Arábia Saudita toma o petroleiro iraniano ‘refém’

 

Foto do arquivo do petroleiro iraniano Felicidade I
Foto do arquivo do petroleiro iraniano Felicidade I

Autoridades iranianas alertaram a Arábia Saudita contra manter um petroleiro como “refém”, descrevendo-a como uma “apreensão ilegal” e um caso de “busca de resgate” com o objetivo de obter concessões do Irã.

Em 2 de maio, a Arábia Saudita anunciou que sua guarda costeira resgatou um aflito petroleiro iraniano, chamado Felicidade I, com 26 a bordo do porto de Jidá, no Mar Vermelho, depois de enfrentar “falha de motor e perda de controle”.

Dois meses depois, apesar de consertados, os sauditas estão se recusando a deixar a embarcação sair e, ao mesmo tempo, cobram do Irã US $ 200 mil por dia pela manutenção da embarcação em Jeddah.

“O governo saudita primeiro mostrou bom comportamento: forneceu assistência técnica à embarcação danificada, e tripulantes com pacotes de alimentos, mas se recusou a dar qualquer ajuda nas últimas semanas”, disse o parlamentar iraniano Jalal Mirzaei na quarta-feira.

Mohammad-Javad Jamali Nobandegani, vice-presidente da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento iraniano, acredita que o governo saudita está tentando usar o petroleiro como “refém”.

“A recusa da Arábia Saudita em liberar a embarcação iraniana no país árabe é uma espécie de busca de resgate e de tomada de reféns. Acho que os sauditas querem usar a situação para se vingar dos danos que sofreram em lugares como o Iêmen”. notado.

No entanto, acrescentou, este é um “jogo estúpido e infantil, que finalmente resultará no mal de Riad”.

Ele também pediu que os sauditas – como “lacaios dos americanos” – não testem a força de vontade do Irã e evitem aumentar a atual tensão na região, especialmente depois da recente queda de um avião espião americano que havia violado o espaço aéreo iraniano.

Outro legislador, Jalal Rahimi Jahanabadi, que faz parte da Comissão Jurídica do Parlamento, pediu ao governo que processe a Arábia Saudita na Organização Marítima Internacional sobre o assunto.

Enquanto isso, o ministro iraniano do Petróleo, Bijan Namdar Zanganeh, disse a repórteres na quarta-feira que as autoridades iranianas na Companhia Nacional de Petroleiros Iranianos estão acompanhando o destino do navio, e o problema será resolvido em breve.

“A questão tem custos financeiros para o Irã, mas estamos mais preocupados com um possível desastre ambiental na região”, disse ele.

As autoridades iranianas dizem que o incidente ocorreu em 30 de abril, enquanto a Felicidade I estava a caminho do Canal de Suez e que a água vazara na sala de máquinas do petroleiro.

Foi relatado que todos os 26 tripulantes, incluindo 24 iranianos e dois bengaleses, estavam seguros e que todas as precauções necessárias foram tomadas para evitar qualquer dano ambiental.

Os relatórios não especificavam a localização atual dos membros da tripulação e não discutiam se havia derramado óleo do navio-tanque.

Mas a estatal National Iranian Tanker Co. disse que não houve vazamento do conteúdo do navio para o Mar Vermelho, segundo a agência de notícias do Ministério do Petróleo do Irã, SHANA.

O grupo de monitoramento TankerTrackers estimou que a embarcação estava transportando até 1,22 milhão de barris de petróleo bruto.

Presstv


Nota da Redação:

O Irã é inteligente e manterá seu comportamento racional. Processe os sauditas usando leis internacionais. Exponha os sauditas como piratas internacionais de propriedade estatal.

Todavia, esse comportamento dos sauditas mostram claramente a influência de proteção dos EUA que estão calados, vez que, sempre se metem em questões que envolvam o Irã e a família real saudita.

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=260494

Publicado por em jul 4 2019. Arquivado em TÓPICO II. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS