Às vésperas do encontro entre Trump e Xi, China se opõe a antimísseis dos EUA

A China está se opor à implantação do sistema anti-mísseis THAAD dos EUA na Coreia do Sul, já que Pequim sente que o equipamento poderia ser usado para vigiar e interromper seu programa nuclear.

Washington diz que o sistema de Defesa de Área de Alta Altitude Terminal (THAAD) foi instalado para proteger Seul de ataques nucleares da Coreia do Norte. A Casa Branca criticou Pequim por não assumir um papel mais ativo no esforço para acabar com o desenvolvimento nuclear de Pyongyang.

Em janeiro, o presidente dos EUA, Donald Trump, escreveu no Twitter: “A China tem retirado enormes quantias de dinheiro e riqueza dos EUA em um comércio unilateral, mas não ajudará com a Coreia do Norte.

Durante uma reunião com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, o chanceler chinês Wang Yi disse que a China “dedicou muita energia e esforço ao longo dos anos” para resolver questões com Pyongyang. Sem nomear Trump, Wang disse que “os tremendos e importantes esforços que a China realizou são visíveis para todos”, afirmando que as potências mundiais devem fazer o que puderem para contribuir com o esforço de desnuclearização, incluindo os nossos amigos dos Estados Unidos.

Trump deve se encontrar com o próprio Xi na quinta e sexta-feira em seu resort de Mar-a-Lago em Palm Beach, na Flórida, onde provavelmente discutirão a Coreia do Norte, problemas no Mar do Sul da China e questões comerciais.

O radar de THAAD pode alcançar o continente chinês, incluindo áreas que contêm seu programa intercontinental de mísseis balísticos, que está sendo reconstruído. O principal dever do sistema, no entanto, é envolver e neutralizar mísseis balísticos dentro e fora da atmosfera da Terra.

Zhang Baohui, especialista da China em Hong Kong, explicou: “É claro que não há ninguém na China que realmente conheça a capacidade técnica do THAAD e isso faz parte do problema… as capacidades completas do THAAD são segredo para que haja um conhecimento real Entre os estrategistas chineses. Se eles estão fora de lugar, eles são, pelo menos, genuína em sua preocupação — eles têm que assumir um pior cenário”.

Em uma entrevista de domingo com o Financial Times, Trump alertou que Washington estava preparado para lidar com Pyongyang com ou sem a ajuda da China.

“Se a China não vai resolver a Coreia do Norte, nós vamos. É tudo o que eu estou dizendo”.

Na terça-feira, um funcionário da Casa Branca disse a repórteres que, quando se trata da Coreia do Norte, “o relógio acabou e todas as opções estão na mesa”.

A impaciência de Trump pode resultar de ameaças crescentes vindas da Coreia do Norte, enquanto os EUA e a Coreia do Sul continuam seus exercícios militares conjuntos, o que Pyongyang considera que têm como objetivo invadir o Norte e remover a liderança, incluindo o líder supremo Kim Jong-un.

Kim ameaçou reduzir os EUA “a cinzas” se Washington realizar um ataque preventivo.

Sputnik


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=254523

Publicado por em abr 5 2017. Arquivado em 4. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS