Alemanha vende mais armas aos Emirados Árabes Unidos em meio à guerra do Iêmen

Soldados alemães carregam veículos blindados do tipo "Marder" em um trem na área de exercícios de tropas em Grafenwoehr, no sul da Alemanha, em 21 de fevereiro de 2017. (Foto da AFP)
Soldados alemães carregam veículos blindados do tipo “Marder” em um trem na área de exercícios de tropas em Grafenwoehr, no sul da Alemanha, em 21 de fevereiro de 2017. (Foto da AFP)

O governo alemão aprovou mais vendas de armas aos Emirados Árabes Unidos (EAU), que está ajudando a Arábia Saudita em sua campanha militar mortal contra o Iêmen.

A imprensa alemã informou que Berlim havia aprovado a venda de 203.448 detonadores de 40 milímetros para o reino árabe, além de 134 milhões de dólares em blindados e veículos militares.

A medida indicou que a Alemanha estava continuando sua política de fornecimento de armas para países diretamente envolvidos nos conflitos no Oriente Médio e desconsiderando o processo de seleção do acordo para o potencial impacto humanitário.

“Mais uma vez, o governo está agitando através da entrega de equipamento militar para um participante de guerra na região do Golfo [persa]”, disse Agnieszka Brugger, porta-voz do Partido Verde da oposição.

“Em vez de acabar com todas as armas que tratam dos Estados que participam na sangrenta guerra no Iêmen, a CDU e os SPD (partidos de coalizão governamentais alemães) estão ignorando as diretrizes alemãs de exportação de armas”, acrescentou.

Abu Dhabi é um membro da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita que está envolvida em uma brutal ofensiva contra o Iêmen desde março de 2015 com o objetivo de reinstalar o ex-governo aliado de Riyadh.

Uma criança iemenita está fora da casa da família, que foi destruída há vários meses em um ataque aéreo pela Arábia Saudita em uma favela na capital do Iêmen, Sana’a, em 12 de março de 2016. (Foto da AFP)

O acordo ocorre quando cerca de sete milhões de iemenitas enfrentam a fome como resultado do conflito de dois anos no país, que já custou mais de 12 mil vidas civis e afetou as instalações e infraestruturas do país empobrecido, incluindo hospitais, escolas e fábricas.

A Alemanha é um dos principais exportadores mundiais de armas para os Estados da União Europeia e para os países da OTAN. Os Estados Unidos e o Reino Unido também foram grandes fornecedores de armas e armas para países que causam estragos no Oriente Médio.

Os EUA e seus aliados têm estado sob pressão para interromper as vendas de armas à Arábia Saudita, que enfrenta críticas massivas da comunidade internacional por lançar uma violenta guerra contra o mais pobre estado da Península Arábica.

presstv


 

Be Sociable, Share!

URL curta: http://navalbrasil.com/?p=254645

Publicado por em abr 15 2017. Arquivado em TÓPICO IV. Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta, ou trackbacks a esta entrada

Deixe uma Resposta

CLIQUE ACIMA PARA RECEBER COMENTÁRIOS POR E-MAIL. ATENÇÃO: AO COMENTAR, UTILIZE UM E-MAIL ÚTIL - COOPERE COM NOSSO TRABALHO.

CLIQUE SOBRE AS NOTÍCIAS