo vergonha na cara, nem mesmo depois do julgamento fajuto, imposto pelo gen. recalcado McArthur, que enforcou covardemente o General Yamashita. Os generais=MERDANHAS do ___braZiU$$$A___ não têm CX para encarar um ”’TRIBUNAL NUREMBERG II”” , são covardes mesmos, se escondem um atrás dos outros, qdo não mudam a Constituição a seu favor. ”’japão”” tomem vergonha na cara , e não façam como o ___braZiU$$$A___ .

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS